Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Serguéi Lavrov

Lavrov: “Encenações como método da política ocidental”

Uma análise de Lavrov que desmascara como a política do imperialismo é uma encenação da pior qualidade que fere todos os princípios democráticos. Um jogo de vale-tudo.

Lavrov

Ministério das Relações Exteriores da Rússia – 18 de julho, 2022

(Publicado no jornal Izvestia)

Hoje, as Forças Armadas Russas e as milícias das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk estão cumprindo com firmeza as tarefas no âmbito da operação militar especial (SMO) para pôr fim à discriminação flagrante e genocídio dos russos e para eliminar a ameaças diretas à segurança da Federação Russa que os EUA e seus satélites criaram na Ucrânia por muitos anos. Perdendo no campo de batalha, o regime ucraniano e seus patronos ocidentais não se esquivam de encenar dramas sangrentos para demonizar nosso país na opinião pública internacional. Já havia encenações em Bucha, Mariupol, Kramatorsk, Kremenchug. O Ministério da Defesa da Rússia alerta regularmente sobre a preparação de novas encenações com as respectivas informações.

As encenações provocativas realizadas pelo Ocidente e seus cúmplices têm um estilo reconhecível. Eles não começaram na Ucrânia, mas muito antes.

1999, província sérvia de Kosovo e Metojia, cidade de Racak. Um grupo de inspetores da OSCE chega ao local onde várias dezenas de corpos vestidos com roupas civis foram encontrados. O chefe da missão declara imediatamente, sem conduzir uma investigação, que ocorreu um ato de genocídio, embora tirar tais conclusões não seja da competência de um funcionário internacional. A OTAN lança imediatamente uma ofensiva contra a Iugoslávia, destruindo deliberadamente a estação central de televisão, pontes, trens de passageiros e outras infraestruturas civis. Posteriormente, ficou claro que os mortos não eram civis, mas militantes das unidades armadas do Exército de Libertação do Kosovo vestidos como civis. No entanto, a encenação já serviu de pretexto para o primeiro uso arbitrário da força contra um Estado Membro da OSCE desde a assinatura do Ato Final de Helsinque em 1975. Chama a atenção que o chefe da missão da OSCE, cuja declaração serviu de “gatilho” para o início do bombardeio, fosse William Walker, cidadão americano. O principal resultado da agressão foi a separação violenta do Kosovo da Sérvia e a criação da maior base militar dos EUA nos Balcãs – Camp Bondsteel.

2003, a infame ‘performance’ do secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, no Conselho de Segurança da ONU com um tubo contendo um pó branco que ele apresentou ao mundo como esporos de antraz, supostamente produzidos no Iraque. Esta encenação teve sucesso novamente: os anglo-saxões e seus cúmplices bombardearam o Iraque, que não pôde restaurar completamente suas instituições estatais até hoje. A falsificação logo foi revelada: todos reconheceram que não havia armas biológicas ou outras armas de destruição em massa no Iraque. Mais tarde, um dos autores intelectuais da agressão, o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, reconheceu a falsificação, afirmando algo como: bem, estávamos errados, com quem isso não acontece? O próprio Colin Powell mais tarde se justificou dizendo que “os serviços secretos prepararam uma armadilha para ele”. No entanto, foi outra provocação encenada serviu de motivo para implementar os planos de destruição de um país soberano.

2011, Líbia. Aqui havia uma dramaturgia específica. Não houve mentiras descaradas, como no Kosovo e no Iraque, mas a OTAN deturpou grosseiramente a resolução do Conselho de Segurança da ONU. Esta resolução estabeleceu uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia para “pousar” os aviões de combate de Muammar Gaddafi. Esses aviões não voaram. No entanto, os membros da OTAN simplesmente começaram a bombardear unidades do Exército líbio que lutavam contra os terroristas. Muammar Gaddafi foi brutalmente assassinado, não sobrou nada da Líbia, eles ainda estão tentando restaurá-la dos escombros, e novamente esse processo está sob o controle do representante dos EUA nomeado por decisão pessoal do Secretário-Geral da ONU sem consultar o Conselho de Segurança. No âmbito deste processo, colegas ocidentais encenaram repetidamente os acordos entre os representantes da Líbia sobre as eleições, que terminaram em nada. A Líbia continua a ser um território dominado por grupos armados ilegais. A maioria deles coopera estreitamente com o Ocidente.

