Servidores da UnB

Contra o roubo de 26,5% dos salários, todos ao Congresso

Além de lutar contra o roubo de mais de 1/4 dos salários, é preciso aprovar no Congresso pelas demais reivindicações dos trabalhadores

De 8 a 10 de novembro próximos, realiza-se o XXVIII Congresso do Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (CONSINTFUB). O Congresso é o órgão máximo da categoria e, ocorre em um momento em que a categoria está com “corda no pescoço” devido ao enorme achatamento salarial promovido pelos seguidos governos golpistas de Temer e Bolsonaro, agravada com a iminente perda do pagamento que estava sendo feito da URP (por decisão do STF e STJ), o que representará

uma perda de 26,05% dos salários de todos os servidores.

Os milhares de servidores da UnB também precisam se posicionar sobre questões fundamentais que atingem o funcionalismo e todos os trabalhadores e sobre o fortalecimento de sua organização sindical, diante da intensificação da crise, que reforça a necessidade da unidade e mobilização dos trabalhadores. Além de outras medidas que possam ter tomadas diante do ataque brutal da perda da URP (como assembleia e, greve, se preciso for) a categoria precisa de mobilizar para realizar um grande Congresso, com ampla participação de delegados de todos os setores da Universidade no congresso, para armar a categoria para a dura luta que tem pela frente, quebrando a paralisia que toma conta da maioria das direções sindicais na etapa atual.

Companheiros da corrente Servidores em Luta (PCO e simpatizantes) e outros ativistas de base do Sindicato vão realizar uma campanha junto aos setores de trabalho para que uma ampla parcela dos trabalhadores, incluindo os que não tem uma participação no cotidiano da atividade sindical, participem do Sindicato, fortalecendo a luta da categoria.

A retirada dos terceirizados da representação sindical pelo SINTFUB no estatuto, tirou consideravelmente o poder do sindicato para negociar suas demandas com a reitoria e o governo. Essa força se concretizava em união para as greves, união para as manifestações e piquetes, na luta pelos interesses comuns da categoria. É preciso recuperar, pelos meios necessários, essa unidade, visando reforçar a capacidade de mobilizar os trabalhadores para interromper o trabalho em toda Universidade, quando necessário.

Essa divisão foi encabeçada por movimentos que queriam segregar o sindicato em elites de servidores, tanto que criaram o ATENS (Sindicato Nacional dos Técnicos de Nível Superior) e tiraram a representação dos terceirizados pelo SINTFUB. Essa política reacionária, deixa de lado que muitos dos terceirizados de hoje foram os concursados de ontem e que nessa toada seremos todos terceirizados amanhã.

O principal papel do sindicato é unificar os trabalhadores para fazer a luta contra os patrões e reivindicar o que for necessário para melhorar as condições de vida e de trabalho da categoria. Por isso a importância do chamado de Servidores em Luta para que os servidores participem do congresso, não deixando as decisões que interessam a categoria nas mãos de um reduzido grupo de sindicalistas.

Além de lutar contra a perda salarial de 26,05%, é preciso aprovar no Congresso a luta por um plano de carreira que garanta a evolução e os direitos dos servidores, contra os abusos implementados na autarquia, pela liberdade de organização sindical e de mobilização, sem punição dos servidores (como corte de ponto ou desconto de horas paradas); lutar contra as precárias condições de trabalho que provocam adoecimentos e contra as perseguições na Universidade.

É preciso de unir ao conjunto do funcionalismo, ameaçado no Congresso Nacional reacionário com a “reforma administrativa” de Bolsonaro, que o presidente da Câmara e chefe do Centrão, Arthur Lira (PP) pressiona o governo do PT para impor. E se somar a outras lutas gerais como a redução dos juros e fim da ditadura dos banqueiros, luta pela exploração de 100% do petróleo para garantir recursos para Educação, Saúde, Moradia, etc., para todo o povo brasileiro.

Nas próximas semanas estarão sendo eleitos os delegados, com o critério de que a cada 12 sindicalizados podem eleger um delegado.

Servidor da UNB, se você está entre os que querem lutar para mudar a situação, queremos sua participação, sua opinião, críticas, sugestões e sua participação no Congresso junto com os companheiros de Servidores em Luta.

Para participar entre em contato conosco pelos telefones: 61 98299-6339.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.