Invasão em Gaza

Números comprovam situação crítica de Israel: “perdemos o Norte”

O número de veículos militares israelenses que invadiram a Gaza foi de 383. Tendo em vista que resistência já destruiu 239, sobraram 144, tornado a situação de "Israel" crítica

“É impressionante, neste momento aqui, a fragilidade do Estado de Israel e do imperialismo”, disse Rui Costa Pimenta, presidente do Partido da Causa Operária, durante a Análise de 3ª, que foi ao ar nesse dia 21.

Sua declaração foi dada na esteira do acordo de trégua feito entre a resistência palestina e “Israel”, mediada pelo Catar. Rui também apontou que “o Hamas destruiu uma quantidade de tanques muito grande e de blindados israelenses. Em um dos cemitérios onde estão sendo enterrados os soldados, os enterros seguem um atrás do outro”. Com isto concluiu que “a trégua revela o fracasso do exército de ocupação sionista de impor uma derrota militar às forças armadas dos palestinos – o que é uma notícia extraordinariamente positiva para o mundo todo”.

Nesse sentido, é sintomática recente declaração de Avigdor Lieberman, ex-ministro da defesa de Israel, que disse no último dia 18 que “o esforço de guerra perdeu o norte (de Gaza)”.

Não é por nada. Recentes dados divulgados por Abu Obeida, porta-voz das Brigadas Al-Qassam – braço militar do Hamas – indicam que “Israel” não está sendo bem-sucedido em subjugar a resistência palestina em Gaza, apesar de todo o bombardeio genocida, que já assassinou mais de 12 mil palestinos.

Em 8 de novembro, Obeida informou que a resistência palestina havia destruído total ou parcialmente 136 veículos militares das forças invasoras, em toda a Faixa de Gaza (inclusos tanques, escavadoras militares, veículos blindados de transporte pessoal). No dia 12 de novembro, em nova declaração, o número já havia subido para 160 desde o início dos combates.

À medida que os combates continuaram, mais veículos militares sionistas foram destruídos, conforme novas declarações do porta-voz do Hamas. Na última sexta-feira (17), foram 62 veículos. Já no dia seguinte (18), outros 17 veículos, um total de 239.

Para além destas informações repassadas oficialmente pelas Brigadas Al-Qassam, a rede de televisão Al Jazeera analisou imagens de satélite, verificando que, no dia 27 de outubro, 383 veículos militares israelenses adentraram Gaza. Entre os dias 1º e 10 de novembro, contudo, 88 destes veículos desapareceram.

Tendo em vista que o número original de veículos militares israelenses que participavam da invasão a Gaza foi de 383 e que a resistência palestina já destruiu ao menos 239, sobram no máximo 144 veículos, confirmando que “Israel” está diante de uma situação crítica, a qual tende a se agravar, pois, apesar da trégua temporária, ainda está sendo alvo do Hesbolá na fronteira norte, e dos Houtis do Iêmen, que vêm travando a luta ao lado dos palestinos.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.