Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Imperialismo

Twitter também trabalha para o Pentágono

“O governo pagou ao Twitter milhões de dólares para censurar informações do público."

O The Intercept forneceu esta terça-feira provas sobre a relação incestuosa e de longa data entre a rede social Twitter e o Pentágono. A plataforma não apenas ajudou a “ampliar certas mensagens” em países designados como inimigos pelo governo dos EUA, mas também que executivos da rede blue bird concederam ao Departamento de Defesa dos Estados Unidos privilégios especiais para campanhas secretas na Internet por pelo menos cinco anos.

Enquanto prometia fechar redes secretas de propaganda estatal e marcar meios de comunicação e jornalistas, nos bastidores o Twitter estava abrindo uma porta dos fundos para operações militares de guerra psicológica dos EUA, criando contas falsas com IA e se passando por atores estrangeiros para semear a discórdia entre os países.

Segundo o relatório, o Comando Central dos EUA (CENTCOM) em 2017 enviou um e-mail ao Twitter solicitando verificação e “lista branca” de várias dezenas de contas falsas em língua árabe. A plataforma aplicou imediatamente uma “etiqueta de isenção especial” que concedeu os privilégios que as contas verificadas possuem, distinguidas com uma marca azul visível.

Embora o Pentágono supostamente tenha prometido não esconder sua afiliação, contas administradas por militares se apresentaram como usuários comuns ou fontes “imparciais” de opinião e informação visando sistematicamente a Síria, Rússia, Irã e Iraque, enquanto ataques de drones no Iêmen foram apresentados como “precisos” e com uma habilidade quase racional de matar terroristas sem tocar em nenhum civil.

Essas revelações se somam às publicadas em agosto de 2022 pelo Observatório da Internet da Universidade de Stanford, que expôs uma rede secreta de propaganda militar do governo dos EUA no Facebook, Telegram, Twitter e outros aplicativos usando portais de notícias, imagens e memes falsos contra adversários estrangeiros dos EUA. Entre as mentiras amplificadas usando essa metodologia no Twitter está a alegação de que o Irã está “inundando o Iraque com metanfetamina” e “tráfico de órgãos de refugiados afegãos”.

As evidências são chocantes, mas a notícia de que o Twitter funciona para o Pentágono não é surpreendente, algo que não é a exceção, mas a regra das plataformas americanas. Também nesta terça-feira, o jornalista Michael Shellenberger revelou a trama pela qual o FBI havia dado quase 3,5 milhões de dólares ao Twitter do dinheiro dos contribuintes para pagar seus funcionários e atender aos pedidos do escritório que buscavam a censura de mensagens e o fechamento de contas.

O atual CEO do Twitter, Elon Musk, facilitou o acesso a toda essa imundície que confunde os antigos donos da plataforma e disse, em relação ao Pentágono e ao complô de e-mails entre o FBI e a rede social: “O governo pagou ao Twitter milhões de dólares para censurar informações do público.” Musk, que é o mega-rico favorito do anti-establishment que adora Donald Trump, não explicou por que decidiu tirar todos os esqueletos do armário agora, mas é de se supor que, fiel a si mesmo, entre a gasolina pode e o verdadeiro, ele brinca com fósforos.

Nada disso é surpreendente, repito, mas é assustador imaginar o quanto mais ainda é varrido para debaixo do tapete. Desde 1982, quando a CIA conseguiu inocular um cavalo de Tróia no gasoduto soviético que explodiu, as táticas de combate do Departamento de Defesa e das agências de inteligência no ciberespaço foram documentadas de forma fragmentária e dispersa, com bloqueios, infiltração de redes, coleta de dados, bloqueio de sinal sem fio, software falsificado e ataques por meio de vírus, worms e bombas lógicas.

A tudo isso deve-se acrescentar que os Estados Unidos são o país com maior capacidade de organização para campanhas de propaganda automatizada e trotes de informação na rede, segundo o Oxford Internet Institute. Como exemplo de botão, durante o golpe de estado na Bolívia, em novembro de 2019, o pesquisador espanhol Julián Macías Tovar revelou a participação de um robô coordenado por um programador com treinamento militar, vinculado ao Exército dos Estados Unidos e capaz de enviar mais de 200 tweets por minuto com conteúdo favorável aos golpistas.

Não pode haver radiografia mais lamentável do crepúsculo de um império do que este episódio vulgar que liga o Twitter ao Pentágono e ao FBI, enquanto a plataforma se mantém como uma virgem vestal da liberdade de expressão e dos bons costumes na comunidade. Ignorância, conspiração, violência, hipocrisia e ignomínia moral são algumas das notas dessa desastrosa sinfonia.

Nesta terça-feira de revelações, não há mais pólvora do que na partida de Musk, mas o panorama de irracionalidade destrutiva que vem de Washington segue o mesmo padrão de todas as guerras: quem paga, comanda.

Fonte: Cuba Debate

* As opiniões expressas nos artigos reproduzidos não representam necessariamente a posição deste diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.