2014, fevereiro, Ucrânia. O Ocidente, representado pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, França e Polônia, obrigou de fato o Presidente Viktor Yanukovych a assinar um acordo com a oposição para pôr fim ao confronto e resolver pacificamente a crise interna ucraniana criando um Governo provisório de Unidade Nacional e eleições antecipadas dentro de vários meses. No entanto, isso também acabou sendo encenado: na manhã seguinte, a oposição encenou um golpe sob slogans russófobos e racistas, e os responsáveis ocidentais dos acordos nem tentaram dar algum sentido a isso. Além disso, eles imediatamente começaram a encorajar os golpistas com sua política anti-russa para lançar uma guerra contra sua própria população, para bombardear as cidades de Donbass apenas porque seus habitantes se recusaram a reconhecer o golpe inconstitucional. Portanto, os habitantes de Donbass foram declarados “terroristas”, o que o Ocidente voltou a encorajar.

Deve-se notar aqui que o massacre de manifestantes em Maidan também foi uma farsa, como logo ficou conhecido, e o Ocidente culpou as forças de segurança leais a Victor Yanukovych e os serviços especiais russos. Na verdade, a provocação foi preparada por radicais nas fileiras da oposição que cooperavam estreitamente com os serviços de segurança ocidentais. Logo os fatos vieram à tona, mas logo acobertados.

Quando a guerra em Donbasss terminou, como resultado dos esforços da Rússia, da República Federal da Alemanha e da França, em fevereiro de 2015, os Acordos de Minsk foram concluídos entre Kiev, Donetsk e Lugansk, e mesmo neste caso Berlim e Paris foram muito ativos, proclamando-se orgulhosamente seus fiadores. No entanto, nos sete longos anos seguintes, não moveram um dedo para que Kiev entrasse em um diálogo direto com os representantes do Donbass para concordar com seu status especial, anistia, restabelecimento de laços econômicos e realização de eleições, pois eles são explicitamente exigidos pelos Acordos de Minsk, aprovados por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU. Os líderes ocidentais permaneceram em silêncio mesmo quando Kiev, sob Pyotr Poroshenko e Vladimir Zelensky, tomou medidas que contradiziam diretamente os Acordos de Minsk. Além disso, os alemães e os franceses declararam que o diálogo direto entre Kiev e a República Popular de Donetsk e a República Popular de Lugansk era impossível, culpando a Rússia, apesar de nunca ter sido mencionada nos Acordos de Minsk e de ter sido durante todos estes anos o único país a insistir na sua implementação.

Se alguém tinha dúvidas de que os Acordos de Minsk também eram falsos, elas foram dissipadas por Piotr Poroshenko, que disse em 17 de junho de 2022: “Os Acordos de Minsk não significavam nada para nós, não iríamos cumpri-los … nossa tarefa era evitar o perigo… ganhar algum tempo para restaurar o crescimento econômico e aumentar o poder das Forças Armadas da Ucrânia. O objetivo foi alcançado. Os Acordos de Minsk cumpriram sua tarefa.” O preço por esta pretensão continua a ser pago pelo povo ucraniano, que durante anos foi forçado pelo Ocidente a aceitar a vida sob a opressão de um regime neonazista russofóbico. Agora, quando Olaf Scholz exige forçar a Rússia a aceitar um acordo sobre as garantias da integridade territorial e soberania da Ucrânia, ele tenta em vão. Tal acordo já existia, são os Acordos de Minsk, com os quais Berlim e Paris terminaram, abrangendo Kiev, que se recusou abertamente a cumpri-los. Então, a pretensão acabou, a comédia acabou.

A propósito, Vladimir Zelensky é um digno sucessor de Pyotr Poroshenko, a quem, em um comício eleitoral no início de 2019, ele estava pronto para se ajoelhar teatralmente para acabar com a guerra.

Em dezembro do mesmo ano, ele mesmo teve a oportunidade de cumprir os Acordos de Minsk: a cúpula do Quarteto da Normandia foi realizada em Paris, onde em uma declaração aprovada ao mais alto nível prometeu resolver as questões do status especial de Donbasss . Claro, ele não fez nada, enquanto Berlim e Paris voltaram para protegê-lo. Outro documento muito divulgado não passou de uma pretensão organizada pela Ucrânia e pelo Ocidente, apenas de acordo com a lógica de Piotr Poroshenko, para ganhar tempo e fornecer armas ao regime de Kiev.

