Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Entreguismo

TCU golpista autoriza primeira etapa de venda da Eletrobras

Decisão foi tomada por 6 votos a um e julgamento será retomado em março


─ Cristiane Sampaio, Brasil de Fato ─ Contrariando os protestos populares, o Tribunal de Contas da União (TCU) liberou para o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) a primeira fase do processo de privatização da Eletrobras, que gerou divergências na Corte por conta de subavaliação dos valores previstos para a venda. O placar entre os magistrados foi de seis votos contra um, com oposição apenas do ministro Vital do Rêgo.

A decisão significa, na prática, que a gestão está autorizada a dar sequência aos procedimentos de desestatização, que serão avaliados pelos ministros adiante, a partir de março. Nesta fase atual de análise, o TCU se debruçou sobre os valores da outorga que será dada aos futuros novos donos da companhia. 

A questão inclui o montante que a empresa deverá repassar à União pela renovação dos contratos, que envolvem 22 usinas hidrelétricas. Para Vital do Rêgo, o futuro poderá trazer a sensação de que “a Eletrobras foi vendida pela metade do preço e a iniciativa privada está fazendo a festa”.

O julgamento foi marcado pela divergência aberta pelo ministro, que apresentou um voto com ressalvas às estimativas feitas pelo governo. O magistrado destacou, por exemplo, que, apesar de a gestão orçar as hidrelétricas da companhia em R$ 67 bilhões, o patrimônio valeria R$ 130,4 bilhões.

Em dezembro, quando o tribunal discutiu a primeira etapa do processo de venda da Eletrobras, Rêgo já havia acenado com estranheza diante dos valores iniciais. Na ocasião, a sessão foi suspensa por conta de pedido de vistas dele.

Recálculo

No voto apresentado nesta terça (15), o ministro defendeu que seja feito um recálculo da quantia a ser paga pela empresa à União e à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), um dos destinos dos valores futuramente pagos pelos novos proprietários.

O governo havia estimado em R$ 32 bilhões o total a ser destinado à CDE. Essa canalização tem o objetivo de reduzir o impacto do potencial aumento de tarifa gerado pela privatização.

Rêgo aponta que os cálculos do Poder Executivo não consideraram a potência total das hidrelétricas, por isso subestimam a quantidade de geração de energia nas usinas a serem vendidas. O ministro afirma que somente esse elemento ampliaria a outorga em R$ 46 bilhões, por exemplo.

Ao mencionar a operação de transferência do controle da Eletrobras para a iniciativa privada, Rêgo chegou a dizer ainda que “nenhum país” com o perfil energético do Brasil adotou essa iniciativa até o momento.

“Nenhum país cuja matriz elétrica possua hidroeletricidade como parte significativa privatizou seu setor elétrico. Estados Unidos, China, Canadá, Suécia, Noruega, Índia, Rússia, nenhum deles”, alfinetou.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.