Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Poesia e Política

Juó Bananére, o poeta que deu voz aos operários italianos em São Paulo

Juó Bananère, alguém que representava os operários italianos no Brasil


Juó Bananère era o pseudônimo  do poeta, cronista e engenheiro civil, Alexandre Ribeiro Marcondes Machado (Pindamonhangaba, SP, 1892 – São Paulo, SP, 1933). Ele usou esse pseudônimo para criar obras literárias num patois falado pela grande colônia italiana de São Paulo.
Viveu até os sete anos em Pindamonhangaba, em seguida muda-se para a capital, onde cursara o ginasial em humanidades. Em 1911, iniciou sua colaboração para a revista O Pirralho, criada por Oswald de Andrade (1890-1954), com As Cartas D’Abax’o Piques, usando uma linguagem macarrônica, mistura de português e italiano. Juó Bananére elaborou textos em cartas, poemas, crônicas, anedotas, entrevistas, entre outros. Logo depois foi demitido da revista em 1915, após publicar uma sátira ao discurso nacionalista que o poeta Olavo Bilac realizou. Após a demissão tornou-se  redator da página Sempr’Avanti!! da revista quinzenal O Queixoso, editada por Monteiro Lobato. Em 1917 formou-se em engenharia civil e , em seguida fundou uma empresa de construção.
Sua principal obra foi o livro La Divina Increnca, paródia da Divina Comédia, de Dante. Alexandre não tinha ascendência italiana, mas apaixonou-se pela cultura surgida nos bairros operários em São Paulo na primeira metade do século XX, tornando a cidade o maior centro de imigração italiana do país, onde os imigrantes aportavam na capital em busca de oportunidades de trabalho, geralmente amargavam subempregos e péssimas condições sociais.  
 
O foco da crítica do autor era centrado no imigrante italiano, considerando a sua relevância histórica cuja adaptação ao meio brasileiro foi retratada e problematizada em suas obras. Os imigrantes se inseriram no mercado de trabalho, principalmente, como operários de fábrica. Vários desses trabalhadores já haviam participado de lutas políticas em seus países. Assim, a multiplicação de ideias anarquistas e socialistas revolucionárias no Brasil, nessa época, foi particularmente favorecida em especial pelos imigrantes italianos, que se encontraram também com militantes que tinham fugido de seus países por causa de sua atuação política.

Dessa maneira, é perceptível elementos da existência de uma tradição de luta e de movimentos que ficaram registrados por alguém que representava esses na imprensa, pois Juó Bananère escrevia nos seus dialetos de origem.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.