Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Palestina

As operações do Iêmen contra o USS Eisenhower

O ataque ao porta-aviões coloca em xeque o poder de dissuasão dos EUA na região.

Iemenitas

Em 1 de junho, as Forças Armadas do Iêmen, alinhadas com Ansarallah, atacaram o porta-aviões norte-americano USS Eisenhower no Mar Vermelho duas vezes em 24 horas. Sanaa tem atacado consistentemente navios de guerra e destróieres com mísseis e drones, mas o ataque ao Eisenhower representa uma escalada no confronto.

Estes ataques são respostas às investidas conjuntas dos Estados Unidos e Reino Unido contra o Iêmen e marcam uma escalada significativa no conflito regional centrado em Gaza.

Na sexta-feira, 31 de maio, após o porta-voz militar do Iêmen, Yahya Saree, anunciar uma série de operações militares como parte da quarta fase da escalada, Ansarallah abateu um drone americano MQ-9 de US$ 30 milhões. Este é o sexto drone MQ-9 abatido pelos iemenitas desde o início da operação “Al-Fateh Al-Mubin”.

Em retaliação, os Estados Unidos lançaram ataques aéreos ao amanhecer, visando instalações civis em Sanaa e nas províncias de Hodeidah e Taiz. Esses foram os ataques mais intensos desde o início dos ataques conjuntos EUA-Reino Unido ao Iêmen em 12 de janeiro deste ano. Entre militares e civis, os ataques mataram 16 iemenitas e feriram 41.

A magnitude dos ataques aéreos e as baixas resultantes levaram a uma resposta rápida e dura de Sanaa. Como parte da quarta fase de escalada para apoiar a resistência palestina e estender os alvos até o Mar Mediterrâneo, os iemenitas atacaram o USS Eisenhower, estacionado no norte do Mar Vermelho.

O porta-aviões, que serve de plataforma de lançamento para agressões ao Iêmen e apoio a “Israel” contra Gaza, foi novamente atingido em 24 horas. Além disso, um contratorpedeiro foi alvo de mísseis e drones, confirmando novos ataques.

Encomendado em 1977, o USS Eisenhower custou cerca de 5,3 bilhões de dólares (ajustados pela inflação) para ser construído. Pesa 114 mil toneladas, mede 332,8 metros e é movido a energia nuclear. A embarcação serve como base aérea móvel com cerca de 90 aeronaves e helicópteros de asa fixa e cinco mil funcionários, incluindo pilotos, marinheiros e um hospital integrado. Com a retirada do USS Gerald R. Ford no início do ano, o Eisenhower se tornou o único porta-aviões na região e um elemento de dissuasão importante para os americanos.

O ataque ao USS Eisenhower tem implicações significativas. Sanaa demonstra a capacidade de atingir alvos que Washington considera linhas vermelhas, incluindo porta-aviões. Após o anúncio dos militares iemenitas confirmando o ataque, os EUA inicialmente minimizaram o evento, abstendo-se de comentar diretamente, o que indica a seriedade do alvo, independentemente dos danos.

Em 1 de janeiro, os EUA abriram fogo contra barcos da marinha do Iêmen, resultando na morte de dez marinheiros. Este incidente foi seguido, em 12 de janeiro, pela primeira onda de ataques ao Iêmen, com promessas de resposta por parte das Forças Armadas do Iêmen, indicando que a agressão não ficaria impune.

Os iemenitas começaram a atacar navios norte-americanos e britânicos, eventualmente atingindo navios de guerra. As respostas foram graduais, sugerindo que as forças armadas do Iêmen estavam refinando cuidadosamente sua estratégia.

Na última resposta, após uma série de ataques em diferentes áreas do Iêmen, os iemenitas retaliaram com mísseis balísticos visando o porta-aviões Eisenhower.

Esta resposta foi significativa pela magnitude do alvo e pela velocidade e repetição dos ataques, sugerindo que futuras agressões poderão desencadear retaliações ainda mais surpreendentes.

Embora o movimento ousado das Forças Armadas do Iêmen possa surpreender, a decisão de apoiar a resistência palestina após a declaração de guerra de “Israel” a Gaza indica que nada pode ser descartado.

Os cálculos dos EUA devem considerar esta imprevisibilidade em futuros passos hostis em relação ao Iêmen, seja no contexto da guerra de “Israel” em Gaza ou da guerra entre Arábia Saudita e Emirados Árabes no Iêmen. O objetivo continua a ser restaurar a soberania sobre todo o território iemenita por terra e mar.

A escolha do porta-aviões norte-americano envia mensagens de alto nível sobre o futuro do confronto, indicando que não há limites para a resposta iemenita. Sanaa se estabelece como um ator regional que não pode ser ignorado, posicionando-se entre os principais países do Eixo de Resistência.

O aspecto mais crítico desta operação é o impacto no poder de dissuasão dos EUA. O ataque mina a aparente invencibilidade do poder militar dos EUA, o que pode afetar os interesses de Washington, a presença de suas forças na região e suas relações com os aliados.

Os EUA reconhecem a erosão do seu poder de dissuasão e compreendem que o perder terá consequências difíceis de dimensionar.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.