Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Fim da polícia, já!

Grande Rio registrou 1.008 civis mortos em chacinas em cinco anos

Tanto a PM como a Polícia Civil são responsáveis pelos massacres ocorridos invariavelmente nas favelas


─ Brasil de Fato ─

Um levantamento do Instituto Fogo Cruzado mostrou que a região metropolitana do Rio de Janeiro atingiu a marca de 1.008 civis mortos em chacinas desde 2017.

Segundo o estudo, houve 250 ações e operações policiais que terminaram com três ou mais mortos. A organização concluiu que três das operações policiais mais letais da história do Rio de Janeiro aconteceram em um intervalo inferior a dois anos, todas durante o governo de Cláudio Castro (PL). 

Uma operação no Jacarezinho terminou com 27 civis e um policial mortos no dia 6 de maio de 2021. Em 2022, no dia 24 de maio, uma operação policial na Vila Cruzeiro deixou 23 mortos. E também este ano, uma operação no Complexo do Alemão deixou 16 civis e um policial mortos no dia 21 de julho.

 Para a diretora executiva do Instituto Fogo Cruzado, Cecília Olliveira, há um custo social pela alta letalidade. 

“O Rio de Janeiro parece ter normalizado chacinas com mais de 20 mortos em operações policiais. Apostamos nas mesmas soluções – o tiro – há muitos anos. A pergunta que fica é: estamos mais seguros? Obviamente não. O que temos são policiais e moradores encurralados, gerações de crianças traumatizadas e cidades que se acostumaram com tiroteios e tudo que eles acarretam: escolas fechadas, trânsito interrompido, cenas de violência na televisão. Do ponto de vista da segurança mesmo, nada mudou. Pelo contrário. As milícias e as facções ocupam hoje mais que o dobro de áreas do que ocupavam 16 anos atrás, como mostra o Mapa dos Grupos Armados, que lançamos recentemente com o Geni/UFF”. 

Sem Controle

Entre 2020 e 2022, houve 106 chacinas, nas quais morreram 463 pessoas. Seis desses casos tiveram 10 ou mais mortos. Entre 2017 e 2019, houve 132 chacinas policiais na região metropolitana do Rio, mas somente uma com mais de 10 vítimas. Na ocasião, uma operação policial no Fallet-Fogueteiro, em Santa Teresa, bairro central da cidade do Rio de Janeiro, terminou com 13 mortos em fevereiro de 2019.

Em 2020, o Supremo Tribunal Federal (STF) passou a restringir operações policiais não urgentes nas favelas do Rio de Janeiro enquanto estivesse em vigor o estado de pandemia. A decisão foi tomada através da ADPF 635. Ainda assim, diversas operações policiais, muitas delas que terminaram em chacinas, aconteceram nas favelas do Rio de Janeiro. Este ano, o STF determinou ao governo do estado a elaboração de um plano para conter a letalidade policial no Rio de Janeiro. O plano apresentado foi rejeitado e o Supremo demandou a reelaboração. O governo ainda não submeteu uma nova proposta.

Além do elevado número de vítimas, as chacinas do Jacarezinho (27), da Vila Cruzeiro (23) e do Complexo do Alemão (17) também alertam para outro dado que chama atenção: a distribuição desigual da letalidade policial pela cidade. A zona Norte do Rio, região que concentra 87 bairros, é a mais afetada pela alta letalidade policial. Ao menos 338 civis foram mortos nas 67 chacinas policiais ocorridas na região nos últimos seis anos. 

Outros 233 civis foram mortos em 65 chacinas na Baixada Fluminense; 211 civis foram mortos nas 60 chacinas do Leste Metropolitano; 113 nas 32 chacinas da zona Oeste; 39 em nove chacinas na zona Sul e 74 em 17 chacinas no Centro da capital. A zona Norte concentra 27% das chacinas e 34% das mortes, o que faz dela a área preferencial para atuação da polícia. 

Como demonstrado recentemente no Mapa dos Grupos Armados, lançado pelo Fogo Cruzado e pelo Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos (Geni/UFF), entre a área total da zona Norte da capital: 8,4% é dominada pelo Comando Vermelho, 4,7% pelas milícias, 4% pelo Terceiro Comando Puro e 0,5% pela facção Amigos dos Amigos. 

Entre os municípios com mais mortes em chacinas policiais estão: Rio de Janeiro, com 564 vítimas, concentrou 56% do total; São Gonçalo, na região metropolitana, teve 138 mortos; Belford Roxo, na Baixada Fluminense, teve outros 73 mortos, e Niterói teve 49 vítimas.

Já com relação as localidades com mais mortos em chacinas policiais, o Complexo do Salgueiro lidera as estatísticas com 53 mortos. Em seguida estão Complexo da Penha (49), Complexo do Alemão (44), Jacarezinho (38) e Complexo da Maré (36).


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.