Por quê estou vendo anúncios no DCO?

PCO e Bloco Vermelho convocam

Todos aos atos contra a ditadura no dia 1º de Abril

É preciso sair às ruas para barrar os golpistas, conquistar Lula presidente e um governo dos trabalhadores!


Setores da direita, como fazem há vários anos, desde que se intensificou a onda direitista no País, estão chamando a comemorar ainda que timidamente – o aniversário do golpe de Estado de 1964 (ocorrido, de fato, no dia 1º de abril) que levou o País a um dos períodos mais tenebrosos de sua história, a ditadura militar (1964-1985).

Os que comemoram o golpe de “31 de março”, além de celebrar as centenas de mortes e milhares de  torturados pelo regime militar e um dos períodos de maior devastação e entrega do País aos grandes monopólios internacionais, querem “comemorar” também o atual regime golpista, chefiados pelos militares que têm mais cargos, e de maior importância, no atual governo do que durante a ditadura militar.

Ao mesmo tempo, pretendem fazer campanha pelo aprofundamento da ditadura que vivemos que levou o País a um genocídio sem precedentes em nossa história na pandemia (mais de 660 mil em número oficiais), bem como a um recordes de mortes de fome, desemprego e miséria como nunca vistos, sob o governo do capitão fascista e de todo o alto comando das FFAA.

A esquerda contra a ditadura

Desde as lutas contra a ditadura, passando pelo gigantesco ascenso operário da década de 80, a 13. O legado da ditadura para a classe trabalhadora – Blog da Boitempoesquerda em geral e, em particular, as organizações da classe trabalhadora, fizeram dessa data um momento de protestos contra a ditadura e sua herança maldita que pesa sobre o povo brasileiro ainda hoje e que, atualmente, se vê reforçada e retomada com as ações ditatoriais do atual regime golpista, apoiado por Artigo | Ditadura Nunca Mais! | Opiniãotoda a direita. Foram dezenas de anos com atos bradando por “ditadura nunca mais” e
muitas vezes celebrando os mártires do povo brasileiro que tombaram na luta contra a ditadura e em defesa dos interesses dos trabalhadores e da maioria do povo brasileiro, tais como:

  • Alexandre Vannucchi Leme,  nascido em 5 de outubro de 1950, estudante, ALN;
  • Almir Custódio de Lima 24 de maio de 1950, operário, PCBR
  • Amaro Félix Pereira 10 de maio de 1929, camponês, PCR;
  • Ana Kucinski 12 de janeiro de 1942, professora universitária, ALN
  • André Grabois 3 de julho de 1946, estudante, PCdoB;
  • Antônio Raymundo Lucena 11 de setembro de 1921, operário, VPR;
  • Benedito Gonçalves 20 de agosto de 1931, operário metalúrgico;
  • Benedito Pereira Serra 8 de maio de 1913, agricultor sindicalista, União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Pará;
  • Carlos Lamarca 27 de outubro de 1937, militar, VPR e MR-8
  • Carlos Marighella 5 de dezembro de 1911, escritor, PCB, ALN
  • David Capistrano da Costa 16 de novembro de 1913, militar, PCB;
  • Devanir José de Carvalho 15 de julho de 1943, operário metalúrgico , PCB-Ala Vermelha
  • Edson Neves Quaresma 11 de dezembro de 1939, marinheiro, VPR;
  • Esmeraldina Carvalho Cunha 1 de abril de 1922, dona de casa;
  • Francisco Tenório Júnior 4 de julho de 1940, pianista;
  • Gerson Theodoro de Oliveira 31 de agosto de 1947, bancário, VPR;
  • Ieda Santos Delgado 9 de julho de 1945, jornalista e servidora pública, ALN;
  • Ishiro Nagami 1941, professor, ALN
  • Jane Vanini, 8 de setembro de 1945 6 de dezembro de 1974, estudante, PML/ALN
  • José Pinheiro Jobim 2 de agosto de 1909, economista/diplomata, PCB;
  • João Lucas Alves 3 de novembro de 1935, militar, CLN;
  • Lorenzo Ismael Viñas 20 de junho de 1955, estudante, Montoneros;
  • Luiz Eduardo Merlino 18 de outubro de 1948, jornalista, jornalista, POC
  • Luiz Hirata 23 de novembro de 1944, metalúrgico, AP
  • Manoel Aleixo da Silva 4 de junho de 1931, camponês, PCR/Ligas Camponesas;
  • Margarida Maria Alves 5 de agosto de 1933, camponesa, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande;
  • Míriam Lopes Verbena 11 de fevereiro de 1946, professora, PCBR;
  • Newton Eduardo de Oliveira 13 de outubro de 1921, sindicalista gráfico, PCB;
  • Osvaldão 27 de abril de 1938, engenheiro, PCdoB;
  • Pedro Inácio de Araújo 8 de junho de 1909, sapateiro/camponês, Ligas Camponesas;
  • Pedro Pomar 23 de setembro de 1913, PCdoB;
  • Raimundo Ferreira Lima 22 de junho de 1937, camponês, CPT;
  • Santo Dias 22 de fevereiro de 1942, operário, Pastoral Operária;
  • Tito de Alencar Lima 14 de setembro de 1945, frei dominicano, ALN – AC;

A esquerda que não quer lutar

Cada vez mais integrada ao regime político e dominada pela ilusão de que o regime ditatorial da burguesia que domina o País será derrotada em eleições controladas pela direita, as direções da esquerda burguesa e pequeno burguesa se recusam a convocar a mobilização necessária contra a ditadura, bem como a colocar nas ruas a campanha por Lula presidente, único caminho capaz de levar à sua vitória e à derrota de Bolsonaro e de toda a direita.

Em um momento em que se intensifica o caráter reacionário e golpista do atual regime e quando a burguesia articula uma terceira etapa do golpe de Estado e frente a ameaça de agravamento da situação de caos, com tarifaço e a disparada da inflação, que empurram em direção a uma quedasem precedentes nas condições de vida da maioria da população trabalhadora, as organizações de luta dos trabalhadores, da juventude, a esquerda, os que se reivindicam da defesa dos direitos democráticos do povo não podem ficar inertes.

Vamos às ruas

Por isso mesmo, mais do que nunca é preciso debater essa situação nos locais de trabalho e bairros e, mais importante ainda, sair às ruas no dia 1º de abril, na defesa de um programa com as reivindicações populares e de defesa dos direitos democráticos.

Dia 1º de Abril, vamos juntos às ruas, contra a ditadura de ontem e de hoje.Mobilizar para pôs abaixo o regime de entrega nacional. Em defesa das reivindicações dos explorados, por Fora Bolsonaro, com Lula presidente, por um governo dos trabalhadores.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.