Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Entrevista

“O FMI é um braço político dos militares dos EUA”

Respeitado economista internacional denuncia a que fim serve o Fundo Monetário Internacional


Entrevista de Michael Hudson ─ analista financeiro e presidente do Institute for the Study of LongTerm Economic Trends. Ele é Distinguished Research Professor of Economics na University of Missouri-Kansas City e Professor na School of Marxist Studies da Peking University, China ─ a Mohsen Abdelmoumen, traduzida pelo Resistir.Info.

O professor Hudson trabalha como consultor econômico para governos de todo o mundo, incluindo China, Islândia e Letônia, e é consultor do UNITAR, do Instituto de Pesquisa em Políticas Públicas e do Conselho Canadense de Ciência, entre outras organizações. Enquanto estava no Hudson Institute publicou estudos sobre reforma monetária global, implicações do balanço de pagamentos da crise de energia, transferência de tecnologia e outros tópicos relacionados para a Energy Research Development Agency, o National Endowment for the Humanities e outras agências dos EUA. 

Atuou como diretor de pesquisa económica na Riga Law School e no corpo docente de pós-graduação da New School for Social Research, foi professor visitante na Berlin School of Economics e professor visitante na New York University. Em colaboração com o Museu Peabody da Universidade de Harvard, liderou uma equipe de pesquisa arqueológica sobre as origens da propriedade privada, dívida e imóveis. Este grupo publicou cinco colóquios sobre as origens da civilização económica no antigo Oriente Próximo.  

As suas obras tratam de política financeira internacional, história econômica e história do pensamento econômico, incluindo:  Super-Imperialism: The Economic Strategy of American Empire  (Edições 1968, 2003, 2021), ‘And forgive them their debts (2018),  J is for Junk Economics  (2017),  Killing the Host   (2015),  Energy Research Development Agency, o National Endowment for the Humanities (2012), Trade, Development and Foreign Debt (1992 e 2009),e The Myth of Aid (1971), e muitos outros. Suas obras foram traduzidos para japonês, chinês, alemão, castelhano e russo. Faz parte do conselho editorial do Lapham’s Quarterly e escreveu para o Journal of International Affairs, Commonweal, International Economy, Financial Times e Harper’s. Contribui regularmente para CounterPunch.

Mohsen Abdelmoumen:   Sua análise da era mesopotâmica e do sábio reinado dos imperadores encarnado pela prática do Jubileu (em comparação com a predação das oligarquias) ressoa com a teoria económica islâmica que proíbe a riba (usura) e exige que bancos e credores compartilhem o risco do investimento ou da dívida. Também parece ser algo profundamente enraizado em nossas tradições árabes e norte-africanas de igualdade e justiça, onde é socialmente inaceitável deixar parte da comunidade em extrema pobreza. Como antropólogo, você vinculou o êxito ou fracasso das finanças modernas a fatores antropológicos como as estruturas familiares rurais ou as teorias desenvolvidas por pessoas como Emmanuel Todd?

Professor Michael Hudson:  Escrevi um longo artigo sobre Ibn Khaldoun, creio que será publicado no periódico francês MAUSS, focando sua ideia de ajuda mútua e sobre o desenvolvimento dessa visão pelo Iluminismo escocês do século XVIII, tal como ela passou para a Europa Ocidental.

Ecoando o conceito de Aristóteles de que o homem é um “animal político” (zoon politikon), a Prefatory Discussion de Ibn Khaldoun afirma que “o homem precisa de alimento para subsistir”, mas que o poder do ser humano individual não é suficiente para capacitá-lo a obter o alimento de que precisa… Assim, ele não pode prescindir da combinação de muitas forças entre seus companheiros, se quiser conseguir alimento para si e para eles. Através da cooperação, as necessidades de um certo número de pessoas, muitas vezes maior que o seu próprio (número), podem ser satisfeitas. [1]

Construir comunidades requer um senso de identidade comum – uma polis, um povo que se reconhece. Na mesma linha, Adam Ferguson endossou a afirmação de Montesquieu em L’esprit des lois (1748): “O homem nasce na sociedade e é aí que ele permanece”. Para sobreviver, as pessoas devem cooperar dentro de um sistema de ajuda mútua. “O homem é, por natureza, membro de uma comunidade; e considerado como tal, o individual não parece mais ser feito apenas para si. Ele deve abrir mão de sua felicidade e liberdade, quando estas interferem com o bem da sociedade.[2]  ”Lord Kames refere-se à “união íntima entre uma multidão de indivíduos, engendrada pela agricultura”[3], em seguida, passou a falar sobre a pecuária, agricultura, urbanização e comércio.

