Contra as privatizações

Servidores e trabalhadores das estatais se mobilizam na ALESP

Mobilização deve ser um "esquenta" para a greve geral dos servidores e trabalhadores da estatais paulistas no dia 28/11


Hoje, a partir das 12h, em frente à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo(ALESP), acontece um ato contra as privatização da SABESP (Cia. de água e esgotos de São Paulo) e demais estatais paulistas que o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) quer entregar para tubarões capitalistas repetirem o “êxito” da privataria do setor elétrico que vem deixando a maior e mais rica cidade brasileira sofre com falta de energia, apesar dos preços exorbitantes das contas.

Para o ato estão sendo convocados, alé de trabalhadores da SABESP, professores da rede estadual (APEOESP), servidores de diversas categorias e trabalhadores do Metrô e Ferroviários, também ameaçados pelas pvatizações.

O ato ocorre durante a audiência pública – determinada pelo Ministério Público – para discutir a proposta do governo de privatizar a SABESP.

Deputados da base de apoio e de oposição ao governo teriam acertado um cronograma para a tramitação do projeto de privatização da Sabesp que prevê o início da discussão no plenário da Assembleia Legislativa no próximo dia 5; o que a oposição parlamentar (PT e PSOL) quer adiar, se possível para o próximo ano, quando a realização das eleições municipais criarão maiores dificuldades para a aprovação da medida. Os governistas, no entanto, pretendem que seja possível votar a entrega no dia 12 de dezembro.

A pressão sobre os deputados não deve ser desconsiderada, mas é evidente que o terreno fundamental para obter uma vitória contra o governo entreguista é o da mobilização nas ruas contra o governo e sua proposta.

No dia 28/11 está convocada a greve unificada dos funcionalismo e servidores das estatais paulistas contra as privatizações e a destruição dos serviços públicos do governo tucano bolsonarista que, além da entrega das estatais, arrocho salarial e outras medidas de ataque, também quer reduzir os gastos mínimos com a Educação (de 30% para 25% do orçamento).

A crise aguda dos capitalistas (ávidos por se apossar cada vez mais dos recursos públicos) vem fazendo com os governos locais adotem um número cada vez maior de medidas contra o funcionalismo.

Contra esta política, em Minas Gerais, servidores da Educação decretaram, em 14/11, estado de greve e anunciaram que vão paralisar as atividades nos dias 21 e 22/11, com vigília permanente na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

O objetivo principal é pressionar os deputados a se posicionarem contra o Regime de Recuperação Fiscal (RRF), proposto pelo governador Romeu Zema (Novo) para quitar a dívida de R$160 bilhões do Estado com a União, às custas da expropriação do funcionalismo. Neste mês, já ocorreram outras duas greves do funcionalismo mineiro contra o RRF, nos dias 7 e 14.

De modo geral, a política das direções sindicais tem sido a de realizar uma mobilização de baixa intensidade, principalmente junto aos parlamentares, em sua maioria quase sempre dóceis aos interesses dos governos da direita.

Sem deixar de lado a luta também no legislativo, a mobilização – para ser vitoriosa – precisa ganhar amplamente as ruas, ter um calendário permanente de mobilização, rumo a uma greve geral política de todo o funcionalismo e do conjunto dos trabalhadores das estatais, contra a política dos governadores e na defesa das suas reivindicações, com grandes atos nos centros das cidades, paralisação de todos os serviços, incluindo os de transportes, no caso de São Paulo, e mobilização a opinião pública, por meio da CUT, movimentos populares, estudantis, etc. em uma ampla campanha contra os governos e a destruição dos serviços públicos e a destruição da Educação, Saúde e todos os serviços públicos.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.