Guerra na Ucrânia

A morte da Ucrânia por procuração

Há muitas maneiras de um Estado projetar o poder e enfraquecer os adversários, mas as guerras por procuração são uma das mais cínicas

Há muitas maneiras de um Estado projetar o poder e enfraquecer os adversários, mas as guerras por procuração são uma das mais cínicas. As guerras por procuração devoram os países que pretendem defender. Elas seduzem nações ou insurretos a lutar por objetivos geopolíticos que, em última análise, não são do seu interesse. A guerra na Ucrânia tem pouco a ver com a liberdade ucraniana e muito a ver com a degradação do exército russo e o enfraquecimento do poder de Vladimir Putin. E, quando a Ucrânia caminhar para a derrota, ou quando a guerra chegar a um impasse, a Ucrânia será sacrificada como muitos outros Estados, mencionado por um dos membros fundadores da CIA, Miles Copeland Jr., como o “Jogo das Nações” e “a amoralidade da política de poder”.

Nas minhas duas décadas como correspondente estrangeiro cobri guerras por procuração, nomeadamente na América Central, onde os EUA armaram os regimes militares em El Salvador e Guatemala e os rebeldes Contra, tentando derrubar o governo sandinista da Nicarágua. Informei sobre a insurreição no Punjab, uma guerra por procuração fomentada pelo Paquistão. Cobri os curdos no norte do Iraque, apoiado e depois traído mais de uma vez pelo Irã e Washington. Durante a minha estadia no Médio Oriente, o Iraque forneceu armas e apoio aos Mujahedeen-e-Khalq (MEK) para desestabilizar o Irã. Quando estive na ex-Jugoslávia, Belgrado pensava que ao armar sérvios, bósnios e croatas, poderia absorver a Bósnia e partes da Croácia para uma Grande Sérvia.

As guerras por procuração são notoriamente difíceis de controlar, especialmente quando as aspirações dos que combatem e dos que enviam as armas divergem. Têm também o mau hábito de atrair diretamente para o conflito patrocinadores de guerras por procuração, como aconteceu com os EUA no Vietname e com Israel no Líbano. Há pouca responsabilidade na distribuição de armas aos exércitos por procuração, quantidades significativas das quais acabam no mercado negro ou nas mãos de senhores da guerra, ou de terroristas. A CBS News relatou no ano passado que cerca de 30% das armas enviadas para a Ucrânia conseguem chegar à linha da frente, um relatório que preferiu desdizer-se parcialmente sob forte pressão de Kyiv e Washington. O desvio generalizado para o mercado negro de equipamento militar e médico doado à Ucrânia foi também documentado pela jornalista norte-americana Lindsey Snell. As armas nas zonas de guerra são mercadorias lucrativas. Havia sempre grandes quantidades para venda nas guerras que cobri.

Senhores da guerra, gângsteres e bandidos – a Ucrânia há muito que é considerada um dos países mais corruptos da Europa – são transformados pelos Estados patrocinadores em heróicos combatentes da liberdade. O apoio aos que combatem estas guerras por procuração é uma celebração da nossa alegada virtude nacional, especialmente sedutora após duas décadas de fiascos militares no Médio Oriente. Joe Biden, com números sombrios nas sondagens, pretende candidatar-se a um segundo mandato como presidente “em tempo de guerra” que apoia a Ucrânia, à qual os EUA já se comprometeram com 113 mil milhões de dólares em assistência militar, econômica e humanitária.

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia, “o mundo inteiro enfrentava um teste histórico”, disse Biden após uma visita relâmpago a Kiev. “A Europa era testada. A América era testada. A NATO era posta à prova. Todas as democracias foram postas à prova”.

Ouvi sentimentos semelhantes expressos para justificar outras guerras por procuração.

“Estes combatentes pela liberdade são nossos irmãos, e nós devemos-lhes a nossa ajuda”, disse Ronald Reagan sobre os Contras, os quais pilharam, violaram e massacraram tudo à sua frente na Nicarágua. “Eles são o equivalente moral dos nossos Pais Fundadores e os homens e mulheres corajosos da Resistência francesa”, acrescentou Reagan. “Não nos podemos afastar deles, pois a luta aqui não é direita contra esquerda, é o certo contra o errado”.

“Quero ouvi-lo dizer que vamos armar o Exército Sírio Livre”, disse John McCain sobre o Presidente Donald Trump. “Vamos dedicar-nos ao derrube de Bashar al-Assad. Vamos fazer com que os russos paguem um preço pelo seu envolvimento. Todos os intervenientes aqui vão ter de pagar uma multa e os Estados Unidos da América vão estar do lado das pessoas que lutam pela liberdade”.

Aqueles que se fazem passar por heróis da resistência, como o Presidente Volodymyr Zelensky ou o Presidente Hamid Karzai no Afeganistão, são frequentemente problemáticos, especialmente porque os seus egos e contas bancárias inflacionam. A enxurrada de encómios efusivos dirigidos a procuradores pelos seus patrocinadores em público raramente corresponde ao que eles dizem deles em privado. Nas conversações de paz de Dayton, onde o presidente sérvio Slobodan Milosevic vendeu os líderes dos sérvios da Bósnia e dos croatas da Bósnia, disse dos seus proxies: “[eles] não são meus amigos. Eles não são meus colegas… são merda”.

