Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Contrarrevolução permanente

PSTU se alia novamente ao imperialismo e defende golpe em Cuba

Morenistas se recusaram a lutar contra o golpe no Brasil e agora atacam Cuba quando o imperialismo parte para nova ofensiva contra único Estado Operário da América


Não causou surpresa alguma quando a dirigente Vera Lúcia, do PSTU, ex-candidata à Presidência da República pelo partido morenista, veio a público atacar o governo cubano no mesmíssimo momento em que o imperialismo busca desestabilizar o país.

Segundo disse a ex-candidata, “se Cuba fosse socialista o povo cubano controlaria o seu estado e não estaria nas ruas lutando contra ele por liberdade. Não confunda ditadura do proletariado com ditadura sobre o proletariado”.

Em abstrato, a frase não quer dizer muita coisa. No entanto, se levarmos em consideração que ela foi dita no momento em que o imperialismo está organizando “coxinhatos” na ilha, impulsionados pela imprensa capitalista, que está dizendo que o País vive uma espécie de colapso social, a frase é muito clara: “os atos são populares, progressistas, operários”. Não se trataria de uma manobra imperialista, semelhante à que foi realizada no Brasil, em Honduras, na Ucrânia e em dezenas de outros países desde a crise de 2008. Para o PSTU, o “povo” cubano estaria nas ruas porque quer a derrubada da “burocracia contrarrevolucionária” que controla o regime cubano. Dito de outro modo, como o PSTU é um partido que se diz revolucionário, estaria em marcha, em Cuba, uma revolução, que levaria a uma experiência ainda mais profunda do povo com o Estado Operário.

Se é assim, o PSTU teria que explicar porque os Estados Unidos estariam tão interessados nessa revolução…

Acontece que o PSTU, como expressão mais sectária da política da esquerda pequeno-burguesa, está conseguindo um feito inacreditável: manter-se perfeitamente coerente e defender, sempre, o imperialismo nos momentos de choque com os governos que pretende derrubar. No Brasil, o PSTU defendeu com unhas e dentes a política de “Fora todos” — que era apenas uma desculpa para defender o “Fora Dilma”. Tanto é assim que o “Fora Dilma” levou ao governo Temer e o governo Temer, ao governo Bolsonaro. Mas o PSTU demorou quase dois anos para defender sequer o impeachment do governo Bolsonaro…

Na Ucrânia, o PSTU chamou de revolução um processo que levou a uma ditadura nazista no país europeu. E até hoje chamam assim… Na Síria, onde crianças são bombardeadas todas as semanas simplesmente porque o imperialismo quer tomar o petróleo da região – e o PSTU clama: “fora Assad!”. No Líbano, recentemente, mesmo com o presidente francês dizendo com todas as palavras que pretendia intervir no país que havia sido destruído por um conjunto de explosivos, o PSTU voltou a defender a queda do governo… Já no caso da Nicarágua, o PSTU chegou a ganhar uma coluna no jornal golpista Folha de S.Paulo só para defender a queda de um governo nacionalista…

O caso de Cuba é ainda mais bizarro. A desculpa do PSTU para defender o imperialismo nos casos anteriores era o de que os governos seriam governos burgueses, de conciliação de classes, entre outras críticas morais. Até aí, tudo bem, é fato. O que o PSTU ignora somente é que, embora sejam governos de conciliação de classes, são a expressão de um fenômeno — o nacionalismo burguês — que é assentado sobre um poderoso movimento popular. E ignoram, portanto, que a ofensiva do imperialismo sobre esses governos não parte do interesse de derrubar a burguesia, mas sim de expulsar esse movimento popular do regime para que fosse controlado direta e exclusivamente pelo imperialismo. O objetivo da derrubada do governo do PT, por exemplo, nunca foi extirpar o MDB, mas sim, obviamente, excluir Lula, o MST e a CUT do regime político, de modo que quem governasse fosse a ala pró-imperialista da burguesia para que esta entregasse a economia nacional ao imperialismo.

Em Cuba, não há um governo de conciliação de classes. Há um governo que surgiu de uma revolução social, um governo que expropriou a burguesia e que, apesar das críticas que pode receber a respeito da condução da revolução, é um governo legítimo e apoiado pela esmagadora maioria dos trabalhadores. Um governo, finalmente, onde a Saúde, a Educação e a Infraestrutura são todas controladas pela população.

O PSTU se diz “trotskista”, mas ignora completamente que o revolucionário Leon Trótski, embora fosse o maior e mais certeiro crítico da burocracia stalinista, colocava abertamente a política que o movimento operário deveria seguir: a defesa intransigente da União Soviética das investidas imperialistas.

E Trótski dizia isso referindo-se, aí sim, a uma burocracia contrarrevolucionária, que o assassinou depois. Porque não se tratava da defesa de Stálin ou mesmo do governo soviético, mas sim do Estado Operário soviético, ou seja, da revolução soviética. No caso de Cuba, o ataque dos pseudotrotskistas sequer pode utilizar o argumento de que o governo é composto por uma burocracia contrarrevolucionária, restauracionista e antioperária. O presidente Díaz-Canel convocou os trabalhadores e os revolucionários a lutarem contra a desestabilização golpista nas ruas, e eles atenderam ao chamado, mostrando que o povo está do lado do governo cubano e não contra ele.

Os trabalhadores cubanos têm sim, logicamente, reclamações e reivindicações. Mas nenhuma delas passa pela derrubada do governo. A derrubada do governo cubano, como conhecemos hoje, seria a derrubada do Estado Operário cubano. Os trabalhadores cubanos têm plena consciência disso e sabem que isso significaria a derrubada da Revolução Cubana. Por isso as manifestações oposicionistas são apoiadas pelos EUA e pelo conjunto do imperialismo, e não pelo povo cubano. Somente os mais confusos dos que se dizem revolucionários poderiam acreditar nessa propaganda vendida pelo imperialismo.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.