Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Laboratórios biológicos

Governo dos EUA está por trás de uma nova guerra biológica?

Informe na véspera da 9ª Conferência de Revisão do CBWC


─ Tenente-General Igor Kirillov (Chefe das Tropas de Proteção Nuclear, Biológica e Química – 26 de novembro de 2022), Saker Latam

9ª Conferência de Revisão da Convenção sobre Armas Biológicas (BWC) acontecerá em Genebra, Suíça, de 28 de novembro a 16 de dezembro de 2022. Tais sessões são organizadas a cada cinco anos, de acordo com o Artigo 12 da Convenção, para examinar o estado atual da BWC, os desafios de conformidade e para rever os avanços científicos e tecnológicos com potencial de dupla utilização.

Gostaria de lembrar que a Reunião Consultiva foi convocada por iniciativa da Federação Russa em setembro, e que a Rússia abordou as preocupações de violações das BWC pela Ucrânia e pelos Estados Unidos ao Conselho de Segurança da ONU em outubro.

Resultados da Reunião Consultiva dos Estados Partes nas CBWC e do Conselho de Segurança da ONU

As nações ocidentais impediram ativamente a decisão do Conselho de Segurança sobre uma investigação internacional nas operações dos biolaboratórios estadunidenses na Ucrânia. Os Estados Unidos, a França e o Reino Unido votaram contra o documento, enquanto a Rússia e a China votaram a favor do mesmo. Outras nações, incluindo Índia, México e Noruega (membro da OTAN), abstiveram-se de votar.

Apesar do fato de que a resolução não obteve o número necessário de votos, e o Conselho de Segurança não desencadeou o mecanismo de investigação, os resultados da votação demonstram que as ações militares-biológicas dos Estados Unidos na Ucrânia despertam preocupações até mesmo entre seus amigos mais próximos.

Gostaria de chamar a atenção para o fato de que os documentos doutrinários dos Estados Unidos continuam a estabelecer objetivos para melhorar as capacidades biológicas militares.

ESTRATÉGIA NACIONAL DE BIODEFESA DOS EUA

Por exemplo, em 18 de outubro, a Casa Branca lançou uma nova estratégia de biodefesa, com um orçamento de 88 bilhões de dólares, incluindo 17 bilhões de dólares no primeiro ano.

O documento afirma que é um interesse vital dos Estados Unidos administrarem o risco de incidentes biológicos, e que a resposta à sua ocorrência seria dura e rápida. Os Estados Unidos estão tentando se intrometer mais uma vez nos assuntos internos de outros países. Por isso, cito: “… tomar medidas para atenuar esses riscos, independentemente de serem originários dos Estados Unidos ou do exterior…”.

Um dos principais objetivos da Estratégia é desenvolver formas de proteção biológica individual e coletiva para o pessoal militar estadunidense em vários teatros de operações militares. O objetivo é continuar a pesquisa sobre os agentes que causam doenças infecciosas extremamente mortais que são endêmicas em certas áreas.

Para evitar acusações de atividade militar-biológica no Pentágono, o envolvimento formal de biólogos militares dos EUA em iniciativas internacionais será limitado através de um maior envolvimento de instituições civis como contratantes do Ministério da Defesa.

Como parte da Estratégia, os Estados Unidos procuram fortalecer o controle mundial sobre o ambiente biológico global e se reservam o direito de realizar pesquisas de “uso duplo”, incluindo pesquisas conduzidas fora das fronteiras nacionais.

Estratégia 2022-2027 da Agência de Redução de Ameaças da Defesa dos EUA (DTRA)

Outro documento de planejamento estratégico é a estratégia atualizada da Agência de Redução de Ameaças da Defesa (DTRA) até 2027, que reconhece explicitamente seu duplo papel. É não apenas fornecer proteção, mas também apoio de combate às unidades militares. De acordo com a estratégia, uma das tarefas prioritárias da DTRA é garantir a superioridade militar das forças armadas dos EUA sobre o inimigo.

Ao mesmo tempo, as atividades do DTRA são cuidadosamente ocultadas, inclusive dos próprios estadunidenses. Assim, em 10 de novembro, um documento de 345 páginas sobre o financiamento da Black & Veatch e suas atividades na Ucrânia foi obtido a pedido da organização sem fins lucrativos Judicial Watch.

Deve-se notar que dezenas de páginas dos documentos do Pentágono foram censuradas, e as informações relativas a contratantes e resultados de pesquisa obtidos na Ucrânia foram totalmente removidas.

Os documentos divulgados mais uma vez indicam a cooperação Kiev-Washington, bem como tentativas de criar um controle de patógenos nos laboratórios ucranianos através da instalação do sistema PACS, partes do qual foram fornecidas à Ucrânia sob o título de “propriedade do governo dos EUA”.

Isto corresponde aos materiais que temos à nossa disposição, que incluem o cartão de registro do projeto e documentos contratuais aprovados pelo Ministério da Economia ucraniano.

