Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Caso Lufthansa

Nem os países imperialistas conseguem atingir o “carbono zero”

Os executivos da indústria de aviação alemã já sinalizam iminente escassez de eletricidade que pode colocar em perigo a competitividade da Alemanha como centro industrial

A principal empresa alemã de aviação mundial, Lufthansa, declarou à agência de notícias norte-americana Bloomberg que, para se tornar verde, seria necessário consumir metade de toda a produção de energia do país. Para a empresa, querosene sintético menos poluente consome muita energia.

Em uma conferência de aviação em Hamburgo, na Alemanha, o CEO, Carsten Sphor, afirmou: “Precisaríamos de cerca de metade da eletricidade da Alemanha para produzir combustíveis suficientes”. Para Sphor, os combustíveis sintéticos fabricados por meio de energia renovável representariam a melhor forma de descarbonizar a aviação. Entretanto, como o executivo frisou, a Alemanha não seria capaz de gerar eletricidade verde suficiente.

Segundo o indicado na conferência, os combustíveis sintéticos, como o querosene verde, derivado da água, são a única forma tecnicamente viável de descarbonizar as viagens aéreas, segundo os executivos da indústria da aviação. No entanto, o processo demanda quantidades enormes de eletricidade gerada a partir de recursos renováveis a fim de garantir a neutralidade de emissão de carbono.

Para “descabonizar” as viagens aéreas, a Alemanha depende de eletricidade importada, uma vez que não consegue mais através da energia gerada internamente.

A maior economia da União Europeia teve que aumentar as importações de eletricidade em 2023 depois que o governo decidiu encerrar as últimas centrais nucleares remanescentes no país a favor de energias renováveis.

Para acentuar ainda mais a crise, a Alemanha tem sofrido com a redução nas entregas de energia russas, que foram praticamente interrompidas depois que a União Europeia impôs sanções a Moscou, em 2022, em resposta ao conflito estabelecido na Ucrânia. É importante lembrar que, antes de 2022, a Alemanha dependia da Rússia em 40% do seu gás natural.

Os executivos da indústria de aviação alemã já sinalizam iminente escassez de eletricidade que pode colocar em perigo a competitividade da Alemanha como centro industrial.

Há pelo menos dois fatores silenciados no debate sobre “energia verde”. O primeiro está relacionado ao fato de que a ideia de “energia verde” se sustenta em um discurso farsante que esconde o fato de que ele só serve para evitar o desenvolvimento dos países periféricos. Ou seja, os países ricos não querem que os pobres explorem seu petróleo para que eles, os ricos, o explorem. Já o segundo diz respeito ao fato de que nem os países ricos têm condições de implementar a dita “energia verde”. Os EUA, por exemplo, não podem abrir mão do petróleo que produzem e refinam.

Nesse sentido, o caso revela que a ideologia por trás do chamado “ambientalismo” é uma farsa. Na prática, os países imperialistas já sabem que não conseguirão atingir as metas absurdas que eles impõem sobre os países pobres. É um verdadeiro engana trouxa que só traz mais pobreza e miséria à classe operária dos países oprimidos.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.