Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Genocídio na Palestina

Ex-soldados israelenses revelam monstruosidades cometidas em Gaza

Sob anonimato, soldados sionistas descreveram atrocidades cometidas pelo exército de "Israel" contra civis palestinos

Por +972 Magazine, tradução feita pelo Diário Causa Operária (DCO)

 

No início de junho, a Al Jazeera exibiu uma série de vídeos perturbadores revelando o que descreveu como “execuções sumárias”: soldados israelenses atirando e matando vários palestinos que caminhavam perto da estrada costeira na Faixa de Gaza, em três ocasiões diferentes. Em cada caso, os palestinos pareciam estar desarmados e não representavam nenhuma ameaça iminente aos soldados.

Essas filmagens são raras devido às severas restrições enfrentadas pelos jornalistas no enclave sitiado e ao constante perigo para suas vidas. No entanto, essas execuções, que não pareciam ter qualquer justificativa de segurança, são consistentes com os testemunhos de seis soldados israelenses que falaram à +972 Magazine e ao Local Call após serem dispensados do serviço ativo em Gaza nos últimos meses. Corroborando os relatos de testemunhas palestinas e médicos ao longo da guerra, os soldados descreveram ter sido autorizados a abrir fogo contra palestinos praticamente à vontade, incluindo civis.

As seis fontes — todas, exceto uma, falaram sob condição de anonimato — relataram como os soldados israelenses rotineiramente executavam civis palestinos simplesmente porque eles entravam em uma área que o exército definia como “zona proibida”. Os testemunhos pintam um quadro de uma paisagem repleta de cadáveres de civis, que são deixados para apodrecer ou serem comidos por animais vadios; o exército só os esconde da vista antes da chegada dos comboios de ajuda internacional, para que “imagens de pessoas em estágios avançados de decomposição não apareçam”. Dois dos soldados também testemunharam sobre uma política sistemática de incendiar casas palestinas após ocupá-las.

Várias fontes descreveram como a capacidade de atirar sem restrições dava aos soldados uma maneira de aliviar o tédio da rotina diária. “As pessoas querem vivenciar o evento [totalmente]”, lembrou S., um reservista que serviu no norte de Gaza. “Eu, pessoalmente, disparei algumas balas sem motivo, no mar, na calçada ou em um prédio abandonado. Eles relatam como ‘fogo normal’, que é um codinome para ‘Estou entediado, então atiro’”.

Desde a década de 1980, o exército israelense se recusou a divulgar seus regulamentos de fogo, apesar de várias petições ao Tribunal Superior de Justiça. Segundo o sociólogo político Yagil Levy, desde a Segunda Intifada, “o exército não deu aos soldados regras escritas de engajamento”, deixando muito aberto à interpretação dos soldados no campo e de seus comandantes. Além de contribuir para a morte de mais de 38.000 palestinos, fontes testemunharam que essas diretrizes frouxas também foram parcialmente responsáveis pelo alto número de soldados mortos por fogo amigo nos últimos meses.

Israeli soldiers from the 8717 Battalion of the Givati Brigade operating in Beit Lahia, in the northern Gaza Strip, during a military operation, December 28, 2023. (Yonatan Sindel/Flash90)

“Havia total liberdade de ação”, disse B., outro soldado que serviu nas forças regulares em Gaza por meses, incluindo no centro de comando de seu batalhão. “Se houver [mesmo] uma sensação de ameaça, não há necessidade de explicar — você apenas atira”. Quando os soldados veem alguém se aproximando, “é permitido atirar no centro de massa [corpo], não no ar”, continuou B. “É permitido atirar em todos, uma menina jovem, uma mulher idosa”.

B. descreveu um incidente em novembro, quando soldados mataram vários civis durante a evacuação de uma escola próxima ao bairro de Zeitoun, na Cidade de Gaza, que servia de abrigo para palestinos deslocados. O exército ordenou que os evacuados saíssem para a esquerda, em direção ao mar, em vez de para a direita, onde os soldados estavam posicionados. Quando um tiroteio irrompeu dentro da escola, aqueles que se desviaram para o lado errado no caos subsequente foram imediatamente assassinados.

