Imperialismo

Imprensa alemã: um braço da guerra contra a Rússia

Estudo oferece uma visão perturbadora de como toda a mídia da Alemanha se alinhou com a causa da guerra e uma escalada perigosa contra a Rússia

Na semana passada, a Universidade de Mainz publicou um estudo sobre a cobertura jornalística alemã dos eventos na Ucrânia e a resposta oficial de Berlim à crise. As conclusões confirmam que, desde 24 de fevereiro, a mídia tem desempenhado um papel importante em manter o conflito em andamento e tornar menos provável um acordo negociado, devido ao conteúdo quase universalmente tendencioso, pró-guerra e anti-Rússia publicado em todos os estágios.

Pesquisadores da universidade analisaram reportagens em alemão sobre o conflito na Ucrânia entre 24 de fevereiro e 31 de maio, avaliando o conteúdo de cerca de 4.300 artigos separados publicados pelos oito principais jornais e estações de TV do país: FAZ, Suddeutsche Zeitung, Bild, Spiegel, Zeit, ARD Tagesschau, ZDF Today e RTL Aktuell.

Durante esse período, a Ucrânia foi retratada positivamente em 64% de toda a cobertura e o presidente Vladimir Zelensky em 67%. Em contraste, a Rússia foi retratada “quase exclusivamente de forma negativa” em 88% das vezes, e o presidente Vladimir Putin em 96% dos casos. Quase todos os relatórios – 93% no total – atribuem a culpa pela guerra a Putin e/ou à Rússia. O Ocidente foi apontado como “co-responsável” em apenas 4% dos casos, a Ucrânia ainda menos, com 2%.

As perspectivas da Rússia sobre o conflito só foram consideradas ou mencionadas em 10% dos noticiários, menos do que o ponto de vista de qualquer outro país, incluindo os vizinhos de Moscou. A Alternativa para a Alemanha e o Partido de Esquerda, que se opõem a armar a Ucrânia e prolongar os combates, “praticamente não teve presença na mídia nas reportagens sobre a guerra”. As mensagens do governo e as declarações dos ministros foram totalmente dominantes, sendo o foco em 80% da cobertura jornalística, mais de quatro vezes acima do valor dos partidos da oposição.

Nas discussões da mídia sobre “medidas com maior probabilidade de acabar com a guerra”, as sanções econômicas contra a Rússia foram “de longe as mais frequentemente relatadas” e aprovadas em 66% dos casos. Medidas diplomáticas foram mencionadas “com muito menos frequência”, enquanto “medidas humanitárias” foram apresentadas com ainda menos regularidade.

Ao todo, 74% dos relatórios pesquisados retrataram o apoio militar à Ucrânia “de forma extremamente positiva”. A entrega de armas pesadas foi endossada “com um pouco menos de clareza, mas ainda considerada amplamente sensata”, com 66% “extremamente a favor”. Menos da metade – 43% – deu a impressão de que as negociações diplomáticas seriam úteis, e isso se deveu em grande parte à reportagem do Der Spiegel que claramente marcou a diplomacia como a opção mais sensata para Berlim “de longe”.

“A Der Spiegel foi a única mídia examinada a avaliar as negociações diplomáticas de forma mais positiva do que a entrega de armas pesadas”, concluem os acadêmicos.

O relatório identificou uma área em que a cobertura da mídia “certamente não era pró-governo”. Em certas raras ocasiões, o chanceler Olaf Scholz e sua coalizão foram duramente criticados “por hesitar em inundar a Ucrânia com armas pesadas” por todos os veículos, exceto pelo Der Spiegel.

O relatório acrescenta que “nem todos os membros do governo foram igualmente afetados pelas críticas”. Embora aqueles que escaparam da censura não estejam listados, é justo apostar que são representantes de partidos de coalizão do governo, como os Verdes, que têm exigido que Berlim inunde Kiev de armas desde o primeiro dia.

No geral, porém, o estudo oferece uma visão perturbadora de como toda a mídia da Alemanha se alinhou com a causa da guerra e uma escalada perigosa contra a Rússia. Enquanto isso, a consideração de políticas alternativas, como apoiar um acordo diplomático ou instar a Ucrânia a se envolver em negociações produtivas para encerrar os combates o mais cedo possível, estava quase completamente ausente – ou mesmo completamente retida – de qualquer reportagem ou análise de notícias.

Também mostra como os jornalistas estão entre os lobistas mais agressivos e eficazes para a guerra. A Alemanha é apenas um país, e uma investigação semelhante da cobertura da mídia sobre o conflito em qualquer estado ocidental inevitavelmente chegaria a conclusões semelhantes. Em muitos casos, as descobertas podem ser ainda mais drásticas, em termos da imagem unilateral e pró-guerra apresentada aos cidadãos comuns pela imprensa e a falta de pontos de vista contrários e pró-diplomacia.

Este certamente seria o caso no Reino Unido e nos Estados Unidos, os dois países que mais avidamente promovem uma guerra por procuração com a Rússia. Foi confirmado que Kiev e Moscou chegaram a um acordo provisório negociado no início de abril, segundo o qual a Rússia se retiraria para sua posição anterior a 24 de fevereiro e a Ucrânia prometeria não buscar a adesão à OTAN em troca de garantias de segurança de vários países.

No entanto, no último minuto, o então primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, voou para Kiev e exigiu que Zelensky se afastasse das negociações. Esse fato chocante quase não foi mencionado nas notícias em inglês, mas isso não deveria nos surpreender.

Essas organizações e os jornalistas que trabalham para elas parecem ter uma guerra eterna para vender. Para que isso aconteça, o público ocidental aparentemente não pode saber que é possível alcançar a paz por meios alternativos à morte e à destruição. Também é necessário, ao que parece, enganar os europeus sobre as consequências do conflito para suas próprias economias e vidas pessoais, como prova o estudo da Universidade de Mainz.

Entre 24 de fevereiro e 31 de maio, a proporção de reportagens que mencionavam ou tratavam da “influência da guerra na Alemanha”, como escassez de energia e inflação de preços, nunca ultrapassou 15% no total por semana. Só recentemente a mídia do país começou a reconhecer esse dano e explorou o que isso significa para o cidadão comum. A maioria do público pode não ver a enorme recessão chegando ou ter alguma ideia de que ela é autoinfligida.

Fonte: RT

* As opiniões expressas nos artigos reproduzidos não representam necessariamente a posição deste diário

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.