Gênio precoce

Por que Pelé ficou no banco no começo da Copa de 1958

Pelé estava contundido, o único jeito de ficar no banco em qualquer partida. Quando se recuperou, começou a reinar nos gramados do Brasil e do Mundo

primeiro gol de Pelé em Copa

Uma matéria no portal da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) busca omitir porque Pelé, o Rei do Futebol e maior jogador de todos os tempos, começou na reserva o início do mundial de 1958, na Suécia. O artigo busca desmentir que “Pelé foi reserva da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1958, só entrando no terceiro jogo, contra a Rússia, devido à pressão dos jogadores mais experientes, como Nílton Santos e Didi, sobre o técnico Vicente Feola”.

Segundo a matéria, “Pelé era titular absoluto do time do técnico Vicente Feola, mas se contundiu em amistoso contra o Corinthians, no dia 21 de maio de 1958 e foi substituído por Vavá”. Para afirmar isso, se apoiam numa declaração de Pepe, companheiro do Rei no Santos:

“O Pelé sofreu uma entrada violenta do Ari Clemente, teve de sair do jogo e ficou algum tempo sem poder atuar. Tanto que ficou de fora dos amistosos que fizemos depois na Itália, contra Fiorentina e Internazionale. Quem jogou foi o Dida, que, na verdade, era reserva”, conta Pepe.

Segundo a CBF, foi por isso que Pelé não jogou nos amistosos contra a Fiorentina (em 29 de maio de 1958) e a Internazionale (1 de junho de 1958), ambos da Itália, nos dois últimos jogos antes da estreia da Copa do Mundo.

Os argumentos da CBF, no entanto, são uma “meia-verdade”. É, fato, sim, que Pelé se lesionou num jogo amistoso contra o Corinthians e não jogou os amistosos contra os clubes italianos.

No entanto, vejamos as escalações de Feola antes da Copa. Foram cinco jogos: dois contra o Paraguai, pela Taça Oswaldo Cruz, dois amistosos contra a Bulgária e dois amistosos contra a Bolívia. Destes cinco, Pelé só começou titular no segundo jogo contra a Bulgária e no jogo contra o Corinthians — no qual ele se contundiu. Nos dois últimos jogos que precederam os amistosos contra os clubes italianos.

Fato é que, entre 1957 e 1958, antes da Copa, mesmo marcando em quase todos os jogos em que entrava, Pelé não era “titular absoluto”, como alega a CBF. 

A história começa no time de Sylvio Pirilo, que precedeu Feola e permitiu a estreia de Pelé na Copa Roca, contra a Argentina, em 1957. No primeiro jogo contra os argentinos, Pelé era reserva, entrou no lugar de Del Vecchio e efetuou o único gol da derrota brasileira por 2 a 1. Por isso, no segundo jogo, em que os brasileiros conquistaram o título, Pelé foi titular, marcando um dos gols na vitória por 2 a 0.

Mesmo assim, Pelé não foi titular nos dois jogos da Taça Oswaldo Cruz e no primeiro amistoso contra a Bulgária, quando o time era comandado por Feola.

Mas, o que aconteceu?

Ocorre que, após as derrotas nas Copas do Mundo de 1950 e 1954, diversas “teorias” buscaram explicar o fracasso dos brasileiros. Os jornais esportivos culpavam as características brasileiras no futebol. A imprensa golpista (pró-imperialista) buscava desmoralizar o nacionalismo burguês do período atacando o futebol nacional. Um relatório “científico”, enviado à CBD por uma comissão de médicos e preparadores físicos, foi além. Durante uma viagem da Seleção Brasileira à Europa em 1956, colocava a culpa na composição do povo brasileiro. O problema seria a miscigenação, e o negro, o principal responsável pelo progresso do futebol nacional, era acusado de ser psicologicamente fraco.

Em sua autobiografia, Nilton Santos, convocado para as Copas de 1950, 1954, 1958 e 1962, explica: 

“Nunca a ciência pesquisara tão fundo para descobrir o porquê de o time brasileiro ter bons jogadores, mas não conseguir se superar em campo, não conquistar nenhum título mundial. Será que os nossos atletas eram covardes? Relatórios médicos foram feitos, sigilosamente, para a CBD. Chegaram à conclusão de que o problema brasileiro estava na alma dos jogadores, que eram muito nostálgicos, sentiam muita falta de casa, da comida, principalmente os negros, que eram emocionalmente mais instáveis. Portanto, o time tinha que ser o mais branco possível”.

Entre os convocados para a Copa, estavam craques como Nilton Santos, Didi, Zagallo, Joel, Dida, Mazzola, entre outros.

No entanto, pela influência da campanha contra o futebol brasileiro e o negro, seu principal fator de progresso, jogadores como Pelé, Garrincha, Zito, Vavá e até mesmo o consagrado Djalma Santos foram postos na reserva. Por este motivo, a Seleção Brasileira iniciou com jogadores majoritariamente brancos como titulares, à exceção de Didi, que já era considerado o melhor atleta brasileiro da época, e Dida, que era “mais clarinho” (como afirma Nilton Santos) que o reserva: Pelé.

As afirmações são de Nilton Santos, a “Enciclopédia do Futebol”, e mostram que a CBF visa omitir um passado obscuro da CBD, entidade que a precedeu.

O fato também foi comentado pelo ex-técnico da Seleção Brasileira João Saldanha, em entrevista ao Roda Viva em 1987. Ele não desmentiu a questão do racismo, apenas alegou que — como realmente deve ter sido — o culpado não era o técnico Feola, e sim a pressão da CBD, receosa em perder a Copa do Mundo pela “fraqueza emocional” do negro.

A CBF tem em vista desmentir que Pelé, Garrincha e Zito só entraram no terceiro jogo, contra a União Soviética, “devido à pressão dos jogadores mais experientes, como Nílton Santos e Didi, sobre o técnico Vicente Feola”.

Nilton Santos conta outra história. A Seleção ganhou de 3 x 0 o primeiro jogo contra a Áustria, mas depois empatou por 0 x 0 contra a Inglaterra. O jogo contra os soviéticos, indicados como favoritos para conquistar a Copa do Mundo, era crucial e poderia eliminar o escrete brasileiro.

Por isso, o lateral esquerdo conta que se juntou com Didi para falar com a comissão técnica. “Tínhamos melhores jogadores na reserva que precisavam entrar daqui para frente, se quiséssemos ser campeões mundiais. Citamos três nomes em especial: Garrincha, Zito e Pelé”, afirma. E, de fato, estes foram escalados. A Seleção Brasileira promoveu os “três minutos mais incríveis da história do futebol”, com Pelé e Garrincha realizando um espetáculo e Vavá — reserva de Dida e que entrou no segundo jogo — fazendo gols.

A partir de então, Pelé se consagra e inicia sua jornada que lhe daria três conquistas de Copas do Mundo. Mas foi desta forma que ocorreu, não como a CBF busca relatar, para esconder seus malfeitos.

Aliás, vale lembrar que Garrincha era apontado pelo psicólogo da Seleção, João Carvalhaes, como “mentalmente deficiente”, como relata Nilton Santos e o jornalista Abrão Aspis (Futebol Brasileiro — Do início amador à paixão nacional), e por isso aconselhava que o ponta-direita, um dos maiores jogadores da história, não deveria jogar.

Pois bem, a Seleção Brasileira conquistou seu primeiro título mundial refutando todas essas teorias “científicas”.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.