“Havia inteligência de que o Hamas queria criar pânico”, disse B. “Uma batalha começou lá dentro; as pessoas fugiram. Alguns fugiram para a esquerda, em direção ao mar, [mas] alguns correram para a direita, incluindo crianças. Todos os que foram para a direita foram mortos — 15 a 20 pessoas. Havia uma pilha de corpos”.

‘As pessoas atiravam como quisessem, com toda a força’

B. disse que era difícil distinguir civis de combatentes em Gaza, alegando que membros do Hamas frequentemente “andam sem suas armas”. Mas, como resultado, “todo homem entre 16 e 50 anos é suspeito de ser terrorista”.

“É proibido andar por aí, e todos que estão do lado de fora são suspeitos”, continuou B. “Se virmos alguém em uma janela nos observando, ele é um suspeito. Você atira. A [percepção do exército] é que qualquer contato [com a população] põe em risco as forças, e uma situação deve ser criada na qual é proibido se aproximar [dos soldados] sob quaisquer circunstâncias. [Os palestinos] aprenderam que quando entramos, eles fogem”.

Mesmo em áreas aparentemente despovoadas ou abandonadas de Gaza, os soldados se envolviam em extensos disparos em um procedimento conhecido como “demonstrar presença”. S. testemunhou que seus colegas soldados “atiravam muito, mesmo sem motivo — qualquer um que quisesse atirar, não importava o motivo, atirava”. Em alguns casos, ele observou, isso era “destinado a… remover pessoas [de seus esconderijos] ou demonstrar presença”.

M., outro reservista que serviu na Faixa de Gaza, explicou que tais ordens vinham diretamente dos comandantes da companhia ou batalhão no campo. “Quando não há [outras] forças IDF [na área]… os tiros são muito irrestritos, como loucos. E não apenas armas pequenas: metralhadoras, tanques e morteiros”.

Mesmo na ausência de ordens superiores, M. testemunhou que os soldados no campo regularmente fazem justiça com as próprias mãos. “Soldados regulares, oficiais juniores, comandantes de batalhão — as patentes juniores que querem atirar, recebem permissão”.

S. lembrou de ouvir pelo rádio sobre um soldado estacionado em um recinto de proteção que atirou em uma família palestina que caminhava por perto. “A princípio, dizem ‘quatro pessoas’. Transforma-se em duas crianças mais dois adultos, e no final é um homem, uma mulher e duas crianças. Você pode montar a imagem sozinho”.

Apenas um dos soldados entrevistados para esta investigação estava disposto a ser identificado pelo nome: Yuval Green, um reservista de 26 anos de Jerusalém que serviu na 55ª Brigada de Paraquedistas em novembro e dezembro do ano passado (Green recentemente assinou uma carta de 41 reservistas declarando sua recusa em continuar servindo em Gaza, após a invasão do exército em Rafá). “Não havia restrições de munição”, Green disse à +972 e ao Local Call. “As pessoas estavam atirando apenas para aliviar o tédio”.

Green descreveu um incidente que ocorreu uma noite durante o festival judaico de Hanukkah, em dezembro, quando “todo o batalhão abriu fogo junto como fogos de artifício, incluindo munição traçante [que gera uma luz brilhante]. Criou uma cor maluca, iluminando o céu, e porque [Hanukkah] é o ‘festival das luzes’, tornou-se simbólico”.

Israeli soldiers from the 8717 Battalion of the Givati Brigade operating in Beit Lahia, northern Gaza Strip, December 28, 2023. (Yonatan Sindel/Flash90)

C., outro soldado que serviu em Gaza, explicou que quando os soldados ouviam tiros, eles entravam em contato pelo rádio para esclarecer se havia outra unidade militar israelense na área e, caso não houvesse, abriam fogo. “As pessoas atiravam como quisessem, com toda a força”. Mas, como C. observou, o tiro irrestrito significava que os soldados muitas vezes estavam expostos ao enorme risco de fogo amigo — que ele descreveu como “mais perigoso que o Hamas”. “Em várias ocasiões, as forças IDF dispararam em nossa direção. Não respondemos, verificamos no rádio e ninguém ficou ferido”.

Até o momento, 324 soldados israelenses foram mortos em Gaza desde o início da invasão terrestre, pelo menos 28 deles por fogo amigo, segundo o exército. Na experiência de Green, esses incidentes foram a “questão principal” que colocava em risco a vida dos soldados. “Houve bastante [fogo amigo]; isso me enlouquecia”, ele disse.

