Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Embargo imperialista

O pior ciclone é o bloqueio

O furacão Ian passou e, em um dia, derrubou casas, plantas e postes, mas o bloqueio provoca escassez e sofrimento ao povo cubano todos os dias, sem descanso


Márcia Chueri, Havana

A temporada ciclônica no Caribe vai de 1º de junho a 30 de novembro, e a deste ano está bem animada, infelizmente. Os meteorologistas fizeram uma previsão de que em 2022, teremos 17 eventos que chegarão a receber nomes, ou seja, serão tormentas tropicais ou furacões. 17 poderia parecer pouco, mas não é, porque, quando esses fenômenos atingem terra, causam muita destruição.

Na madrugada de 27 de setembro, o fenômeno Ian entrou pelo extremo oeste de Cuba como furacão de categoria 3, e, dali, sairia algumas horas depois, já com categoria 4, classificado em uma escala que vai de 1 a 5.

As províncias mais atingidas foram as de Pinar del Río e Artemisa, mais a Ilha da Juventude, mas os ventos e chuvas também causaram grandes prejuízos no resto da região ocidental, que inclui também as províncias de Havana, Mayabeque e Matanzas.

A mudança de categoria do furacão se dá porque, dependendo das condições que se encontra, pode se intensificar ou se debilitar. No caso, o Ian se intensificou bastante, porque, após sair de Cuba, entrou no território dos Estados Unidos já com categoria 5.

Na Ilha, os prejuízos foram enormes. Cerca de 90 mil casas ficaram danificadas e mais de 8 mil foram totalmente destruídas. Isso representa 8 mil famílias que não tem mais moradia em um país que já sofre um débito habitacional considerável.

Como ocorre sempre aqui, a prioridade das ações governamentais foi proteger a vida. O trabalho da Defesa Civil, nesses casos, é muito bem organizado. Foram aplicadas as medidas preventivas de transferir a casas de familiares ou a abrigos as pessoas que vivem em habitações em risco. Graças a isso, houve apenas 3 casos de falecimento pela passagem do furacão.

A Ilha ficou várias horas totalmente sem luz porque os ventos danificaram as linhas de transmissão de eletricidade, com a queda de árvores e postes. Já no dia 5 de outubro, o jornal Granma informava que em seis dias se restabeleceria o serviço elétrico em Havana. Neste momento, a província de Artemisa já tem mais de 95% de recuperação do serviço, mas, em Pinar, só foi possível chegar a pouco mais de 50%, após quase um mês.

Os ventos fortes destruíram muitas plantações e, no caso de Pinar, também derrubaram casas de tabaco, onde se secam as folhas do que é um dos principais produtos de exportação cubanos, os charutos. O prejuízo é enorme e repercutirá sobre a economia da Ilha por um longo tempo.

Os trabalhos de recuperação continuam incessantemente, com grande esforço e transferência de recursos de outras áreas. Entretanto, é preciso dizer que poderiam ser muito mais rápidos se Cuba não estivesse bloqueada.

Os Estados Unidos ofereceram, através do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, uma contribuição material avaliada em dois milhões de dólares para recuperação dos danos do furacão Ian, que o ministro das Relações Exteriores cubano, Bruno Rodríguez Parrilla, agradeceu publicamente.

Mas, como também declarou em uma coletiva de imprensa concedida no dia 19 de outubro, o bloqueio é o furacão constante, é a pandemia permanente. Nessa coletiva, o ministro deu alguns números que constam do informe dos prejuízos causados pelos embargos imperialistas, informe esse que será apresentado ante a Assembleia Geral das Nações Unidas no próximo mês de novembro, quando se colocará novamente em votação a resolução “Necessidade de pôr fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América contra Cuba”.

O documento mostra que, em apenas sete meses de 2021 – de janeiro a julho –, o bloqueio provocou os seguintes prejuízos, em dólares, por setor: Saúde – US$113.498.300; Alimentação e Agricultura – US$369.589.550; Educação – US$30.032.550; Esporte – US$2.827.515; Cultura – US$19.155.000; Comunicações e Informática – US$37.520.578; Indústria – US$31.278.520; Energia e Minas – US$136.063.043; Construção – US$22.793.000.

É muito mais simpático e demagógico mandar um dinheirinho de ajuda, mas seria bem mais efetivo, justo e, inclusive, juridicamente correto, se o governo Biden tomasse as medidas a seu alcance para reduzir o infame bloqueio que os Estados Unidos praticam contra Cuba há mais de 60 anos, e que foi aprofundado e exacerbado durante o governo Trump.

O furacão Ian passou e, em um dia, derrubou casas, plantas e postes, mas o bloqueio provoca escassez e sofrimento ao povo cubano todos os dias, sem descanso. Como todo e qualquer país, Cuba merece que seja respeitado o seu direito a viver em paz, com o sistema escolhido, aprovado e apoiado por seu povo, sem ingerências, nem intervenções.

#MejorSinBloqueo

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.