Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Revolução colorida

Protestos na China são capturados por golpistas

Trágico incêndio na cidade de Urumqi deu lugar a revolta contra a política de lockdowns do governo chinês e o imperialismo não perdeu a oportunidade


No último final de semana, as manchetes dos principais órgãos de imprensa internacionais deram destaque às grandes manifestações que ocorreram em diversas cidades chinesas. “Protestos anti-lockdown espalham-se pela China à medida que a raiva aumenta contra a estratégia de covid-zero“, disse o jornal britânico The Guardian. “Incêndio na China impulsiona protestos contra as políticas de Xi para a covid“, noticiou o The New York Times. A sincronia e o volume das publicações, num curto espaço de tempo, davam a entender que se tratava de uma insurreição popular contra o governo chinês. Rapidamente portais como a Reuters e a Associated Press nos explicavam as táticas usadas pelos manifestantes para driblar a dura repressão da “ditadura chinesa”.

Os protestos de fato foram grandes, para padrões chineses. Mobilizações eclodiram em diversas cidades por todo o país e foram especialmente grandes em Xangai, Pequim, Wuhan e Urumqi. Esta última cidade, maior da região de Xinjiang, guarda a causa da revolta. A lenta intervenção da equipe de bombeiros sobre um trágico incêndio num edifício, que resultou na morte de dez pessoas, foi atribuída à política de tolerância zero contra a covid do governo chinês. O vídeo do incêndio e da desastrada atuação das equipes de resgate circulou rapidamente no Weibo, principal rede social chinesa, e trouxe dezenas de milhares de pessoas às ruas.

A população chinesa já mostrava sinais de desgaste com relação aos contínuos lockdowns aplicados em diversas cidades chinesas, reflexo da política rígida de saúde pública do governo chinês, mantida mesmo após a maioria dos países ter suspendido qualquer tipo de restrição. O incêndio foi o estopim, mas os protestos rapidamente evoluíram da crítica ao “covid zero” para pedir a “queda de Xi Jinping e do Partido Comunista Chinês”. Uma parcela dos manifestantes, destacados pela imprensa imperialista, foram aos atos vestidos de preto com folhas de papel sulfite em branco, em referência à censura imposta pelo governo chinês.

A “sacada” sincronizada rendeu bons memes nas redes sociais ironizando a clara orquestração imperialistas que visa transformar a insatisfação dos chineses com um aspecto de seu governo num golpe de Estado. A metodologia é facilmente reconhecível por quem acompanha a política imperialista. A própria China foi alvo de protestos similares há 3 anos em Hong Kong, que rapidamente se dissiparam conforme suas lideranças apoiadas pelo imperialismo buscaram asilo ao lado de seus “patrões”.

O perfil @zhao_dashuai no Twitter relatou como os acontecimentos se desenrolaram. Suas postagens inclusive relatam como a administração central do governo chinês já havia retrocedido em certos pontos de sua política contra o covid, pedindo que as administrações locais aplicassem as restrições que coubessem a cada tipo de situação. Os lockdowns de cidades inteiras deixaram de ser recomendados, sob qualquer circunstância. A administração da região de Xinjiang, porém, não mudou sua postura e impôs o mais alto grau de restrições à cidade de Urumqi, o que desencadeou todos os acontecimentos. Um fato curioso, corroborado por vídeos de locais, é que a atuação de bombeiros não foi prejudicada pelo lockdown, mas por carros estacionados nos arredores do prédio onde ocorreu o incêndio que bloquearam a entrada do resgate.

O portal chinês Global Times já reporta que, nesta segunda-feira, as manifestações já se arrefeceram e que as atividades voltaram ao normal em Urumqi. O governo central chinês reforçou sua posição de, gradualmente, retirar as restrições, curiosamente criticadas com muita voracidade pela imprensa imperialista. Certamente as fábricas fechadas de iPhone e outros produtos de alta tecnologia na China não agradaram aos donos dos grandes monopólios e seus investidores.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.