Para Green, as regras de engajamento também demonstraram uma profunda indiferença ao destino dos reféns. “Eles me contaram sobre a prática de explodir túneis, e eu pensei comigo mesmo que se houvesse reféns [neles], isso os mataria”. Depois que soldados israelenses em Shuja’iyya mataram três reféns acenando bandeiras brancas em dezembro, pensando que eram palestinos, Green disse que ficou com raiva, mas foi informado que “não havia nada que pudéssemos fazer”. “[Os comandantes] afiaram os procedimentos, dizendo ‘você tem que prestar atenção e ser sensível, mas estamos em uma zona de combate e temos que estar alertas’”.

B. confirmou que, mesmo após o erro em Shuja’iyya, que foi dito ser “contrário às ordens” do exército, as regulamentações de fogo aberto não mudaram. “Quanto aos reféns, não tínhamos uma diretriz específica”, ele lembrou. “[Os altos escalões do exército] disseram que, após o tiroteio dos reféns, eles informaram [os soldados no campo]. [Mas] eles não falaram conosco”. Ele e os soldados que estavam com ele ouviram sobre o tiroteio dos reféns apenas duas semanas e meia após o incidente, depois de deixarem Gaza.

“Ouvi declarações [de outros soldados] de que os reféns estão mortos, não têm chance, têm que ser abandonados”, observou Green. “[Isso] me incomodou mais… que continuavam dizendo, ‘estamos aqui pelos reféns’, mas é claro que a guerra prejudica os reféns. Esse era meu pensamento na época; hoje, mostrou-se verdadeiro”.

Israeli soldiers from the 8717 Battalion of the Givati Brigade operating in Beit Lahia, in the northern Gaza Strip, December 28, 2023. (Yonatan Sindel/Flash90)

‘Um prédio cai, e a sensação é, “Uau, que diversão”’

A., um oficial que serviu na Diretoria de Operações do exército, testemunhou que a sala de operações de sua brigada — que coordena os combates fora de Gaza, aprovando alvos e prevenindo fogo amigo — não recebia ordens claras de fogo aberto para transmitir aos soldados no terreno. “Do momento em que você entra, em nenhum ponto há uma instrução”, ele disse. “Não recebíamos instruções de cima para passar aos soldados e comandantes de batalhão”.

Ele observou que havia instruções para não atirar ao longo das rotas humanitárias, mas em outros lugares, “você preenche as lacunas, na ausência de qualquer outra diretiva. Essa é a abordagem: ‘se é proibido lá, então é permitido aqui’”.

A. explicou que atirar em “hospitais, clínicas, escolas, instituições religiosas, [e] prédios de organizações internacionais” exigia autorização superior. Mas, na prática, “posso contar nos dedos das mãos os casos em que nos disseram para não atirar. Mesmo com coisas sensíveis como escolas, [a aprovação] parece apenas uma formalidade”.

Em geral, A. continuou, “o espírito na sala de operações era ‘atire primeiro, pergunte depois’. Esse era o consenso… Ninguém derramará uma lágrima se demolirmos uma casa quando não era necessário, ou se atirarmos em alguém que não precisávamos”. A. disse que estava ciente de casos em que soldados israelenses atiraram em civis palestinos que entraram na área de operação deles, consistente com uma investigação do Haaretz sobre “zonas de matança” em áreas de Gaza sob ocupação do exército. “Esse é o padrão. Nenhum civil deveria estar na área, essa é a perspectiva. Vimos alguém em uma janela, então atiraram e o mataram”. A. acrescentou que muitas vezes não ficava claro nos relatórios se os soldados haviam atirado em militantes ou civis desarmados — e “muitas vezes, parecia que alguém estava envolvido em uma situação, e abrimos fogo”.

Mas essa ambiguidade sobre a identidade das vítimas significava que, para A., os relatórios militares sobre o número de membros do Hamas mortos não podiam ser confiáveis. “A sensação na sala de guerra, e esta é uma versão suavizada, era que toda pessoa que matávamos, contávamos como terrorista”, ele testemunhou.

