Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Cisjordânia

Exército israelense mata jogador de futebol palestino

Número de palestinos mortos chega a 224 somente neste ano

O jogador de futebol palestino, Ahmad Atef Mustafa Daraghma, foi assassinado pelas forças de ocupação de Israel durante uma intervenção na cidade de Naplusa, ao norte da Cisjordânia. De acordo os meios de comunicação locais, o jovem, que tinha apenas 23 anos e morava na cidade de Tubas, morreu ao não resistir aos ferimentos de balas disparadas pelo Exército sionista. O atleta jogava pela equipe Thaqafi Tulkarm, da Palestina. Essa ação também deixou mais 24 palestinos feridos.

O ataque se deu assim que as forças de ocupação se depararam com a resistência dos palestinos. Os soldados israelenses abriram fogo e utilizaram uma grande quantidade de gás lacrimogêneo.

O Club Desposrtivo Palestino, time de futebol do Chile que foi fundado por um grupo de imigrantes em homenagem à Palestina, publicou a seguinte mensagem em sua conta oficial no Twitter: Ahmad Atef Daragmah, jogador de 23 anos do clube palestino Thaqafi Tulkarm, foi assassinado pelo exército israelense em Nablus. Unimo-nos ao luto do futebol palestino e enviamos nossas condolências para a família do jogador. Descanse em paz, Ahmad”. No Chile há, aproximadamente, 350.000 palestinos, sendo a maior colônia palestina no mundo.

Mohammad Shtayyeh, primeiro-ministro da Palestina, pediu que a Federação Internacional de Futebol (FIFA) denunciasse os crimes praticados pelas forças de ocupação de Israel.

Com a morte de Mustafa Daraghma, o número de palestinos mortos pelos soldados israelenses nos territórios ocupados é de 224 pessoas só neste anos de 2022. Dentro dessa quantidade, 53 indivíduos foram mortos na Faixa de Gaza.

Durante a Copa do Mundo no Catar, a questão da Palestina foi abordada e manifestada em diversos momentos da competição. No segundo tempo da partida entre Tunísia e Austrália, pela fase de grupos no estádio Al Janoub, por exemplo, os torcedores tunisianos fizeram silencio durante um segundo para exibir uma mensagem. Uma bandeira foi estendida nas cadeiras do local com os dizeres: “Liberte a Palestina”.

A seleção de Marrocos, que fez uma campanha histórica no Mundial, sendo a seleção africana a chegar mais longe no torneio, conquistando o quarto lugar, comemorou a classificação para as quartas de final em vitória diante da Espanha com bandeiras da Palestina.

Porém, as demonstrações de solidariedade não ficaram restritas aos jogadores marroquinos. A torcida da seleção saiu nas ruas de Doha cantando a música “Nossa amada Palestina”. A canção ficou internacionalmente conhecida após as pessoas no Estádio Mohamed V, do Raja Casablanca, entoar a música.

Gostou do artigo? Faça uma doação!

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.