Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Vinícius Rodrigues

Militante do Partido da Causa Operária no Rio de Janeiro e membro da Direção Nacional da Aliança da Juventude Revolucionária (AJR).

Hesbolá, invada Israel!

Irã, bombardeie Tel Aviv imediatamente!

Arábia Saudita, Iêmen, Iraque, Síria, Egito, Emirados Árabes, Catar chegou a hora de esmagar de uma vez por todas as tropas imperialistas que ocupam a Palestina.

E antes que algum sionista apareça para processar este Díário ou me processar, digo que aprendi a escrever esse tipo de artigo não com nenhuma imprensa nacionalista árabe ou marxista. Aprendi com o próprio New York Times, um órgão de imprensa muito “democrático”. Chamadas assim, de fato, ficam muito atraentes:
(Como sufocar o Iraque/Bombardeia a Coreia do Norte, antes que seja tarde demais/Bombardear o Iraque não é o suficiente/Bombardeia a Síria, mesmo que seja ilegal/As bombas dos EUA fazem o Iraque mais forte/Para impedir o bomba do Irã, bombardeie o Irã)

Dito isso, vamos ao que interessa:

Hoje o jogo virou, Alá está do nosso lado. Algo que parecia impossível aconteceu, os palestinos, liderados pelo Hamas, impuseram uma derrota humilhante a Israel. Um exército imperialista dos mais bem equipados da história da humanidade, o regimento sionista do United States Army, sofreu derrotas de guerrilheiros saídos de um campo de concentração: a Faixa de Gaza. É uma vitória gigantesca de todos os povos oprimidos. Algo a ser celebrado pela classe operária de todo o planeta. É também um sinal de que a entidade sionista está com seus dias contados, seu fim será uma das maiores festas da humanidade.

O eixo da resistência, como é conhecido pelos árabes, é o grupo formado pelos palestinos Hamas, Jihad Islâmica e Cova dos Leões, pelos libaneses Hesbolá, pelo Ansar Alá (hutis) do Iêmen e pelo próprio governo do Irã, além de outras organizações menores. Seu maior inimigo é o Estado de Israel, isto é, a principal base militar do imperialismo no Oriente Médio. A vitória de ontem foi a vitória desse eixo. Imediatamente todas as organizações saudaram a operação Enchente de Al-Aqsa que invadiu os territórios ocupados ao norte da Faixa de Gaza. O povo de todos esses países saiu às ruas em festa e em apoio aos palestinos.

A fraqueza de Israel agora é um fato consumado, tal qual a fraqueza da OTAN e dos EUA ficou comprovada quando o Talibã derrotou a ocupação militar imperialista. Isso deu o sinal para que Putin entrasse em guerra com a OTAN na Ucrânia. A vitória do Hamas portanto deveria dar o mesmo sinal para o equivalente da Rússia no Oriente Médio, o Irã. Mas, ao contrário do caso de Putin, a situação do Oriente Médio é muito mais favorável. Toda a população árabe concorda que é preciso por um fim a ocupação sionista da Palestina. Além da revolução dos palestinos, que seria a maior força política possível, o setor mais forte de todo o eixo da resistência é o governo do Irã.

Começar uma guerra não é fácil, e não necessariamente é a melhor estratégia política para se ter vitórias. Mas a situação do Oriente Médio não é exatamente de começar guerras, elas estão presentes há décadas, quem as iniciou foi o imperialismo. O que não existe agora é o confronto direto entre Irã e Israel, apenas o confronto indireto. Contudo, conforme se amplia a crise, a tendência é que esse confronto estoure. Aqui portanto faço apenas uma provocação, será que chegou o momento do Irã bombardear Tel Aviv e, com ajuda do eixo da resistência, por um fim a Israel de uma vez por todas? Será que Israel teria capacidade de resistir a essa investida?

Os acontecimentos ainda são muito recentes, no entanto o Hamas nos deu um gostinho de vitória. Deu esse gostinho de vitória a todos os árabes do mundo, e quem prova um pouco desse fruto não se contenta com pouco. A probabilidade maior é que a crise se arraste, mas nunca se sabe qual será o estopim para a grande guerra contra Israel, que dada a política do sionismo, é quase inevitável. Nesse sentido, qualquer apoio de governos árabes e persa à Palestina, seja diplomática, seja com armas, seja com uma invasão, deve ser apoiada por todos os oprimidos do planeta. A destruição do Estado de Israel será uma das maiores vitórias da classe operária no século XXI. Aitaolá Khameinei, chegou o momento!

* A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a opinião deste Diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.