Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Ascânio Rubi

Ascânio Rubi é um trabalhador autodidata, que gosta de ler e de pensar. Os amigos me dizem que sou fisicamente parecido com certo “velho barbudo” de quem tomo emprestada a foto ao lado.

HISTÓRIA DO BRASIL

A quem interessa achincalhar o Brasil?

Jornais da burguesia dão espaço para quem achincalha o Brasil

banners história do brasil

O achincalhe do Brasil é a nova pauta dos identitários que foram acolhidos nas páginas dos jornais da burguesia. Prova contundente disso é um artigo de Tom Farias publicado na Folha de São Paulo há alguns dias.

Relendo a história do país pela ótica das novíssimas teorias raciais, o intelectual conclui que, para derrubar os privilégios de casta que se mantêm desde o descobrimento do país até os dias de hoje, “vai ser preciso voltar às praias nacionais nos abris de 1500 e pedir desculpas aos povos originários, pela invasão, e, sobretudo, pelas primeiras ofensas praticadas nestas terras”. Subtraindo-se o absurdo de propor uma volta no tempo para pedir desculpas pela história, já que, até onde se sabe, isso ainda não é possível na vida real, cabe perguntar a quem aproveita esse tipo de afirmação.

No decorrer do texto, refere-se ao Brasil como “eterna província”, “país doente” e “país selvagem” e, para falar do povo, usa expressões como “atraso mental da nação”, “humanidade sob suspeita”, “nenhuma sã ideia de lei e ordem, de paz e solidariedade”, “compadrio como marca nacional”. Segundo ele, somos um “país doente”, que deveria penitenciar-se de seus “atrozes pecados”.

Sobre a nossa origem, é taxativo ao relembrar o velho clichê: “Deixaram por aqui degredados. Deixaram por aqui doenças. Deixaram por aqui o sentido de discórdia, como augúrio de má sorte para a nova nação”. Segundo ele, a famosa frase de Pero Vaz de Caminha, “nessa terra, em se plantando tudo dá”, seria um atestado de que “o país nasceu pelo olhar da cobiça”.

Em suma, na visão dele, somos todos uns desgraçados, torpes, corruptos, doentes, “pecadores”, que devemos pedir perdão por existir. O articulista clama por lei e ordem e por aplicação de penas aos acusados de racismo e injúria racial, que diz não terem sido suficientemente punidos nos últimos 30 anos, segundo dados de um levantamento divulgado pela GloboNews.

O escritor faz uma análise moralista e religiosa da história do Brasil e, do alto de sua posição de herdeiro de uma grande dívida, propõe um ato de contrição coletivo, em que os brancos peçam perdão aos negros de hoje pela escravidão do passado e aos índios de hoje pela “invasão de suas terras” em 1500, ou seja, pelo descobrimento do Brasil.

A quem interessa que o povo brasileiro tenha vergonha de sua história e se sinta nascido como pecador, fruto de uma sucessão de ações destrutivas? Interessa a quem gostaria de ver fraca e desmantelada esta grande nação para mais facilmente abocanhar as nossas riquezas.

Talvez o intelectual identitário ache que o imperialismo tem o “direito” de se apossar das riquezas do Brasil, já que o povo daqui é a escória do planeta, não tem valor algum e, além de todas as suas decrepitudes, nasceu “fadado à má sorte”.

É para combater essa visão entreguista e ingênua dos fatos, disfarçada de crítica, que devemos estudar a nossa história do ponto de vista marxista.

A opinião dos colunistas não reflete, necessariamente, a posição deste Diário.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.