“O objetivo era contar quantos [terroristas] matamos hoje”, A. continuou. “Todo [soldado] quer mostrar que é o grandão. A percepção era que todos os homens eram terroristas. Às vezes, um comandante pedia números de repente, e então o oficial da divisão corria de brigada em brigada passando pela lista no sistema de computador do exército e contando”.

O testemunho de A. é consistente com um relatório recente do veículo israelense Mako sobre um ataque de drone por uma brigada que matou palestinos na área de operação de outra brigada. Oficiais de ambas as brigadas consultaram sobre qual deveria registrar as mortes. “Qual a diferença? Registre para ambos”, um deles disse ao outro, de acordo com a publicação.

Durante as primeiras semanas após o ataque liderado pelo Hamas em 7 de outubro, A. lembrou, “as pessoas estavam se sentindo muito culpadas por isso ter acontecido sob nossa responsabilidade”, um sentimento compartilhado pelo público israelense em geral — e rapidamente transformado em desejo de retribuição. “Não houve uma ordem direta para se vingar”, disse A., “mas quando você chega a pontos de decisão, as instruções, ordens e protocolos [relacionados a casos ‘sensíveis’] não têm tanta influência”.

Quando drones transmitiam ao vivo imagens de ataques em Gaza, “havia aplausos de alegria na sala de guerra”, disse A. “De vez em quando, um prédio cai… e a sensação é, ‘Uau, que loucura, que diversão’”.

Palestinians at the site of a mosque destroyed in an Israeli airstrike, near the Shaboura refugee camp in Rafah, southern Gaza Strip, April 26, 2024. (Abed Rahim Khatib/Flash90)

A. observou a ironia de que parte do que motivava os chamados dos israelenses por vingança era a crença de que os palestinos em Gaza se alegravam com a morte e destruição de 7 de outubro. Para justificar o abandono da distinção entre civis e combatentes, as pessoas recorriam a declarações como “‘eles distribuíram doces’, ‘eles dançaram após 7 de outubro’, ou ‘eles elegeram o Hamas’… Nem todos, mas também muitos, pensavam que a criança de hoje [é] o terrorista de amanhã”.

“Eu, também, um soldado bastante de esquerda, esqueço muito rapidamente que essas são casas reais [em Gaza]”, disse A. sobre sua experiência na sala de operações. “Parecia um jogo de computador. Só depois de duas semanas percebi que esses são [realmente] prédios que estão caindo: se há habitantes [dentro], então [os prédios estão desabando] sobre suas cabeças, e mesmo que não, então com tudo dentro deles”.

‘Um cheiro horrível de morte’

Vários soldados testemunharam que a política permissiva de disparos permitiu que unidades israelenses matassem civis palestinos mesmo quando identificados como tal previamente. D., um reservista, disse que sua brigada estava estacionada ao lado de dois chamados corredores de viagem “humanitários”, um para organizações de ajuda e outro para civis fugindo do norte para o sul da Faixa. Na área de operação de sua brigada, instituíram uma política de “linha vermelha, linha verde”, delineando zonas onde era proibido para civis entrarem.

De acordo com D., organizações de ajuda tinham permissão para viajar nessas zonas com coordenação prévia (nossa entrevista foi realizada antes de uma série de ataques de precisão israelenses que mataram sete funcionários da World Central Kitchen), mas para os palestinos era diferente. “Qualquer um que cruzasse para a área verde se tornaria um alvo potencial”, disse D., alegando que essas áreas estavam sinalizadas para os civis. “Se cruzarem a linha vermelha, você relata no rádio e não precisa esperar permissão, pode atirar”.

No entanto, D. disse que civis frequentemente entravam em áreas por onde passavam comboios de ajuda para procurar restos que pudessem cair dos caminhões; no entanto, a política era atirar em qualquer um que tentasse entrar. “Os civis são claramente refugiados, estão desesperados, não têm nada”, disse ele. No entanto, nos primeiros meses da guerra, “todos os dias havia dois ou três incidentes com pessoas inocentes ou [pessoas] que se suspeitava serem enviadas pelo Hamas como observadores”, que soldados em seu batalhão atiraram.

