Por quê estou vendo anúncios no DCO?

1970

Israel destruía terras agrícolas palestinas para colonizar a Cisjordânia

Documentos israelenses recentemente revelados demonstram as atrocidades cometidos pelo país na década de 70

A recente descoberta de documentos israelenses revela mais um capítulo sombrio da história da Cisjordânia causado por não mais, não menos, do que Israel. Esses documentos internos, que remontam à década de 1970, mostram como o governo e o exército israelenses operaram para estabelecer novos assentamentos, mesmo à custa da destruição de terras agrícolas palestinas. Apesar das fortes objeções dos agricultores palestinos, táticas como a sabotagem de ferramentas e a pulverização com substâncias tóxicas foram usadas para desapropriar os residentes de suas terras e realizar a expansão dos assentamentos.

De acordo com os documentos revelados, o primeiro passo para o estabelecimento do assentamento de Gitit, na Cisjordânia, foi a desapropriação das terras dos moradores da vila palestina próxima. Sob o pretexto de transformar a área em uma área de treinamento militar, os soldados israelenses sabotaram as ferramentas dos agricultores palestinos e até usaram veículos para destruir suas plantações. No entanto, quando essas táticas não alcançaram o resultado desejado, decidiu-se recorrer a uma solução mais drástica: a pulverização com um produto químico tóxico.

“Quando os palestinos insistiram em cultivar a terra, os soldados israelenses sabotaram suas ferramentas. Mais tarde, os soldados receberam ordens de usar veículos para destruir as plantações. Uma solução radical foi empregada quando isso não deu certo: um espanador de plantações pulverizou um produto químico tóxico. A substância era letal para os animais e perigosa para os seres humanos”, dizem os documentos.

Revelações detalhadas dos documentos

Os documentos revelam em detalhes eventos que ocorreram durante a década de 1970. Um documento de janeiro de 1972 mostra que o comando central do exército israelense ordenou que a Brigada do Vale do Jordão garantisse que a terra não fosse cultivada, inclusive usando veículos para destruir a agricultura existente. Em março do mesmo ano, os líderes das aldeias palestinas e os chefes de clãs familiares foram convocados para lembrá-los de não violar as instruções e foram ameaçados com a destruição de suas plantações e com processos por entrarem em uma zona militar fechada sem licença.

Em abril de 1972, foi realizada uma discussão no comando central do exército israelense sobre a pulverização de uma área irregular no setor de Tel-Tal, que mais tarde se tornaria o assentamento de Gitit. O objetivo dessa reunião era estabelecer responsabilidades e um cronograma para a pulverização, que tinha como objetivo destruir a plantação. Além disso, foi ordenado que ninguém entrasse na área por três dias, devido ao medo de envenenamento estomacal, e os animais foram proibidos de entrar na área por mais uma semana.

As ações de Israel na década de 1970 tiveram um impacto duradouro sobre a comunidade palestina. Os danos causados pela pulverização foram estimados em milhares de libras israelenses e a terra confiscada dos moradores da vila de Aqraba foi usada para estabelecer o assentamento de Gitit. Essa não é uma situação isolada, pois mais de 600.000 colonos vivem em mais de 230 assentamentos construídos desde a ocupação israelense da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental em 1967.

Em resumo, os documentos recém-revelados lançam luz sobre as táticas usadas pelo governo e pelo exército israelense na década de 1970 para estabelecer novos assentamentos na Cisjordânia. Apesar da oposição dos agricultores palestinos, os moradores foram despojados de suas terras e foram usados métodos como sabotagem de ferramentas e pulverização com substâncias tóxicas. Isso demonstra como, desde o início, Israel tem sido um Estado terrorista, assombrando os palestinos sem nenhum sossego.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.