Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Vinícius Rodrigues

Militante do Partido da Causa Operária no Rio de Janeiro e membro da Direção Nacional da Aliança da Juventude Revolucionária (AJR).

Abaixo o Estado de Israel!

Sionismo é racismo

Em 1975 uma votação na Assembleia Geral da ONU escancarou a opinião dos povos oprimidos, o sionismo é mais uma forma de racismo


No ano de 1975 a Assembleia Geral da ONU determinou por uma votação de 72 a 35 que o “sionismo é uma forma de racismo e descriminação racial”. A ocupação genocida da Palestina pelos israelenses naquele momento não tinha nem 30 anos, a terceira guerra árabe-israelense, que levou a ocupação militar do que ainda restava da Palestina, a faixa de Gaza e a Cisjordânia, havia completado 8 anos. Mas já estava claro para qualquer um que não fosse um reptil pró-imperialista que o regime criado pelos Israelenses era uma brutal ditadura fascista que oprimia principalmente os palestinos e também outros povos árabes. Passados quase 50 anos, é difícil encontrar palavras para descrever a baixeza dos que ainda batem no peito e se afirmam sionistas.

O sionismo surgiu no final do século XIX na Europa como um tipo de movimento nacionalista, seu objetivo era encontrar uma terra para os judeus. A ideologia inicial já era estranha por si só, a política marxista é de defender todas as minorias oprimidas, lutar para que todos os seus direitos sejam garantidos. Sendo assim os marxistas sempre se colocaram em defesa das minorias judaicas nos países europeus, onde a perseguição era muito forte. Basta parar para pensar, se você viveu toda a sua vida na Polônia, na Alemanha, Na Rússia, na Áustria, etc. você prefere que seu povo deixe de ser oprimido em seu país para que você possa viver em paz, ou prefere se tornar um imigrante há mais de 3mil quilômetros de distância em uma terra desértica?

Essa ideia fez com que muitos antissemitas se colocassem ao lado dos sionistas visto que do ponto de vista deles o problema seria resolvido, os judeus todos sairiam de seu país. E após a criação do Estado de Israel o inverso também aconteceu, do ponto de vista de Israel a existência do antissemitismo em diversos países, principalmente árabes, foi até estimulada pois assim os judeus imigrariam para a Israel assim aumentado sua população. Fica claro que a política dos sionistas, sejam em sua nascença, seja da forma brutal que ela assumiu depois da criação de Israel, em nenhum momento combateu o racismo, ela na realidade defende uma forma de segregação, um racismo.

Passando para 1948 quando aconteceu a Naqba, como chamam os palestinos, a catástrofe da ocupação de seu território por um povo europeu apoiada pelo imperialismo. Foi criado o Estado de Israel que tem como base tanto a questão racial quanto a questão religiosa, algo completamente reacionário por si só. Já em 1967 a Palestina foi ocupada militarmente por completo, e assim se formou o apartheid que existe até os dias de hoje. A analogia com a África do Sul, possivelmente o país mais racista do planeta durante esse periodo, não para por ai, Israel se tornou uma de suas grandes aliadas durante o Apartheid, apoiando até militarmente.

Por isso em 1975 os países árabes pressionaram para a votação na ONU. Em defesa de Israel votaram quase que só os países imperialistas, Inglaterra, França, Itália, EUA, Alemanha Ocidental etc. Em defesa dos palestinos votaram a URSS e os países socialistas, os países árabes, Índia, China e o próprio Brasil. Só por ver a configuração, mesmo para os que nunca ouviram falar de sionismo, já é fácil saber qual é a posição correta. Isso porque grande parte dos países oprimidos não teve a coragem de se colocar abertamente contra o imperialismo, sendo o Brasil um dos poucos países, que possuía um governo subordinado aos EUA, que teve a capacidade de se posicionar.

Votação inicial em 1975. Apenas o imperialismo defende Israel.

A votação incomodou tanto o imperialismo que 16 anos depois, em 1991, foi realizada uma manobra para reverter o quadro. Com a queda da URSS e a vitória do neoliberalismo internacionalmente foi aproveitado o clima ultrarreacionário para revogar a votação. Israel impôs que a decisão fosse revertida para participar Conferência de Paz de Madri, o resultado? O sionismo não é mais considerado racismo pela assembleia da ONU, já a opressão dos palestinos piorou exponencialmente nos últimos 30 anos. O apartheid chegou a tal ponto que muros gigantesco se espalharam por todo o país e mais de meio milhão de israelenses foram tomar as terras oficialmente dos palestinos, mas sob o controle militar de Israel.

Manobra para revogar o votação em 1991. Neste periodo ultra reacionária de vitória do neoliberalismo apenas o árabes se posicionam.

O caráter ideológico do sionismo é importante mas é o mais relevante é denunciar a questão material, a brutal opressão de milhões de palestinos em um dos regimes mais violentos de toda a história da humanidade. Mais importante que definir se o sionismo é racista ou não é apoiar a luta do povo palestino por sua libertação, defender o fim imediato do Estado de Israel e a criação de um Estado da Palestina em que a maioria árabe tenha todos os seus direitos, e também a minoria judaica que lá quiser continuar.

Viva a luta do povo palestino! Viva o Hamas!

Mas há ainda um último aspecto que vale ser comentado, como o sinonismo nos dias de hoje é principal baluarte do antissemitismo internacionalmente. Mas esse ponto ficará para a coluna da próxima semana.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.