Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Partido Socialismo e Liberdade

O imperialismo quer uma esquerda domesticada

A criação de uma esquerda identitária e inofensiva, que queime estátuas e faça ações simbólicas, é fundamental para os interesses do imperialismo mundial na América Latina.

índice(1)

O imperialismo mundial, em particular os Estados Unidos, atua na América Latina para impulsionar uma esquerda inofensiva e completamente domesticada, incapaz de representar a menor ameaça para sua dominação política e econômica.

Os partidos nacionalistas são os principais alvos do imperialismo neste momento. No Brasil, o Partido dos Trabalhadores (PT) tem sofrido diversas tentativas de desmantelamento. A Operação Lava Jato, que contou em sua equipe com 13 agentes do FBI ( Federal Bureau of Investigation – polícia federal americana), atacou o PT e prendeu ilegalmente seu principal líder, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Mesmo antes da deflagração da Operação Lava Jato pelo imperialismo, por volta de 2014, dirigentes históricos do PT foram para a cadeia vítimas de fraudes judiciárias e perseguições políticas, conforme aconteceu nos julgamentos do Mensalão. José Dirceu e José Genoíno foram presos sem provas, em processos fraudulentos com base em matérias da imprensa burguesa.

As forças imperialistas lançaram uma ofensiva contra o nacionalismo burguês venezuelano, que se expressa politicamente pelo chavismo. Nas últimas décadas, diversas tentativas aconteceram para dar um golpe de Estado com  apoio de setores pró-imperialistas da burguesia venezuelana e até mesmo se cogitou uma intervenção militar externa. O chavismo, pela sua política nacionalista de defesa da economia nacional e do petróleo, representa um obstáculo para os interesses dos norte-americanos.

Na Nicarágua e na Bolívia, os alvos foram o sandinismo e o Movimento Ao Socialismo (MAS), duas correntes políticas de tipo nacionalista. No Equador, a tendência política de Rafael Correia foi banida do processo eleitoral e o ex-presidente teve de fugir para não ser preso.  Nos três países o alvo fundamental são as forças de tipo nacionalista.

Os governos nacionalistas se apoiam nas massas e, em geral, têm apoio das organizações populares de seus países. Para manter o controle da situação nos marcos do capitalismo, eles são obrigados a fazer concessões e reformas sociais no interesse das massas, assim como defender a economia nacional. Na atual etapa da luta de classes, o imperialismo quer um regime político que seja capaz de implementar uma política neoliberal até as últimas consequências, algo que o nacionalismo burguês é incapaz de fazer nos países atrasados.

A criação de uma esquerda identitária, inofensiva e domesticada, ao estilo do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) no Brasil, é uma necessidade para a manutenção da dominação por parte do imperialismo mundial. Este é o motivo do financiamento de organizações empresariais internacionais – Open Society, Fundação Ford, Rede de Ação Política Pela Sustentabilidade (RAPS), Fundação Lemann, IREE – a setores da esquerda brasileira e latino-americana. O ex-candidato a vereador pelo PSOL, Wesley Teixeira, recebeu dinheiro de Armínio Fraga, um conhecido operador do mercado financeiro e ex-ministro do governo Fernando Henrique Cardoso.

Guilherme Boulos, dirigente do PSOL e líder do MTST, tem relações estreitas com o IREE, que por sua vez está ligado ao Global American e ao The National Endowment for Democracy (NED). Aquele Instituto tem entre seus quadros Leandro Daiello, Sérgio Etchegoyen e Raul Jungmann, todos peças fundamentais na conspiração e execução do golpe de Estado de 2016. Não à toa o PSOL é o partido do identitarismo, uma ideologia burguesa concebida para semear o confusionismo e o divisionismo no movimento popular, particularmente  entre a juventude.

Uma esquerda inofensiva não luta contra a fome a carestia, não defende os direitos trabalhistas, sociais e previdenciários, não defende um programa de reivindicações e não tem lastro nas organizações sindicais e populares. A luta desse tipo de esquerda, por sua incapacidade de mobilizar o povo, é direcionada aos símbolos, como queimar estátuas, fazer ocupações simbólicas na Bolsa de Valores ou entrar com ação no Ministério Público para a retirada de um touro que estava em frente à Bolsa de Valores de São Paulo.

A luta contra o aparelho repressivo do Estado – Polícia Militar, Polícia Civil, sistema penitenciário – não faz parte das preocupações da esquerda impulsionada pelo imperialismo. Ao invés de pedir o fim da PM, que massacra a população negra e pobre nas favelas, a esquerda identitária – que se declara como defensora dos negros – trava um combate contra o “racismo estrutural”. Na questão das mulheres, ao invés de defender a legalização do aborto, emprego e creches, a discussão é sobre representatividade feminina nas empresas e no Estado capitalista, lugar de fala e empreendedorismo.

A criação de uma esquerda domesticada e o desmantelamento dos partidos nacionalistas são dois objetivos centrais do imperialismo debilitado pela crise capitalista em sua ofensiva para reforçar sua dominação sobre os países atrasados da América Latina.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.