29/05: Contra as privatizações, por vacina e auxílio já!

Editorial

O ato de 1º de maio da Praça da Sé, convocado pelo Partido da Causa Operária (PCO) e pelos Comitês de Luta, serviu como uma faísca para detonar mais mobilizações por todo o País. A quase totalidade da esquerda dizia que não era possível realizar mobilizações de rua por conta de que se deveria “evitar aglomerações”, “ficar em casa” e aguardar o término da pandemia para retomar as atividades políticas. Como se a população pobre e trabalhadora tivesse tido alguma vez a oportunidade de “ficar em casa”, isto para quem tem casa.

O exemplo prático mostrou para diversos setores do movimento popular que é possível romper com a política de paralisia das direções políticas da esquerda e dos sindicatos. O governo Jair Bolsonaro e os partidos burgueses que controlam o Congresso Nacional (PSDB, MDB, DEM, PSL, Progressistas, Republicanos, PL, PTB) não suspenderam seus ataques na pandemia. A máquina estatal de repressão do povo, sobretudo a Polícia Militar, não parou de realizar chacinas nas periferias urbanas. No campo, aconteceram inúmeros despejos de famílias e reintegrações de posse autorizadas pela Justiça. Os principais setores industriais jamais pararam as atividades. A extração do mais-valor, essência do capitalismo, não foi interrompida pela pandemia. A contradição é que aqueles que permanecem em casa, no momento atual, são os dirigentes da esquerda e dos sindicatos, apesar de as bases estarem nas ruas, trabalhando.

Os projetos de privatização da Eletrobras, Petrobras, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil tramitam no Congresso Nacional, bem como a Reforma Administrativa, o maior ataque da história aos funcionários públicos. Em meio à morte de mais de 440 mil brasileiros, sequer os governos burgueses atuaram para garantir os meios materiais para a realização do isolamento social e a administração das vacinas. Isto é, além de abandonado à própria sorte, o povo brasileiro perdeu direitos históricos e foi lançado na miséria, desemprego e morte.

Na sequência do 1º de maio, aconteceram atos estudantis contra a destruição das universidades federais em virtude dos cortes orçamentários do Ministério da Educação. A população moradora das favelas se mobilizou em repúdio à chacina do Jacarezinho promovida pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Diversos setores de trabalhadores estão entrando em greve, casos dos portuários, metroviários, ecetistas, professores e petroleiros.

É preciso dar mais um impulso à mobilização popular contra o genocídio promovido por Jair Bolsonaro e os governos da direita golpista nos estados. Os partidos de esquerda e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) convocaram atos públicos para o dia 29/05 nas capitais estaduais. As organizações devem colocar força nesse ato, que tem potencial para mudar a correlação de forças.

Os eixos de mobilização são a luta contra as privatizações, por vacinação em massa, Auxílio Emergencial de um salário mínimo para todos e Fora Bolsonaro e todos os golpistas. Estas reivindicações vão de encontro aos interesses fundamentais da classe trabalhadora no momento.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.