Nova Iorque

08/12/1980: Lennon é assassinado e suspeitas recaem sobre a CIA

Perseguido pela ditadura norte-americana ao longo de toda a década de 1970, o assassinato do ex-Beatle continua instigando questionamentos

Em 8 de dezembro de 1980, a música perdia uma de suas maiores lendas: o inglês John Lennon. No entanto, a morte do ex-Beatle foi mais do que um assassinato; foi um evento envolto em mistérios e teses que sugerem inclusive uma participação da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês).

Cuidadosamente observado pela ditadura norte-americana, já 1972, o governo Nixon iniciou um processo de deportação contra Lennon, considerando suas posições políticas uma ameaça ao regime imperialista. Vigilância intensiva, incluindo grampos telefônicos e a ordem de deixar os EUA em 1973 foram parte de uma perseguição política documentada em mais de 280 páginas pelo FBI, a polícia política federal dos EUA.

O envolvimento de Lennon com movimentos antiguerra e sua simpatia ao trotskismo inglês intensificaram a pressão sobre ele. Rumores sugerem que o governo dos EUA, temendo a influência política de Lennon, utilizou Mark David Chapman como peão em um ato que mudaria a história da música.

Chapman, oficialmente um admirador desequilibrado, assassinou Lennon na porta do edifício Dakota, em Nova York, disparando quatro tiros nas costas do músico. A versão oficial insiste na ideia de um ato isolado, embora sejam numerosas as vozes discordantes.

Nascido em 9 de outubro de 1940, em Liverpool, Inglaterra, Lennon foi um dos principais cantores e compositores dos Beatles, cujo impacto na música é inegável. Seu ativismo político, marcado por músicas como “Revolution” e “Imagine”, tornou-o alvo do FBI durante toda a década de 1970.

As suspeitas de que a CIA esteve envolvida na morte de Lennon persistem até hoje. A conjuntura política da época, a intensa vigilância do governo e a pressão exercida pela direita tornam crível a hipótese de que a sinistra agência golpista tenha participado de seu assassinato. O legado de John Lennon transcende o mito musical; ele tornou-se um símbolo do ativismo político que desafiou as estruturas estabelecidas, custando-lhe a vida. A música e o mundo perderam um ícone, mas a sombra de dúvidas que paira sobre sua morte continua a intrigar e inspirar questionamentos.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.