Havia também a Síria. Após a implementação do acordo de 2013 sobre a destruição de armas químicas sírias, confirmado pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), pelo qual recebeu o Prêmio Nobel da Paz, em 2017 e 2018, provocações flagrantes por meio do uso simulado de armas químicas em Khan Sheikhun e no subúrbio de Damasco de Douma. Vídeos foram divulgados mostrando pessoas chamadas de Capacetes Brancos (que se declaram uma organização humanitária, mas nunca aparecem em território controlado pelo governo sírio) ajudando moradores supostamente envenenados, sem ninguém usando roupas especiais ou acessórios. para a proteção. Todas as tentativas de fazer com que a Secretaria Técnica da OPAQ desempenhasse suas funções de forma diligente e garantisse um processo transparente de investigação de incidentes, conforme exigido pela Convenção sobre Armas Químicas (CWC), foram infrutíferas. Isso não é surpreendente, já que a Secretaria Técnica foi privatizada há muito tempo pelos países ocidentais, cujos representantes ocupam posições-chave ali. Eles participaram da organização dessas falsificações, usando-as como pretexto para que EUA, Reino Unido e França lançassem ataques com mísseis e bombas na Síria, apenas um dia antes de uma equipe de inspetores da OPAQ chegar lá por nossa insistência, ao que o Ocidente resistiu desesperadamente.

As habilidades do Ocidente e de seu assistente, o Secretariado Técnico da OPAQ, para produzir cenas forjadas se manifestaram nas situações de “envenenamento” dos Skripals e Alexei Navalni. Em ambos os casos, os numerosos pedidos oficiais de informação, enviados pela parte russa a Haia, Londres, Berlim, Paris, Estocolmo, continuam sem resposta, embora esses pedidos tenham sido formulados em plena conformidade com os requisitos do CPAQ e seja oportuno respondê-los.

Da mesma forma, é apropriado responder às perguntas sobre as atividades secretas que o Pentágono (por meio de sua Agência de Redução de Ameaças) vem realizando na Ucrânia. As “descobertas” reveladas pelas forças da EMO nos laboratórios biológicos militares nos territórios libertados de Donbass e áreas adjacentes denotam inequivocamente violações diretas da Convenção sobre a Proibição de Armas Biológicas e Toxínicas (CPBT). Apresentamos os documentos correspondentes a Washington e ao Conselho de Segurança da ONU. Foi iniciado o procedimento para obtenção de esclarecimentos, segundo o CPABT. Ao contrário dos fatos, o governo dos EUA tenta se justificar declarando que toda pesquisa biológica na Ucrânia era exclusivamente pacífica e civil por natureza. Sem apresentar qualquer prova disso.

Em um nível mais amplo, a atividade biológica militar do Pentágono ao redor do mundo, especialmente no espaço pós-soviético, exige a atenção mais intensa à luz dos múltiplos testemunhos sobre as experiências criminosas com os patógenos mais perigosos para criar armas biológicas, que são transportadas sob a capa “pacífica”.

Já mencionei a encenação dos “crimes” das milícias de Donbass e dos participantes da OME russa. O valor nulo dessas acusações é visto facilmente: ao mostrar ao mundo inteiro a “tragédia em Bucha” no início de abril de 2022 (há suspeitas de que os anglo-saxões participaram do “cenário”), o Ocidente e Kiev omitiram questões elementares sobre se os falecidos foram identificados e quais são os resultados dos estudos patológicos, tudo permanece sem resposta. Como nos casos de Scripals e Navalni descritos acima, celebrou-se a “estreia” propagandística da “peça” na mídia ocidental, e agora eles se calam, porque não têm nada a dizer.

Este é o algoritmo da política ocidental: fabricar uma farsa, inflar em uma catástrofe universal por alguns dias, cortando o acesso da população a dados alternativos, e quando eles conseguem, eles simplesmente ignoram ou, na melhor das hipóteses, mencionam isso na última página de notícias em letras miúdas.