Como relatado anteriormente, o sistema PACS permite ao Pentágono rastrear a localização e uso de patógenos altamente perigosos em laboratórios ao redor do mundo em tempo real, bem como acessar os resultados de experimentos ética e legalmente ambíguos.

Um exemplo de tais pesquisas é o trabalho que está sendo feito nos Estados Unidos para melhorar as qualidades patogênicas do patógeno COVID-19.

Estudo de patógenos COVID-19 na Universidade de Boston

Em outubro, por exemplo, a Universidade de Boston desenvolveu um patógeno coronavírus sintético baseado na cepa Omicron e na variedade original ‘Wuhan’.

O vírus modificado adquirido pelos estadunidenses matou 80% dos animais de estudo infectados, causando sinais neurológicos anormais e danos pulmonares significativos. Os testes de anticorpos revelaram um declínio de 11 vezes em sua capacidade de neutralizar o novo vírus, bem como a ineficácia das vacinações atuais.

Apesar do fato de o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA ter decidido investigar a administração da universidade, a “experiência de Boston” destaca a falta de supervisão governamental da engenharia genética e da pesquisa em biologia sintética nos EUA. Apesar dos substanciais perigos biológicos, a pesquisa foi conduzida com dinheiro do governo estadunidense e sem a necessária autorização da agência nacional de biossegurança.

A pesquisa dos EUA sobre as propriedades patogênicas dos microrganismos está forçando os funcionários da administração estadunidense encarregados de combater as ameaças biológicas a reconsiderar suas declarações.

Projeto para o Novo Século Estadunidense

Um deles é o ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton. Tome nota do relatório de setembro de 2000 do Sr. Bolton, Rebuilding America’s Defenses. De acordo com o documento, cito: “… formas avançadas de guerra biológica que podem “visar” genótipos específicos podem transformar a guerra biológica do reino do terror em uma ferramenta politicamente útil”.

Em 2001, Bolton liderou a delegação dos EUA na 5ª Conferência de Revisão do CBWC. Como resultado das consultas, o lado estadunidense suspendeu completamente o trabalho sobre o mecanismo de verificação e rejeitou os processos propostos para verificação de potenciais locais de armazenamento de armas biológicas, citando que isso ameaçava seus interesses nacionais.

Anteriormente, discutimos violações de biossegurança nas instalações dos EUA, incluindo remessas a granel de esporos vivos de antrax para organizações estrangeiras.

No início de novembro, a publicação estadunidense The Intercept realizou um exame dos dados dos Institutos Nacionais de Saúde ligados a violações de segurança em laboratórios biológicos nos EUA, de acordo com a Lei Federal de Liberdade de Informação dos EUA. Nos últimos 18 anos foram avaliadas mais de 5.500 páginas de relatórios de incidentes.

Rupturas na biossegurança nos EUA
Deterioração das condições epidemiológicas em locais biolaboratoriais

Concluiu-se que pesquisas conduzidas em laboratórios de alta segurança (BSL-3 e BSL-4) nas universidades de Washington, Minnesota e Illinois resultaram em infecções laboratoriais internas e aumentaram o risco de maior disseminação de patógenos da febre viral geneticamente modificados, síndrome respiratória aguda grave, influenza aviária altamente patogênica e outras infecções.

Numerosas violações das regras básicas de manipulação de patógenos foram documentadas, bem como tentativas da administração biolaboratorial de ocultar os fatos de acidentes e avarias dos sistemas de filtragem-ventilação e do equipamento de proteção.

Aqui estão apenas algumas delas.

Em 2 de setembro de 2011, ocorreu um incidente de laboratório nos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA em Nova Iorque. Depois de ter sido mordido por um animal de laboratório infectado com um vírus da gripe recombinante, um pesquisador foi enviado para casa para ser colocado em quarentena sem supervisão na cidade mais populosa dos Estados Unidos.

Entre abril de 2013 e março de 2014, casos de animais de laboratório infectados com síndrome respiratória aguda grave escaparam das instalações zonadas na Universidade da Carolina do Norte.

Em setembro de 2016, enquanto realizava experiências em animais infectados com uma cepa recombinante do vírus Chikungunya, uma estudante de pós-graduação da Universidade de Washington perfurou sua luva. Em uma violação grosseira das normas de segurança, a funcionária lavou apenas as mãos, retirou seu equipamento de proteção e deixou o laboratório sem contar o incidente a ninguém ou tomar medidas para se isolar. Quatro dias depois, ela foi diagnosticada com uma forma aguda da doença.

No total, mais de duzentos incidentes deste tipo foram relatados. Presumimos que as estatísticas oficiais incluem apenas uma pequena proporção dos incidentes e que a situação real é muito pior.