Depois de inicialmente se unir com um espírito de grupo, o desafio era preservar esse ethos diante da crescente prosperidade. “A subsequente melhoria de suas condições e a aquisição de mais riqueza e conforto do que precisam os levam a descansar e relaxar”[4],  escreve Ibn Khaldoun. Segue-se o luxo e “as pessoas sedentárias ocupam-se muito com toda sorte de prazeres… Quanto mais possuem, mais os modos e meios de produção dessas riquezas lhes são retirados. Os moradores da cidade estão “preocupados apenas com seu próprio prazer e lucro, não percebendo a necessidade de apoio mútuo”.[5] Ferguson também descreveu como a prosperidade prepara o cenário para minar as sociedades. Ao entrar na fase comercial, o homem próspero típico voltou ao comportamento egoísta, um indivíduo “isolado e solitário” “competindo com seus semelhantes, e os trata como trata seu gado e sua terra, pelos lucros que eles trazem. O poderoso motor que supomos estar na origem da sociedade tende apenas a colocar seus membros em competição ou a continuar suas relações após a ruptura dos laços afetivos”.[6]

Não deveria ser surpresa que as elites financeiras modernas se comportem da maneira que Ibn Khaldun descreveu dinastias decadentes:   com egoísmo anti-social. A ganância por dinheiro transforma os homens em homo economicus, os indivíduos egoístas “libertários” idealizados pelas escolas austríaca e de Chicago, desprovidos dos sentimentos de “identidade de grupo” que Ibn Khaldun chamou de asabiyah, que Ferguson chamou de “sentimento de camaradagem” e o que o anarquista russo Peter Kropotkin chamou de ajuda mútua.

A maioria dos filósofos previu que a riqueza geraria egoísmo e orgulho, mas nenhum foi cínico o suficiente para prever que as elites reescreveriam a história para retratar sua busca por lucro e luxo não como um declínio na civilização que mergulha de volta à selvajaria, mas como uma ascensão, mesmo como o estado eterno da sociedade, uma natureza humana atemporal e constante. Os controles morais comunitários, que antes eram vistos como um meio de consolidar a solidariedade social, agora são denegridos como um desvio do espírito “natural” de egoísmo.

O exército de defensores académicos do sector financeiro nega que tenha havido algum benefício social em anular dívidas em toda a economia. Isso explica em parte por que a Assiriologia e a história da Mesopotâmia da Idade do Bronze permanecem fora do currículo académico normal:   suas descobertas contrariam a ideologia financeira de nosso tempo e mostram que a dívida e os mercados não devem operar de forma a empobrecer a sociedade. Voltamos assim à questão central que os filósofos debatem há milhares de anos:   a necessidade de uma autoridade pública sábia para suplantar os mecanismos do “livre mercado”.

P. Como sua análise excepcional de Roma como hegemon governada por uma oligarquia que usa a guerra e a dívida para dominar o Mediterrâneo nos ajuda a entender o tipo de dominação dos países ocidentais sobre o mundo nos últimos séculos, seja por meio de impérios coloniais ou o excepcionalismo americano?

A Grécia e a Roma clássicas romperam radicalmente com a tradição do Oriente Próximo de tábulas rasas (Clean Slates) periódicas que cancelavam dívidas agrárias e pessoais, libertavam escravos e tornavam autónomas as terras confiscadas ou vendidas sob pressão económica. Não havia tradição de tábulas rasas. A acumulação de dívidas, a perda de terras e de liberdade tornaram-se irreversíveis. Como resultado, as economias polarizaram-se entre credores e devedores.

A Grécia e Roma experimentaram séculos de revolução social exigindo o cancelamento da dívida e a redistribuição de terras. Líderes que sustentavam essas ideias foram assassinados em toda a República Romana.

A antiguidade clássica legou à civilização ocidental posterior a estrutura legal e política das oligarquias credoras que polarizam a economia, não a democracia no sentido de estruturas sociais e políticas que promovem a prosperidade geral generalizada. A grande transição da antiguidade para o mundo moderno foi substituir a realeza não por democracias, mas por oligarquias tendo uma filosofia legal favorável ao credor. É esta filosofia que tem permitido aos credores apropriarem-se da riqueza, sem se preocuparem em restabelecer o equilíbrio económico e a viabilidade económica a longo prazo, como aconteceu no Médio Oriente graças ao  Clean Slate. Na medida em que as “democracias de livre mercado” de hoje têm planeamento económico, é cada vez mais trabalho do setor financeiro, que busca concentrar em suas mãos o máximo de rendimento, terra e dinheiro possível, em detrimento de toda a população endividada.

