Conflito Israel-Palestino

“Solução mútua” é manter genocídio de mais de 75 anos

Articulista da Folha de S. Paulo apresenta rendição do Hamas como condição para a "paz" no Oriente Médio

Em artigo para lá de cínico publicado na Folha de S.Paulo, Natalie Rosen, que se apresenta como uma “israelense radicada no Rio de Janeiro”, afirma que, “para muitos israelenses, (…) esta guerra é inevitável”. Segundo a articulista, o atual conflito entre palestinos e sionistas teria um caráter diferente dos anteriores, quando “o lado à esquerda da sociedade israelense, alinhavam-se pelo cessar-fogo e em favor do levantamento do bloqueio a Gaza”.

A ideia em si já é absurda porque é facilmente desmascarada por fatos notórios. Nunca na história da Palestina houve tantas mobilizações em diferentes partes do mundo contra o Estado de Israel. Em mais de um mês do acirramento do conflito, países de todos os continentes, incluindo os Estados Unidos, a Alemanha e o Reino Unido, testemunharam grandes manifestações. E as manifestações têm um teor muito claro: querem que Israel pare imediatamente o massacre dos palestinos.

Desmentida a tese, passemos então ao argumento da “israelense” para defender que estaríamos diante de uma situação inédita: “Desde 7 de outubro, todos os dias novas provas são reveladas sobre os horrores que o Hamas praticou e também sobre a intenção que precedeu o ataque de que a investida varreria a região e levaria a um conflito mais amplo”. Não poderia haver um argumento mais ridículo, uma vez que a realidade é absolutamente oposta.

A cada dia que se passa, o que vem sendo demonstrado é que a “monstruosidade” do Hamas não passa de uma ficção criada pelos serviços de inteligência israelenses. A maior prova disso está no caso das vítimas civis. No primeiro momento, Israel afirmou que o Hamas havia matado 1400 pessoas. Depois, a informação mudou: teriam sido 1200 mortos. No entanto, Israel só conseguiu comprovar a morte de 800 pessoas. Dessas 800, metade são militares.

O pior de tudo, no entanto, é que até mesmo a imprensa israelense está sendo obrigada a admitir que dos civis mortos, ao que tudo indica, a maioria foi morto por Israel. Há declarações de autoridades das próprias forças de defesa israelenses reconhecendo que o protocolo do governo sionista é de matar os reféns de seu próprio povo, para não ter de arcar com as consequências de uma negociação de resgate.

Ainda que fosse fato que o Hamas fosse uma organização que usasse extrema violência, isso também não seria uma novidade. Várias organizações da OLP, antes mesmo de o Hamas existir, faziam uso dos métodos hoje considerados como “terroristas”.

Ao fim e ao cabo, o que a israelense carioca da Folha de S.Paulo procura, sem conseguir disfarçar direito, é uma desculpa para defender exatamente a mesma política do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. Isto é, de que “a guerra é necessária”, pois seria uma questão de “vida ou morte para Israel”.

E, assim como Netanyahu, Natalie Rosen ignora por completo que o povo palestino é que vem sendo massacrado há mais de sete décadas por Israel.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.