“Dinheiro sujo escorria por todo o lado”, escreveu o Washington Post depois de obter um relatório interno produzido pelo Gabinete do Inspetor Geral Especial para a Reconstrução do Afeganistão.

“O maior banco do Afeganistão liquefez-se numa fossa de fraude. Os viajantes transportavam malas carregadas com 1 milhão de dólares, ou mais, em voos que partiam de Cabul. Mansões conhecidas como ‘palácios de papoilas’ emergiram dos escombros para albergar cabecilhas do ópio. O Presidente Hamid Karzai foi reeleito depois de os seus amigos encherem milhares de urnas de votos. Mais tarde, admitiu que a CIA tinha, durante anos, entregado sacos de dinheiro no seu escritório, considerando isso ‘nada de anormal'”.

“Em público, quando o Presidente Barack Obama intensificou a guerra e o Congresso aprovou milhares de milhões de dólares adicionais de apoio, o comandante-em-chefe e os legisladores prometeram reprimir a corrupção e responsabilizar os afegãos corruptos”, noticiou o jornal. “Na realidade, os funcionários norte-americanos recuaram, fizeram vista grossa e deixaram a roubalheira ficar mais enraizada do que nunca, segundo uma série de entrevistas confidenciais do governo obtidas por The Washington Post“.

Aqueles que são celebrados como o baluarte contra a barbárie quando as armas lhes são enviadas, são esquecidos quando os conflitos terminam, como no Afeganistão e no Iraque. Os antigos combatentes por procuração têm que fugir do país ou sofrer as vinganças dos que combatiam, como aconteceu com as tribos Hmong abandonadas no Laos e os vietnamitas do Sul. Os antigos patrocinadores, outrora pródigos em ajuda militar, ignoram pedidos desesperados de assistência econômica e humanitária, quando os deslocados pela guerra passam fome e morrem por falta de cuidados médicos. O Afeganistão, pela segunda vez, é o exemplo desta insensibilidade imperial.

O colapso da sociedade civil gera violência sectária e extremismo, em grande parte contrário aos interesses daqueles que fomentaram as guerras por procuração. As milícias por procuração de Israel no Líbano, juntamente com a sua intervenção militar em 1978 e 1982, foram concebidas para desalojar a Organização de Libertação da Palestina (OLP) do país. Este objetivo foi alcançado. Mas a retirada da OLP do Líbano deu origem ao Hezbollah, um adversário muito mais militante e eficaz, juntamente com o domínio sírio do Líbano. Em setembro de 1982, durante três dias, o Partido Kataeb libanês, mais conhecido como as Falanges – apoiado pelos militares israelenses – massacrou entre 2.000 e 3.500 refugiados palestinianos e civis libaneses nos campos de refugiados de Sabra e Shatila. Isso provocou a condenação internacional e agitação política dentro de Israel. Os críticos chamaram ao prolongado conflito “Lebanam”, que aglutinava as palavras Vietname e Líbano. O filme israelense “Valsa com Bashir” documenta a depravação e a morte gratuita de milhares de civis por Israel e seus proxies durante a guerra no Líbano.

As guerras por procuração, como sublinhou Chalmers Johnson, provocam reações inesperadas. No Afeganistão, o apoio dos mujahedines a combater os soviéticos, que incluía armar grupos como os liderados por Osama bin Laden, deu origem aos Talibãs e à al-Qaeda. Também espalhou o jihadismo reacionário pelo mundo muçulmano, aumentou os ataques terroristas contra alvos ocidentais que culminaram nos ataques do 11 de setembro e alimentou duas décadas de fiascos militares liderados pelos EUA no Afeganistão, Iraque, Síria, Somália, Líbia e Iémen.

Se a Rússia vencer na Ucrânia, se Putin não for afastado do poder, os EUA não só terão cimentado uma potente aliança entre a Rússia e a China, como também terão assegurado um antagonismo com a Rússia que voltará a assombrar-nos. A avalanche de milhares de milhões de dólares de armas na Ucrânia, a utilização da secreta dos EUA para eliminar generais russos e afundar o navio de guerra Moskva, a explosão dos gasodutos Nord Stream e as mais de 2.500 sanções dos EUA contra a Rússia, não serão esquecidas por Moscovo.

“De certa forma, a reação inesperada é simplesmente outra forma de dizer que uma nação colhe aquilo que semeia”, escreve Johnson, “Embora as pessoas normalmente saibam o que semearam, a nossa experiência nacional de reação inesperada é raramente imaginada em tais termos, porque muito do que os gestores do império americano semearam foi mantido em segredo”.