Como resumi no meu livro a ser publicado em janeiro,  The Collapse of Antiquity, foi a dinâmica oligárquica que os próprios historiadores de Roma culparam pelo declínio e queda da República. O colapso final de Roma foi o precursor de muitas crises de dívida e consequente austeridade provocada por sucessivas oligarquias ocidentais. As leis e a ideologia pró-credor do Ocidente tornam inevitáveis ​​as repetidas crises de dívida que transferem a propriedade e o controle do governo para as oligarquias financeiras. É por isso que o conhecimento da história económica do Oriente Próximo desde a Idade do Bronze e a Antiguidade Clássica é tão importante – para demonstrar que há de facto uma alternativa às oligarquias rentistas e que ela teve êxito por períodos bastante longos.

Dos governantes sumérios e babilônicos a Ibn Khaldun e Vico, o conceito de tempo da sociedade era circular. A acumulação de dívidas era reversível. As proclamações reais restauraram o status quo ante, idealizado como um estado de coisas “original” no qual os cidadãos se sustentavam e compartilhavam acesso igual aos seus meios de subsistência.

O conceito de progresso na civilização ocidental é sinónimo de irreversibilidade. Os meios de subsistência ou o bem comum não podem ser recuperados uma vez vendidos ou confiscados por dívida. Essa irreversibilidade das reivindicações dos credores polariza as economias de hoje. Nossa sociedade está pronta para permitir o que as sociedades anteriores não podiam permitir:   o empobrecimento, a dependência e a emigração de grandes parcelas da população. Nem os modelos económicos dominantes nem a ideologia política consideram o “progresso” da dívida, a polarização económica, a instabilidade ou a poluição ambiental como dimensões significativas da política pública.

A maioria dos povos antigos tinha um senso de justiça baseado na ajuda mútua e na autonomia popular para consolidar os laços sociais. Para substituir essa ética por leis orientadas para o credor, era necessário retratá-las como sendo de interesse público, independentemente da pobreza que isso gerava. Em última análise, isso significava elogiar a busca de riqueza e a santidade da dívida, enquanto se opunha a governos poderosos o suficiente para promulgar leis anti-usura e anular dívidas.

P. Quais são suas principais recomendações a Sergey Glazyev e aos envolvidos na criação de uma nova ordem financeira e monetária para criar um sistema cada vez mais justo? Não estamos totalmente seguros de que este trabalho esteja indo na direção certa, pois comparou sua estrutura com as recomendações de Keynes em Bretton Woods e sabemos ao mesmo tempo que Keynes era um membro da oligarquia britânica e da sociedade malthusiana fabiana e o arquiteto financeiro do desastroso Tratado de Versalhes.

Keynes viu o problema dos pagamentos de dívidas internacionais que provocaram a queda das taxas de câmbio, sufocando as economias dos países devedores. Falei disso em Trade, Development and Foreign Debt  e também no meu  Super Imperialism.  A Grã-Bretanha enfrentou esse problema e foi devidamente esmagada pela política americana durante a década de 1950.

A ideia básica da MMT – (Modern Monetary Theory) uma escola pós-keynesiana – é que os governos não precisam tomar empréstimos para gastar dinheiro. Eles podem criar dinheiro assim como os bancos criam crédito. Os governos não precisam permitir que os bancos criem crédito para emprestar a eles com juros. Essa visão de “hard money” é não científica e ahistórica.

A chave para criar qualquer tipo de moeda, incluindo uma alternativa negociada ao dólar americano, é fazer com que seja aceite como pagamento pelos governos que aderirem à aliança monetária. Isso exige a criação de uma instituição monetária internacional alternativa ao FMI, que se tornou um braço político das forças armadas dos EUA.

P. Pode compartilhar sua análise sobre a ironia do último Prémio Nobel concedido a Bernanke pelo seu trabalho sobre flexibilização quantitativa e resgate de bancos demasiado grandes para falir (e indiretamente por implementar essa teoria para salvar o sistema em 2008) em um período de revolta global contra os 0,01% que governam o mundo ocidental, seja fora do Ocidente ou dentro das sociedades ocidentais?