É importante entender: não são brinquedos inofensivos na guerra da informação, pois tais encenações são usadas como pretexto para ações materiais, como punir os países “acusados” com sanções, cometer contra eles agressões bárbaras com centenas de milhares de civis vítimas , como aconteceu, em particular, no Iraque ou na Líbia. Ou, como na Ucrânia, use-o como material de consumo na guerra do Ocidente contra a Rússia. Os instrutores e miradores do sistema de mísseis da OTAN aparentemente já estão dirigindo as ações da FAU e dos batalhões nacionalistas no terreno. Espero que haja políticos responsáveis entre os europeus que estejam cientes das possíveis consequências disso. Nesse sentido, é notável que nenhum funcionário da OTAN ou da UE tenha chamado a ordenar o comandante descontrolado da Força Aérea Alemã, um certo Gerhartz, que alertou para a necessidade de se preparar para o uso de armas nucleares e acrescentou: “Putin, não tente competir conosco”. O silêncio da Europa sugere que está esquecendo pacificamente o papel da Alemanha em sua história.

Se aplicássemos a abordagem histórica aos acontecimentos de hoje, veríamos que toda a crise ucraniana aparece como “um grande jogo” seguindo o roteiro promovido na época por Zbigniew Brzezinski. Ou seja, fala-se de boas relações e da prontidão dos países ocidentais para levar em conta os direitos e interesses dos residentes russos após a desintegração da URSS na Ucrânia independente e em outros estados do espaço pós-soviético, mas na verdade é uma atitude falsa. Desde o início de 2000, Washington e a UE começaram a exigir abertamente que Kiev decidisse se estava com o Ocidente ou com a Rússia.

Desde 2014, os países ocidentais lideram o obediente regime russofóbico que chegou ao poder como resultado de um golpe. A aparição de Vladimir Zelensky em Fóruns internacionais que tenham alguma relevância também sempre faz parte do show. Ele aparece diante do público, faz discursos patéticos, mas assim que propõe algo sensato, é-lhe dito para não pensar. Este foi o caso após a rodada de negociações russo-ucraniana de Istambul no final de março passado: parecia que havia progresso no diálogo, mas Kiev foi forçada a recuar, recorrendo ao episódio de Bucha, uma completa falsificação. Washington, Londres e Bruxelas começaram a exigir que Kiev não iniciasse negociações com a Rússia até que tivesse alcançado vantagem militar total. O ex-primeiro-ministro britânico e alguns políticos ainda estão no cargo, mas carecem, como tudo indica, de bom senso aplicado a fundo.

A declaração do chefe da diplomacia europeia, Josep Borell, que afirmou que o conflito deve terminar “com a vitória da Ucrânia no campo de batalha” sugere que uma ferramenta como a diplomacia “aplicada pela UE” perde o sentido.

De uma perspectiva mais geral, é curioso ver como a Europa “que Washington enquadrou na frente anti-Rússia” é a mais afetada pelas sanções impensadas, como esvazia seus arsenais, fornecendo armas a Kiev e não exigindo relatórios sobre quem os está carregando, controlando e onde eles vão parar, liberando seu mercado para compras futuras do que é oferecido pela indústria militar dos EUA e gás liquefeito caro dos EUA, em vez do gás russo acessível. Essas tendências, juntamente com a fusão da UE e da OTAN, fazem com que as declarações sobre “autonomia estratégica” pareçam ainda mais espetaculares. Todos já compreenderam que a política externa do “Ocidente coletivo” é um “teatro de ator único” que conduz com determinação à busca de novos teatros de operações.

Parte dessa jogada geopolítica contra a Rússia é a decisão de conceder à Ucrânia e à Moldávia, que, ao que parece, também sofrerão um destino infeliz, o status de eterno candidato à adesão à UE. No momento está sendo anunciada a “comunidade política europeia” promovida pelo presidente da França, Emmanuel Macron. Não haverá vantagens financeiras ou econômicas especiais, mas haverá a exigência de solidariedade absoluta com a UE em sua ação anti-Rússia. É a aplicação do princípio “quem não está conosco, está contra nós”, sem opções. O presidente francês explicou o que é a “comunidade”: a UE convidará todos os países “da Islândia à Ucrânia” a se juntarem a ela, mas não a Rússia. Devo salientar que não precisamos fazer parte disso, mas a declaração em si é demonstrativa, pois revela o verdadeiro caráter dessa iniciativa concebida para confrontar e separar.

A Ucrânia, a Moldávia e outros países que hoje recebem gestos de atenção da UE terão de se tornar figurantes nos jogos do Ocidente.