Os soldados testemunharam que, em toda Gaza, corpos de palestinos em roupas civis permaneciam espalhados pelas estradas e áreas abertas. “Toda a área estava cheia de corpos”, disse S., um reservista. “Há também cães, vacas e cavalos que sobreviveram aos bombardeios e não têm para onde ir. Não podemos alimentá-los, e não queremos que se aproximem também. Então, ocasionalmente, você vê cães andando por aí com partes do corpo apodrecendo. Há um cheiro horrível de morte”.

Rubbles of houses destroyed by Israeli airstrikes in the Jabalia area in the northern Gaza Strip, October 11, 2023. (Atia Mohammed/Flash90)

Mas antes da chegada dos comboios humanitários, observou S., os corpos são removidos. “Um D-9 [bulldozer Caterpillar] desce, com um tanque, e limpa a área dos cadáveres, enterrando-os sob os escombros e jogando-os de lado para que os comboios não os vejam — [para que] imagens de pessoas em estágio avançado de decomposição não apareçam”, ele descreveu. 

“Vi muitos civis [palestinos] – famílias, mulheres, crianças”, continuou S. “Há mais fatalidades do que são relatadas. Estávamos em uma área pequena. Todo dia, pelo menos um ou dois [civis] são mortos [porque] caminharam em uma área proibida. Não sei quem é terrorista e quem não é, mas a maioria deles não carregava armas”.

Green disse que quando chegou a Khan Yunis no final de dezembro, “vimos uma massa indistinta fora de uma casa. Percebemos que era um corpo; vimos uma perna. À noite, os gatos comiam. Então alguém veio e o moveu”.

Uma fonte não militar que falou ao +972 e Local Call após visitar o norte de Gaza também relatou ter visto corpos espalhados pela área. “Perto do complexo do exército entre o norte e o sul da Faixa de Gaza, vimos cerca de 10 corpos baleados na cabeça, aparentemente por um franco-atirador, [aparentemente enquanto] tentavam retornar ao norte”, ele disse. “Os corpos estavam se decompondo; havia cães e gatos ao redor deles”.

“Eles não lidam com os corpos”, B. disse sobre os soldados israelenses em Gaza. “Se eles estão no caminho, são movidos para o lado. Não há enterro dos mortos. Soldados pisaram em corpos por engano”.

No mês passado, Guy Zaken, um soldado que operava bulldozers D-9 em Gaza, testemunhou perante um comitê do Knesset que ele e sua equipe “atropelaram centenas de terroristas, mortos e vivos”. Outro soldado com quem ele serviu subsequentemente cometeu suicídio.

‘Antes de sair, você queima a casa’

Dois dos soldados entrevistados para este artigo também descreveram como queimar casas palestinas se tornou uma prática comum entre os soldados israelenses, conforme relatado em profundidade pela Haaretz em janeiro. Green testemunhou pessoalmente dois desses casos — o primeiro uma iniciativa independente de um soldado, e o segundo por ordens de comandantes — e sua frustração com essa política é parte do que eventualmente o levou a se recusar a continuar o serviço militar.

Quando os soldados ocupavam casas, ele testemunhou, a política era “se você se move, tem que queimar a casa”. No entanto, para Green, isso não fazia sentido: em “nenhum cenário” o meio do campo de refugiados poderia ser parte de qualquer zona de segurança israelense que justificasse tal destruição. “Estamos nessas casas não porque elas pertencem a operativos do Hamas, mas porque elas nos servem operacionalmente”, ele observou. “É uma casa de duas ou três famílias — destruí-la significa que eles ficarão desabrigados”.

“Eu perguntei ao comandante da companhia, que disse que nenhum equipamento militar [poderia ser] deixado para trás, e que não queríamos que o inimigo visse nossos métodos de combate”, continuou Green. “Eu disse que faria uma busca [para garantir] que não havia [evidências de] métodos de combate deixados para trás. [O comandante da companhia] me deu explicações do mundo da vingança. Ele disse que estavam queimando porque não havia D-9s ou IEDs do corpo de engenharia [que pudessem destruir a casa de outras maneiras]. Ele recebeu uma ordem e isso não o incomodou”.

“Antes de sair, você queima a casa — toda casa”, reiterou B. “Isso é respaldado ao nível do comandante de batalhão. É para que [os palestinos] não possam retornar, e se deixarmos para trás qualquer munição ou comida, os terroristas não poderão usá-la”.