Nas guerras por procuração, os que são apoiados, nomeadamente os ucranianos, têm muitas vezes poucas hipóteses de vitória. Armas refinadas como os tanques M1 Abrams são em grande parte inúteis se aqueles que as operam não tiverem passado meses e anos a serem treinados. Antes da invasão israelense do Líbano em junho de 1982, o bloco soviético forneceu aos combatentes palestinianos armas pesadas, incluindo tanques, mísseis antiaéreos e artilharia. A falta de formação tornou essas armas ineficazes contra o poder aéreo, a artilharia e as unidades mecanizadas israelenses.

Os Estados Unidos sabem que o tempo está a esgotar-se para a Ucrânia. Sabem que as armas de alta tecnologia não serão dominadas a tempo de neutralizar uma ofensiva russa sustentada. O secretário da Defesa Lloyd Austin advertiu em janeiro que a Ucrânia tem “uma janela de oportunidade aqui, entre agora e a Primavera”. “Isso não é muito tempo”, acrescentou.

Porém, a vitória não é o fundamental. O objetivo é a destruição máxima. Mesmo que a Ucrânia seja forçada, na derrota, a negociar com a Rússia e a conceder território pela paz, bem como a aceitar o estatuto de nação neutra, Washington terá atingido o seu objetivo primordial de enfraquecer a capacidade militar da Rússia e isolar Putin da Europa.

As ilusões cegam os que montam guerras por procuração. Houve pouco apoio para os Contras na Nicarágua ou para o MEK no Irã. O armamento dos chamados rebeldes “moderados” na Síria viu armas passarem para as mãos dos jihadistas reacionários.

As guerras por procuração acabam normalmente com a nação ou grupo que combate em nome do Estado patrocinador traído. Em 1972, a administração Nixon forneceu milhões de dólares em armas e munições aos rebeldes curdos no norte do Iraque para enfraquecer o governo iraquiano, que, na altura, era visto como demasiado próximo da União Soviética. Ninguém, muito menos os EUA e o Irã, que entregaram as armas aos combatentes curdos, queria que os curdos criassem um Estado próprio. O Iraque e o Irã assinaram o Acordo de Argel de 1975, tendo os dois países resolvido as disputas ao longo da sua fronteira comum. O acordo também pôs fim ao apoio militar aos curdos.

Os militares iraquianos lançaram logo uma campanha implacável de limpeza étnica no norte do Iraque. Milhares de curdos, incluindo mulheres e crianças, desapareceram ou foram mortos. Aldeias curdas foram arrasadas. A situação desesperada dos curdos foi ignorada, pois, como Henry Kissinger disse na altura, “a intervenção secreta não deve ser confundida com o trabalho missionário”.

O governo islâmico de Teerão retomou a ajuda militar aos curdos durante a guerra entre o Irã e o Iraque, de 1980 a 1988. A 16 de março de 1988, o Presidente iraquiano Saddam Hussein lançou gás mostarda e os agentes nervosos sarin, tabun e VX na cidade curda de Halabja. Cerca de 5.000 pessoas morreram em minutos e cerca de 10.000 ficaram feridas. A administração Reagan, que apoiava o Iraque, minimizou os crimes de guerra cometidos contra os seus antigos aliados curdos.

A aproximação do Presidente Richard Nixon à China, noutro exemplo, incluiu o término da assistência secreta aos rebeldes tibetanos.

A traição é o ato final em quase todas as guerras por procuração.

O fornecimento de armas à Ucrânia não é uma obra missionária. Não tem nada a ver com liberdade. Tem a ver com o enfraquecimento da Rússia. Se tirarmos a Rússia da equação haverá pouco apoio tangível para a Ucrânia. Há outros povos ocupados, incluindo os palestinianos, que sofrem tão brutalmente e há muito mais tempo do que os ucranianos. Mas a NATO não arma os palestinianos para lutarem contra os seus ocupantes israelenses ou a mantê-los como combatentes heróicos da liberdade. O nosso amor pela liberdade não se estende aos palestinianos ou ao povo do Iémen, atualmente bombardeado com armas britânicas e americanas, nem aos curdos, yazidis e árabes que resistem à Turquia, um membro de longa data da NATO, na sua ocupação e guerra de drones em todo o norte e leste da Síria. O nosso amor pela liberdade estende-se apenas a quem serve o nosso “interesse nacional”.

Chegará uma altura em que os ucranianos, tal como os curdos, se tornarão descartáveis. Desaparecerão, como muitos outros antes deles, do nosso discurso nacional e da nossa consciência. Irão alimentar durante gerações a sua traição e sofrimento. O império americano passará a utilizar outros, talvez o povo “heroico” de Taiwan, para promover a sua busca fútil pela hegemonia global. A China é o grande prêmio para os nossos Drs. Strangeloves. Irão amontoar ainda mais cadáveres e namoriscar com a guerra nuclear para reduzir o crescente poder econômico e militar da China. Trata-se de um jogo antigo e previsível. Deixa na sua esteira nações em ruínas e milhões de pessoas mortas e deslocalizadas. Alimenta a arrogância e a autoilusão dos mandarins em Washington que se recusam a aceitar a emergência de um mundo multipolar. Se não for controlado, este “jogo de nações” pode matar-nos.»

Fonte: Resistir.info

* Os artigos aqui reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.