Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Capacho

Até suposto caso de Mbappé precisa ser defendida por Casagrande

Pretexto seriam ataques "transfóbicos" contra modelo


Em mais um de seus enfadonhos artigos sobre a Copa do Mundo do Catar, o articulista Walter Casagrande, ex-funcionário da Rede Globo e atual empregado da Folha de S.Paulo, decidiu defender o jogador francês Kylian Mbappé de um suposto caso amoroso com uma modelo transgênero.

O texto já começa forçando bastante a barra, dizendo que “o assunto mais falado é o possível relacionamento do craque Mbappé com a modelo trans Ines Rau”. Só se for para quem não gosta de futebol, porque a discussão sobre os casos amororos do jogador francês não são, nem de longe, o assunto mais comentado para quem acompanha a Copa do Mundo. O exagero de Casagrande é proposital: o comentarista procura, já de cara, apresentar o assunto como um grande escândalo, como se todo o mundo fosse “transfóbico” e, portanto, merecesse os seus sermões e propostas de intervenção.

Casagrande segue criticando aqueles que estariam utilizando o suposto caso para depreciar o jogador francês: “o problema está com quem se incomoda com ele. O problema está na mente doentia de quem faz ataques grosseiros, transfóbicos e preconceituosos contra ela”. Até aí, tudo bem: de fato, se Mbappé quer ter um caso com um transgênero, um homem ou uma mulher, diz respeito apenas e ele próprio e com quem estiver se relacionando. No entanto, já chama bastante a atenção o fato de que Casagrande fez questão de defender algo tão secundário — o direito de um jogador da França se relacionar com um transgênero — e ignorar todo tipo de preconceito que os jogadores brasileiros sofrem, tratados como burros, ignorantes, ineficientes, malandros, desonestos etc.

Mas o problema não é só esse. Da defesa supostamente democrática dos direitos de Mbappé, Casagrande parte para uma franca campanha contra o regime que vigora no Catar: “Ines não poderá vir a Doha assistir a final da Copa porque, com conivência da Fifa, o torneio está sendo realizado em um país que criminaliza as pessoas LGBTQIA+”. Pura mentira: o Catar não proíbe o ingresso de pessoas da população LGBT, apenas restringe determinados comportamentos. Milhares de homossexuais assistiram os jogos da Copa do Mundo no país árabe ou estiveram lá a trabalho.

A mentira já acusa a má-intenção. E que má-intenção teria Casagrande na questão? Como ficaria claro no final do texto, seu objetivo é atacar o Catar e sugerir que a Copa do Mundo nem deveria ter acontecido lá: “para finalizar, as Copas do Mundo precisam ser realizadas nos países em que todas as pessoas, independentemente de etnia, cor e gênero, possam assistir e torcer com segurança e sem preconceito”

Se Casagrande estiver sendo honesto, ele deve decretar desde já o boicote à Copa do Mundo de 2026, que acontecerá nos Estados Unidos. Se há tanta preocupação com os oprimidos, que sentido faz então de poupar o próximo país-sede da mais dura crítica, uma vez que os Estados Unidos tem a maior população carcerária do mundo, onde estão milhões de mulheres, LGBTs e imigrantes? Por que não criticar duramente os Estados Unidos, que apoia o governo da Arábia Saudita, talvez o mais reacionário, do ponto de vista dos costumes, de todo o Oriente Médio? Por que fazer a Copa do Mundo em um país que está financiando e enviando armas para que um regime nazista se defenda no Leste Europeu?

A Copa nos Estados Unidos, coração do imperialismo, dará uma grande oportunidade aos grandes críticos da Copa do Catar a provarem toda a sua demagogia social. Não há país mais criminoso no mundo. Que comecem já os identitários de plantão a denunciar os males dos norte-americanos. Tem para todos os gostos: imigrantes, mulheres, negros, LGBTs, meio ambiente, direitos humanos. Escolham um tema e façam sua campanha.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.