Os EUA, como principal produtor desses espetáculos, escolhem o acompanhamento musical e o enredo, a partir dos quais a Europa escreve roteiros anti-russos. Os atores estão prontos, têm o hábito de atuar, treinaram-na no palco como comediantes, sabem pronunciar textos patéticos, nada pior do que a já esquecida Greta Thunberg. Se necessário, eles vão tocar instrumentos musicais. Eles são bons atores, lembremos como Vladimir Zelensky desempenhou bem o papel do democrata no partido “Servo do Povo”, o lutador contra a corrupção, contra a discriminação dos russos, aquele que “era a favor de tudo de bom”. E agora compare com sua mudança instantânea no cargo de presidente, o sistema Stanislavski em ação: proibição da língua, educação, mídia e cultura russas. “Se você se identifica com os russos, vá, por seus filhos e netos, morar na Rússia”. Bom conselho. Ele disse que os habitantes de Donbasss não eram pessoas, mas “espécimes”. Ele indicou a respeito do batalhão nazista “Azov”: “Eles são como são. Temos muitos como eles”. Até a CNN cortou essa frase na entrevista.

Surge a pergunta: como todas essas histórias terminarão? É que na realidade as encenações baseadas no sangue e na dor do povo estão longe de ser entretenimento, são amostras da cínica política de criação de uma nova realidade, na qual tentam substituir todos os princípios da Carta da ONU e todos as normas do direito internacional por sua própria “ordem”, com base em suas próprias “regras”, tentando imortalizar o domínio desaparecendo dos assuntos mundiais.

Para as relações internacionais, as consequências mais devastadoras foram os jogos iniciados pelo Ocidente na OSCE, no final da Guerra Fria em que foi considerado vencedor. Embora tenham quebrado rapidamente sua promessa aos líderes da URSS e da Rússia de não estender a OTAN para o Leste, os EUA e seus aliados declararam seu compromisso de criar um espaço de segurança e cooperação comum na área euro-atlântica e, em 1999 e no final de 2010, juntamente com todos os membros da OSCE, assinou-o ao mais alto nível, assumindo a responsabilidade política de fornecer segurança igual e indivisível, enquanto ninguém aumentaria sua segurança à custa de outros e nenhuma organização competiria pelo domínio na Europa. Logo ficou claro que a OTAN não havia cumprido sua palavra quando optou pelo domínio da aliança atlântica. No entanto, mesmo nesse contexto, continuamos com nossos esforços diplomáticos e sugerimos que consolidem o mesmo princípio de segurança igual e indivisível, mas desta vez, com um tratado juridicamente vinculante. Sugerimos várias vezes, a última vez em dezembro de 2021. Eles responderam com uma rejeição categórica. Eles nos disseram diretamente: não haveria garantias legais fora da OTAN. Ou seja, o que foi apoiado pelos documentos políticos adotados nas cúpulas da OSCE acabou sendo uma encenação barata. E agora a OTAN, liderada pelos EUA, foi ainda mais longe: exige que os países não só da zona euro-atlântica, mas também da Ásia e do Pacífico a obediência. Não escondem quem é o principal destinatário de suas ameaças, e os líderes da China já apresentaram sua avaliação de princípios de tais ambições neocoloniais. Pequim os contrastou com o referido princípio de segurança indivisível, defendendo seu uso em todo o mundo para que ninguém no mundo não concorra por sua exclusividade. Tal posição coincide absolutamente com a da Rússia. Vamos defendê-lo de forma consistente com aliados, parceiros estratégicos e muitos outros apoiadores.

Seria necessário que o Ocidente coletivo retornasse do mundo das ilusões à Terra.

Não importa quanto tempo seus esquetes continuem, eles não funcionarão. É hora de jogar limpo, não pelas regras do trapaceiro, mas pela lei internacional. Quanto mais cedo todos perceberem a falta de alternativas aos processos históricos objetivos que compõem o mundo multipolar, baseado no respeito ao princípio da igualdade soberana de todos os países, fundamental para a Carta da ONU e toda a ordem mundial, melhor.

Se os membros da aliança ocidental não souberem viver de acordo com este princípio, eles não estão prontos para criar uma estrutura verdadeiramente universal de segurança e cooperação igualitária, deixando todos os remanescentes em paz, apenas encurralando à força, ameaçando e chantageando, para aqueles que querem viver pelo seu engenho, que reconheçam na prática o direito à livre escolha de países auto-suficientes que se respeitem. É o que se chama democracia, a prática e não o jogo em uma cena política mal construída.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.