Gostaria de ressaltar que nos EUA, o sistema de controle de violações de segurança em biolaboratórios é descentralizado e abrange apenas instalações que recebem financiamento federal. Há pouca ou nenhuma supervisão dos laboratórios privados, mesmo que eles realizem pesquisas com patógenos altamente perigosos. A falta de padrões uniformes para tais instalações cria riscos de contornar o BWC e de violar grosseiramente os requisitos de biossegurança.

Implementação de programas militares e biológicos dos EUA na Ucrânia

O alto risco de acidentes nos biolaboratórios estadunidenses é uma das razões para sua retirada da jurisdição nacional e transferência para o território de países terceiros, incluindo a Ucrânia e outros estados pós-soviéticos. Isto explica o agravamento da situação da epidemia em suas localidades e o surgimento de doenças e seus vetores que não são típicos dessas regiões.

Lembraremos que durante a operação militar especial, ficou conhecido que os programas de armas biológicas do Pentágono na Ucrânia estavam sendo realizados em violação aos artigos 1 e 4 da Convenção. Um exame dos documentos descobertos nos biolaboratórios ucranianos fornece provas de que componentes de armas biológicas estavam sendo produzidos nas proximidades das fronteiras russas.

Isto é confirmado pelos contratos de trabalho, cartões de registro aprovados, documentos de relatórios dos empreiteiros do Pentágono – Black & Veatch, Metabiota, CH2M-HILL.

A nomenclatura de patógenos que foram estudados no âmbito dos projetos UP e TAP Ucraniano não tinha nada a ver com os problemas relevantes para a saúde pública na Ucrânia. Além disso, o principal destaque foi dado ao estudo de infecções naturalmente focais e especialmente perigosas, que são consideradas como potenciais agentes biológicos de armas. Por exemplo, o objetivo do projeto TAP-2 era estudar o actinobacillus mallei, casos dos quais nunca foram registrados na Ucrânia.

Os testes controlados pelo DoD estadunidense de agentes de doenças infecciosas e produtos químicos venenosos em membros militares ucranianos e doentes mentais, dois dos grupos mais vulneráveis da população, é de especial preocupação.

Anteriormente, fizemos referência a uma decisão do Comitê de Ética do Centro de Saúde Pública da Ucrânia, datada de 12 de junho de 2019, por conduzir pesquisas com riscos desconhecidos para a vida e a saúde dos participantes. Apesar de o programa de pesquisa incluir apenas amostras de sangue padrão, o documento exige a comunicação de “…incidentes menores envolvendo voluntários ao comitê de bioética dos EUA dentro de 72 horas após o incidente, e incidentes graves, incluindo morte do sujeito, dentro de 24 horas após o incidente”.

Ao mesmo tempo, apesar de seu evidente enfoque militar-biológico, os EUA e a Ucrânia permanecem deliberadamente reservados em relação às ações de comunicação colaborativa das CBWC.

Iniciativas da Federação Russa para a Nona Conferência de Revisão do CBWC

Gostaria de chamar sua atenção para o fato de que a comunidade mundial tem enfrentado novas ameaças desde 2016, data da 8ª Conferência de Revisão, incluindo a propagação pandêmica de infecções humanas e animais (COVID-19, varíola macaco, peste suína africana), riscos colocados pelos avanços modernos em biotecnologia e biologia sintética, e atividades militares e biológicas do Pentágono em várias partes do mundo.

Em resposta aos novos desafios e perigos, a Federação Russa sugere o seguinte:

Em primeiro lugar, reabrir as discussões para um protocolo juridicamente vinculativo ao CBWC que contenha listas de vírus, venenos e equipamentos especializados, leve em conta a pesquisa e a tecnologia biológica contemporânea e inclua um sistema de verificação eficaz.

Em segundo lugar, os métodos de criação de confiança devem ser complementados com informações sobre pesquisa e desenvolvimento de defesa biológica fora das fronteiras nacionais, assim como instalações de produção de vacinas animais.

E, finalmente, estabelecer um comitê consultivo científico com ampla representação geográfica e direitos iguais para os participantes para avaliar os avanços em ciência e tecnologia relacionados com a Convenção.

A execução real de nossas ideias aumentará a abertura dos programas biológicos nacionais e a conformidade de todos os Estados Partes com as disposições da Convenção.

A Federação Russa tem repetidamente apontado evidências de que os Estados Unidos e seus aliados estão conduzindo programas de uso duplo fora de suas fronteiras nacionais, inclusive através da operação de laboratórios biológicos sob seu controle e dos chamados laboratórios de uso compartilhado financiados pelos departamentos militares desses Estados ou organizações afiliadas a eles.

Muitas questões relativas aos verdadeiros objetivos dos programas de pesquisa do Pentágono foram levantadas em numerosos locais internacionais, mas até agora ficaram sem resposta. Queremos voltar a elas durante a 9ª Conferência de Revisão da Convenção do Países Membros da BWC.


Fontes:

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.