Copa no Catar

Seis motivos que explicam a campanha de Marrocos na Copa

Seleção africana chegou até as semifinais, uma classificação história para os times do continente

The Conversation, tradução do Brasil de Fato O Marrocos fez história, a primeira seleção africana e árabe a chegar às semifinais da Copa do Mundo de futebol masculino.

O Atlas Lions, dotado de organização e vontade defensiva impecáveis, passes criativos no meio-campo, ataque rápido e o barulho empolgante de seus torcedores, quebrou o teto de vidro da Copa do Mundo contra Portugal nas quartas de final no Catar para enfrentar a França.

O som da torcida marroquina se tornou a alma da primeira Copa do Mundo realizada no mundo árabe. Por mais mágica que pareça a vitória do Marrocos, não se deve ignorar a realidade de que nenhum time marcou contra eles (exceto por um gol contra ao derrotar o Canadá). A equipe controlou o campo de jogo o tempo todo, marcando sua autoridade com talento inimaginável e uma compostura controlada.

Existem seis forças notáveis ​​que impulsionaram seu sucesso.

1. Espírito de equipe

Marrocos demonstrou o máximo espírito coletivo de equipe para eliminar times mais bem ranqueados que ostentavam uma generosa oferta de talentos individuais – Bélgica, Espanha, Portugal. O que falta a Marrocos no estrelato foi compensado pela vontade de vencer e pela aplicação técnica de toda a equipe.

O gol nas quartas de final, após repetidas pressões defensivas, foi marcado aos 42 minutos. Alguns bons toques levaram Yahya Attiat Allah a colocar a bola em campo, controlá-la e depois cruzar para a área. Ali, Youssef En-Nesyri parecia erguer-se para sempre acima das mãos estendidas dos altos defensores portugueses, para cabecear do centro. A passagem fluida foi linda de assistir, deixando Portugal perplexo e provocando um pandemônio no estádio que refletiu ao redor do mundo.

2. Impulsionados pela história

Motivado pelo desejo de passar das quartas de final, o Marrocos teve que aprender com a história. As últimas três seleções africanas a chegar às quartas de final da Copa do Mundo – Camarões em 1990, Senegal em 2002 e Gana em 2010 – foram eliminadas da maneira mais dolorosa, na prorrogação. Em cada um desses casos, as seleções africanas não tiveram a postura necessária.

Os Atlas Lions defenderam com todas as forças e depois marcaram, evitando qualquer possibilidade de prorrogação. Mesmo as lesões – e a expulsão do atacante Walid Cheddira após o segundo cartão amarelo – não desestabilizaram o ritmo defensivo da equipe. Portugal, incluindo o craque Cristiano Ronaldo, não conseguiu buscar o empate. Desde o início, os marroquinos pareciam determinados a fazer história.

3. Defesas ganham campeonatos

A caminho das semifinais, apenas Marrocos e Croácia, que empataram na primeira eliminatória, estavam invictos. Nas oitavas de final, os marroquinos eliminaram a Espanha nos pênaltis, onde o goleiro Yassine Bounou fez grandes defesas para levar o time às quartas de final. A eliminação de Portugal, assim como a da Espanha, veio por conta de uma defesa sólida que não sofreu gols.

Costuma-se dizer que as defesas ganham campeonatos. Se for esse o caso, Marrocos tem as qualificações para vencer tudo. Mas eles devem acreditar em seus pontos fortes e reunir energia suficiente para se defender por longos períodos de tempo nas próximas partidas. Sua posse de bola foi de 22% contra a Espanha e 23% contra Portugal, o que mostra sua disciplina defensiva e execução eficiente na hora de marcar. Os baixos percentuais de posse de bola também mostram que ter muito a bola não é garantia de vitória. No entanto, sair na frente do placar também permite ao time estreitar espaços, obrigando o adversário a correr mais – e depois ser certeiro no contra-ataque.

4. Os torcedores são o 12º jogador

Marrocos encontra-se na posição única de carregar as esperanças duplas, tanto da região árabe quanto do continente africano. As quartas de final pareciam um jogo em casa para o Marrocos, com os torcedores do time dominando nas arquibancadas. Os torcedores marroquinos aplaudiram o time, zombaram dos jogadores portugueses e saudaram incansavelmente seus heróis.

Após o apito final, o estádio entrou em erupção enquanto milhares pulavam para cima e para baixo, se abraçando. Com os torcedores atuando como o 12º jogador do Marrocos, não seria um grande choque se o Atlas Lions pudesse cavar fundo e montar mais uma reviravolta para chegar à final. Dos quatro países semifinalistas, Argentina e França são os únicos a erguer o troféu. Croácia e Marrocos são azarões, mas são os times favoritos do povo no Catar. Qualquer um deles poderia escrever um novo capítulo na história da Copa do Mundo.

5. Artistas de destaque

Apesar da pressão de carregar o fardo da história, os Atlas Lions têm demonstrado que têm capacidade técnica e tática para aguentar. De fato, a equipe tem se mostrado firme, organizada, serena, sólida defensivamente, criativa no meio-campo e inteligente e eficiente no ataque. Bounou, Achraf Hakimi , Azzedine Ounahi , Romain Saiss , Sofyan Amrabat , En-Nesyri e Hakim Ziyech foram os destaques do Marrocos.

Historicamente, o Marrocos tem sido um pioneiro da África na Copa do Mundo e não se intimidou com Espanha e Portugal. Esta equipe representará um desafio difícil para a França nas semifinais na quarta-feira.

6. Treinamento local

Se a história da Cinderela continuar, será porque o técnico Walid Regragui implementou um estilo eficaz de defesa e contra-ataque que nenhum de seus adversários chegou perto de resolver até agora.

Regragui montou e conduziu engenhosamente a equipe até às semifinais e, no processo, mudou a falsa narrativa de que os treinadores africanos locais não estão à altura da tarefa de planejar o sucesso da equipe neste nível. De fato, a equipe de Regragui, apesar de perder Nayef Aguerd, do West Ham; Noussair Mazraoui, do Bayern de Munique, e perder o capitão Saiss por lesão, mostrou que um técnico africano pode aproveitar de forma criativa as habilidades e a vontade dos jogadores para alcançar a glória nacional.

Olho no troféu

A Copa do Mundo de 2022 foi caracterizada por surpresas inesperadas e entretenimento excepcional para os torcedores. Um dos objetivos da Fifa, órgão mundial do futebol, é continuar crescendo.

A classificação de Marrocos para uma vaga nas semifinais é um avanço na demonstração de que a paridade está surgindo. Há uma grande parcela da população mundial que explodiria de alegria e lágrimas se o time de Marrocos tivesse seu nome gravado no troféu.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.