Por quê estou vendo anúncios no DCO?

PCO e Bloco Vermelho convocam

Todos aos atos contra a ditadura no dia 1º de Abril

É preciso sair às ruas para barrar os golpistas, conquistar Lula presidente e um governo dos trabalhadores!


Setores da direita, como fazem há vários anos, desde que se intensificou a onda direitista no País, estão chamando a comemorar ainda que timidamente – o aniversário do golpe de Estado de 1964 (ocorrido, de fato, no dia 1º de abril) que levou o País a um dos períodos mais tenebrosos de sua história, a ditadura militar (1964-1985).

Os que comemoram o golpe de “31 de março”, além de celebrar as centenas de mortes e milhares de  torturados pelo regime militar e um dos períodos de maior devastação e entrega do País aos grandes monopólios internacionais, querem “comemorar” também o atual regime golpista, chefiados pelos militares que têm mais cargos, e de maior importância, no atual governo do que durante a ditadura militar.

Ao mesmo tempo, pretendem fazer campanha pelo aprofundamento da ditadura que vivemos que levou o País a um genocídio sem precedentes em nossa história na pandemia (mais de 660 mil em número oficiais), bem como a um recordes de mortes de fome, desemprego e miséria como nunca vistos, sob o governo do capitão fascista e de todo o alto comando das FFAA.

A esquerda contra a ditadura

Desde as lutas contra a ditadura, passando pelo gigantesco ascenso operário da década de 80, a 13. O legado da ditadura para a classe trabalhadora – Blog da Boitempoesquerda em geral e, em particular, as organizações da classe trabalhadora, fizeram dessa data um momento de protestos contra a ditadura e sua herança maldita que pesa sobre o povo brasileiro ainda hoje e que, atualmente, se vê reforçada e retomada com as ações ditatoriais do atual regime golpista, apoiado por Artigo | Ditadura Nunca Mais! | Opiniãotoda a direita. Foram dezenas de anos com atos bradando por “ditadura nunca mais” e
muitas vezes celebrando os mártires do povo brasileiro que tombaram na luta contra a ditadura e em defesa dos interesses dos trabalhadores e da maioria do povo brasileiro, tais como:

  • Alexandre Vannucchi Leme,  nascido em 5 de outubro de 1950, estudante, ALN;
  • Almir Custódio de Lima 24 de maio de 1950, operário, PCBR
  • Amaro Félix Pereira 10 de maio de 1929, camponês, PCR;
  • Ana Kucinski 12 de janeiro de 1942, professora universitária, ALN
  • André Grabois 3 de julho de 1946, estudante, PCdoB;
  • Antônio Raymundo Lucena 11 de setembro de 1921, operário, VPR;
  • Benedito Gonçalves 20 de agosto de 1931, operário metalúrgico;
  • Benedito Pereira Serra 8 de maio de 1913, agricultor sindicalista, União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Pará;
  • Carlos Lamarca 27 de outubro de 1937, militar, VPR e MR-8
  • Carlos Marighella 5 de dezembro de 1911, escritor, PCB, ALN
  • David Capistrano da Costa 16 de novembro de 1913, militar, PCB;
  • Devanir José de Carvalho 15 de julho de 1943, operário metalúrgico , PCB-Ala Vermelha
  • Edson Neves Quaresma 11 de dezembro de 1939, marinheiro, VPR;
  • Esmeraldina Carvalho Cunha 1 de abril de 1922, dona de casa;
  • Francisco Tenório Júnior 4 de julho de 1940, pianista;
  • Gerson Theodoro de Oliveira 31 de agosto de 1947, bancário, VPR;
  • Ieda Santos Delgado 9 de julho de 1945, jornalista e servidora pública, ALN;
  • Ishiro Nagami 1941, professor, ALN
  • Jane Vanini, 8 de setembro de 1945 6 de dezembro de 1974, estudante, PML/ALN
  • José Pinheiro Jobim 2 de agosto de 1909, economista/diplomata, PCB;
  • João Lucas Alves 3 de novembro de 1935, militar, CLN;
  • Lorenzo Ismael Viñas 20 de junho de 1955, estudante, Montoneros;
  • Luiz Eduardo Merlino 18 de outubro de 1948, jornalista, jornalista, POC
  • Luiz Hirata 23 de novembro de 1944, metalúrgico, AP
  • Manoel Aleixo da Silva 4 de junho de 1931, camponês, PCR/Ligas Camponesas;
  • Margarida Maria Alves 5 de agosto de 1933, camponesa, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande;
  • Míriam Lopes Verbena 11 de fevereiro de 1946, professora, PCBR;
  • Newton Eduardo de Oliveira 13 de outubro de 1921, sindicalista gráfico, PCB;
  • Osvaldão 27 de abril de 1938, engenheiro, PCdoB;
  • Pedro Inácio de Araújo 8 de junho de 1909, sapateiro/camponês, Ligas Camponesas;
  • Pedro Pomar 23 de setembro de 1913, PCdoB;
  • Raimundo Ferreira Lima 22 de junho de 1937, camponês, CPT;
  • Santo Dias 22 de fevereiro de 1942, operário, Pastoral Operária;
  • Tito de Alencar Lima 14 de setembro de 1945, frei dominicano, ALN – AC;

A esquerda que não quer lutar

Cada vez mais integrada ao regime político e dominada pela ilusão de que o regime ditatorial da burguesia que domina o País será derrotada em eleições controladas pela direita, as direções da esquerda burguesa e pequeno burguesa se recusam a convocar a mobilização necessária contra a ditadura, bem como a colocar nas ruas a campanha por Lula presidente, único caminho capaz de levar à sua vitória e à derrota de Bolsonaro e de toda a direita.

Em um momento em que se intensifica o caráter reacionário e golpista do atual regime e quando a burguesia articula uma terceira etapa do golpe de Estado e frente a ameaça de agravamento da situação de caos, com tarifaço e a disparada da inflação, que empurram em direção a uma quedasem precedentes nas condições de vida da maioria da população trabalhadora, as organizações de luta dos trabalhadores, da juventude, a esquerda, os que se reivindicam da defesa dos direitos democráticos do povo não podem ficar inertes.

Vamos às ruas

Por isso mesmo, mais do que nunca é preciso debater essa situação nos locais de trabalho e bairros e, mais importante ainda, sair às ruas no dia 1º de abril, na defesa de um programa com as reivindicações populares e de defesa dos direitos democráticos.

Dia 1º de Abril, vamos juntos às ruas, contra a ditadura de ontem e de hoje.Mobilizar para pôs abaixo o regime de entrega nacional. Em defesa das reivindicações dos explorados, por Fora Bolsonaro, com Lula presidente, por um governo dos trabalhadores.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.