Antes de partir, os soldados empilhavam colchões, móveis e cobertores, e “com algum combustível ou cilindros de gás”, notou B., “a casa pega fogo facilmente, é como uma fornalha”. No início da invasão terrestre, sua companhia ocupava casas por alguns dias e depois seguia em frente; de acordo com B., eles “queimaram centenas de casas. Houve casos em que soldados incendiaram um andar, e outros soldados estavam em um andar mais alto e tiveram que fugir pelas chamas nas escadas ou sufocar com a fumaça”.

Green disse que a destruição deixada pelo exército em Gaza é “inimaginável”. No início dos combates, ele relatou, eles avançavam entre casas a 50 metros umas das outras, e muitos soldados “tratavam as casas [como] uma loja de souvenirs”, saqueando o que os residentes não tinham conseguido levar com eles. “No final, você morre de tédio, [após] dias de espera ali”, disse Green. “Você desenha nas paredes, coisas grosseiras. Brincando com roupas, encontrando fotos de passaporte que deixaram, pendurando uma foto de alguém porque é engraçado. Usávamos tudo o que encontrávamos: colchões, comida, um encontrou uma nota de 100 shekels [cerca de 27 dólares] e pegou”.

“Destruímos tudo o que queríamos”, testemunhou Green. “Isso não é por desejo de destruir, mas por total indiferença a tudo o que pertence aos [palestinos]. Todo dia, um D-9 demole casas. Não tirei fotos de antes e depois, mas nunca vou esquecer como um bairro que era realmente bonito… é reduzido a areia”.

O porta-voz do IDF respondeu ao nosso pedido de comentário com a seguinte declaração:

“Instruções de fogo aberto foram dadas a todos os soldados do IDF lutando na Faixa de Gaza e nas fronteiras ao entrarem em combate. Essas instruções refletem a lei internacional à qual o IDF está vinculado. As instruções de fogo aberto são regularmente revisadas e atualizadas à luz da situação operacional e de inteligência em mudança, e aprovadas pelos mais altos oficiais do IDF.

As instruções de fogo aberto fornecem uma resposta relevante a todas as situações operacionais, e a possibilidade em qualquer caso de risco para nossas forças, liberdade operacional total de ação para remover ameaças. Isso, enquanto dá ferramentas às forças para lidar com situações complexas na presença de uma população civil, e enquanto enfatiza a redução de danos a pessoas que não são identificadas como inimigos ou que não representam uma ameaça à sua vida. Diretrizes genéricas sobre as instruções de fogo aberto, como as descritas na consulta, são desconhecidas e na medida em que foram dadas, estão em conflito com as ordens do exército.

O IDF investiga suas atividades e tira lições de eventos operacionais, incluindo o trágico evento da morte acidental dos falecidos Yotam Haim, Alon Shamriz e Samer Talalka. As lições aprendidas com a investigação do incidente foram transmitidas às forças de combate no campo para evitar a repetição desse tipo de incidente no futuro.

Como parte da destruição das capacidades militares do Hamas, surge uma necessidade operacional, entre outras coisas, de destruir ou atacar edifícios onde a organização terrorista coloca infraestrutura de combate. Isso também inclui edifícios que o Hamas regularmente converte para combate. Enquanto isso, o Hamas faz uso militar sistemático de edifícios públicos que deveriam ser usados para fins civis. As ordens do exército regulam o processo de aprovação, de modo que danos a locais sensíveis devem ser aprovados por comandantes seniores que levam em consideração o impacto dos danos à estrutura na população civil, e isso diante da necessidade militar de atacar ou demolir a estrutura. A tomada de decisão desses comandantes seniores é feita de maneira ordenada e equilibrada.

A queima de edifícios que não seja necessária para fins operacionais é contra as ordens do exército e os valores do IDF.

No âmbito dos combates e sujeito às ordens do exército, é possível usar propriedade inimiga para fins militares essenciais, bem como tomar propriedade das organizações terroristas sujeitas a ordens como despojos de guerra. Ao mesmo tempo, tomar propriedade para fins privados constitui pilhagem e é proibido de acordo com a Lei de Jurisdição Militar. Incidentes em que as forças agiram não de acordo com as ordens e a lei serão investigados.”

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.