O Prémio Nobel de “Ciência” Económica é na verdade um prémio ideológico para a economia de “livre mercado” de direita do neoliberalismo na Universidade de Chicago. Sua premissa é que as economias se estabilizam por conta própria, sem qualquer regulamentação governamental, conhecida como “interferência”. Este é um argumento para a privatização e a financeirização.

O prémio de Bernanke reflete o princípio da teoria económica lixo (junk economics) de que a inflação é causada por assalariados que ganham demasiado dinheiro. Não há reconhecimento de renda de monopólio ou outras formas de renda económica como “rendimento não merecido”, ou seja, um preço sem valor de custo inerente. O princípio de Bernanke é o dos bancos centrais serem controlados pelo centro bancário comercial: a solução para qualquer problema é baixar os salários e o padrão de vida da força de trabalho. Não existe um conceito de correlação entre o aumento dos salários e o aumento da produtividade do trabalho.

Isso não é economia científica. É uma guerra de classe política.

P. O meu país, a Argélia, foi um dos líderes do Movimento dos Não-Alinhados durante os seus primeiros 20 anos de independência ao implementar um sistema socialista com finanças estatais, comércio internacional e indústria que levou a um forte crescimento social e económico. Nos últimos 40 anos, vivemos 20 anos de liberalização, fortemente influenciados pelo Consenso de Washington, depois 20 anos de predação com o comércio internacional e os mercados públicos monopolizados por oligarcas. Felizmente, ainda temos alguns elementos de soberania económica, como bancos públicos e indústrias, a não conversibilidade de nossa moeda, a ausência de mercados financeiros, terras estatais e um banco central controlado pelo governo. Os argelinos também são extremamente avessos ao risco quando se trata de crédito e dívida. Que tipo de sistema económico recomendaria a um governo patriótico para um país de tamanho médio como a Argélia?

Todas as economias bem-sucedidas na história foram economias públicas/privadas mistas. A infraestrutura deve ser pública. Seu objetivo não deve ser o lucro (ou renda económica), mas o fornecimento gratuito de necessidades básicas como direitos fundamentais, ou pelo menos de forma subsidiada, a fim de reduzir o custo de vida e de fazer negócios na economia.

A infraestrutura mais importante que deve ser deixada nas mãos do governo é o sistema monetário e de crédito. O objetivo é criar crédito para financiar a economia “real” de produção e consumo. Os bancos comerciais criam crédito para comprar ativos já existentes – principalmente habitações já construídas e ações e títulos já emitidos. O efeito é inflacionar os preços dos ativos. Isso aumenta o custo da habitação e também o acesso à propriedade das empresas – especialmente os privilégios de propriedade dos monopólios que extorquem rendas.

Meu livro recente,  The Destiny of Civilization, expõe minhas ideias nesse sentido. Acompanhar o progresso da economia requer uma alternativa à contabilidade do PIB e do rendimento nacional, de modo a isolar as atividades de busca de renda – renda da terra, renda de recursos naturais e renda de monopólio (incluindo juros e encargos financeiros) – como pagamentos de transferência, não como um “produto”.

Além disso, uma série de medidas de preços deve ser introduzida para distinguir a inflação dos preços dos ativos da inflação dos preços das commodities. Isso deve orientar a política tributária para tributar a renda económica como rendimento não merecido.

[1] Ibn Khaldun, Muqaddimah, p. 89 (em árabe ms. I, 68-69).
[2]  Adam Ferguson,  Essay on the History of Civil Society  [1767], 8ª ed. (1819), Seção IX: Da Felicidade Nacional, p. 105. Ele acrescenta (pp. 4-5): “tanto os relatos mais antigos quanto os mais recentes coletados de cada canto da terra representam a humanidade reunida em tropas e companhias”. (Os relatos mais antigos e mais recentes, coletados nos quatro cantos do mundo, representam a humanidade reunida em bandos e companhias).
[3] Lord Kames, Sketches on the History of Man (1774). Seu esquema dividiu a história humana em quatro estágios: caçadores-coletores, pastoreio, agricultura e comércio.
[4]  Ibn Khaldun, Muqaddimah, p. 249.
[5]  Ibid., pág. 254f, 258f.
[6]  Ferguson, History of Civil Society, p. 34.

Gostou do artigo? Faça uma doação!


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.