Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Crise no Oriente Médio

Ataques imperialistas contra Iêmen não abalam defesa da Palestina

Últimos ataques dos EUA e do Reino Unido contra o Iêmen não conseguem parar as operações iemenitas em defesa da luta do povo palestino e contra a ocupação sionista

Com informações da Al Mayadeen

Segundo um correspondente da emissora libanesa Al Mayadeen, forças dos EUA e Reino Unido realizaram, na segunda-feira (17), uma nova agressão ao território iemenita, lançando 10 ataques aéreos em várias localidades no oeste do Iêmen.

De acordo com o correspondente, as forças dos EUA e do Reino Unido realizaram seis ataques aéreos no Aeroporto de Hodeidah, ao sul da cidade costeira no Mar Vermelho, além de quatro ataques aéreos na Ilha de Kamran, no Mar Vermelho, a oeste do Iêmen.

Os Estados Unidos e o Reino Unido têm frequentemente lançado ataques contra várias províncias iemenitas, ao mesmo tempo em que ocorrem operações das Forças Armadas Iemenitas contra navios israelenses e com destino a “Israel” em apoio a Gaza em meio à guerra genocida israelense contra o povo palestino.

No início de junho, o líder do partido iemenita Ansar Alá, Sayyed Abdul-Malik al-Houthi, ressaltou que a agressão conjunta dos EUA e da Inglaterra “nunca afetará” os “princípios e postura fiel” do Iêmen em apoiar Gaza.

“Os norte-americanos e os britânicos estão trabalhando para proteger os interesses sionistas no mar e se esforçando para garantir [seus interesses] para que possam continuar seu genocídio sem perturbações”, destacou.

Especialistas: ataques dos EUA não conseguem deter operações do Ansar Alá

Especialistas disseram à revista Responsible Statecraft que as Forças Armadas Iemenitas não são dissuadidas pelos ataques imperialistas ao país e continuarão atuando em rotas comerciais pelo Mar Vermelho.

Um relatório publicado pela revista focou nos últimos ataques dos EUA e do Reino Unido contra o Iêmen e sua eficácia em alcançar o objetivo de interromper as operações iemenitas em rotas comerciais marítimas importantes.

Segundo Thomas Juneau, professor associado especialista no Oriente Médio na Escola de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade de Ottawa, os danos causados pelos ataques no Iêmen não atingiram “um nível significativo”.

Neil Quilliam, pesquisador associado no programa Oriente Médio e Norte da África do think tank Chatham House, com sede em Londres, disse que Ansar Alá “permaneceu não dissuadido, e os ataques EUA-Reino Unido tiveram impacto limitado“.

Segundo a Responsible Statecraft, desde o início da agressão ao Iêmen, os EUA lançaram 450 ataques ao país. No entanto, esses ataques não tiveram sucesso e apenas fortaleceram a posição popular iemenita de apoio à Palestina.

Al-Houthi: ressalvas dos EUA e da ONU confirmam que rede de espionagem usou trabalho humanitário como disfarce

A inclusão de nomes de vários países na declaração dos Estados Unidos sobre o desmantelamento de uma rede de espionagem norte-americana-israelense é “uma prova clara de fraqueza e falência”, disse Mohammad Ali al-Houthi, membro do Conselho Político Supremo do Iêmen, na segunda-feira (17).

Em 10 de junho, as Forças de Segurança do Iêmen descobriram uma grande rede de espionagem operada por agências de inteligência norte-americanas e israelenses. Funcionários revelaram que a rede estava ativa em várias instituições no Iêmen desde 2015.

Em uma declaração à agência de notícias iemenita SABA, al-Houthi indicou que os EUA estão tentando limpar seus crimes e agressões contra o Iêmen após não conseguir convencer o mundo da “legitimidade de suas ações”.

Ele apontou que, se a situação fosse inversa, os EUA e os países participantes da declaração não permitiriam que nenhum lado realizasse as mesmas atividades que a rede de espionagem descoberta no Iêmen realizou.

O oficial mencionou que os comentários dos EUA e das Nações Unidas sobre o assunto confirmam as informações reveladas pelos serviços de segurança iemenitas sobre os espiões que trabalhavam sob o disfarce de ajuda humanitária e alívio para realizar atividades de espionagem.

Al-Houthi observou que o treinamento que os espiões receberam na CIA e em outras agências confirma seu envolvimento em trabalhos de espionagem.

De outra forma, o que cursos de segurança e inteligência têm a ver com o trabalho regular de funcionários locais de embaixadas?“, indagou.

O oficial iemenita acrescentou que a comunicação criptografada e secreta entre os espiões e os oficiais de inteligência norte-americanos é mais uma prova de sua transgressão das normas diplomáticas.

Ele também apontou que os certificados de apreciação emitidos pela CIA para os espiões confirmam a seriedade do papel que esses espiões desempenharam e seu impacto na segurança nacional do Iêmen.

Al-Houthi destacou que os espiões confessaram crimes e incidentes apoiados por evidências conhecidas pelo povo iemenita, acrescentando que os relatórios que eles enviaram aos oficiais de inteligência dos EUA estão em posse das agências estatais iemenitas.

Ele apontou que o que há de novo aqui é que os serviços de segurança iemenitas revelaram as razões por trás desses crimes e expuseram aqueles por trás deles.

O oficial indicou que as informações divulgadas pelas agências de segurança sobre a rede de espionagem norte-americana-israelense no Iêmen confirmam a destruição sistemática e os esforços deliberados para destruir meios de subsistência e populações.

Al-Houthi pediu ao governo dos EUA que “pare com a política de chantagear funcionários, recrutando-os sob o disfarce de trabalho humanitário e diplomático”.

Ele também instou as Nações Unidas e suas organizações a “fornecer uma explicação para essas ações que foram repetidamente advertidas com evidências“, porque elas “refletem um fracasso em aderir às suas cartas declaradas e regulamentos operacionais, constituindo mais um crime injustificável“.

Al-Houthi concluiu dizendo: “esta é a realidade dos EUA e de ‘Israel’ hoje, como evidenciado pelas revelações feitas por essas agências“, afirmando que “todos os países rejeitam tais ações e condenam esses comportamentos, que não têm nada a ver com trabalho humanitário“.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.