Por quê estou vendo anúncios no DCO?

Mulher: família X carreira

60% das mulheres já recusaram emprego para cuidar da família

Mulheres europeias estão deixando carreiras em tecnologia para cuidar de familiares


Com a manchete “Mulheres: família x carreira? Família e carreira?”, a Forbes Brasil publicou,  em 01/11/22, um estudo  realizado pelo BCG – Boston Consulting Group – em parceria com o The Women’s Forum, que envolveu 1.500 profissionais da área da tecnologia com posições influentes em países como Alemanha, França, Reino Unido e Itália. Embora tratem de países europeus desenvolvidos, a situação das mulheres por lá também traz aspectos que as brasileiras vivenciam: as obrigações com cuidados familiares se sobrepõem à carreira. Provavelmente, as taxas sejam diferenciadas, mas as realidades parecem semelhantes. Padrões econômicos, sociais e morais influenciam nas decisões das mulheres que, de certa maneira, sacrificam-se em função de cuidados necessários com crianças, idosos e consigo mesmas. A curta matéria da Forbes não menciona, mas a pandemia pode ter um peso significativo neste redesenho das questões que envolvem gênero na indústria da tecnologia e informação ocidentais, bem como em outras áreas da economia.

 Na imprensa imperialista pode-se acompanhar, desde 2020, a oscilação em relação àquilo que foi uma onda de “abandono de empregos”. Primeiramente, pelo trabalho remoto, depois, pelas dificuldades do lockdown e encolhimento de vagas. Agora, emissoras como NYT,  NBC, CBS, CNN falam da onda de “arrependimento” e tentativa de retomar as posições abandonadas, seja por mulheres ou homens. A reportagem da Forbes , que a Forbes Brasil reproduz, encomendada e dirigida aos grandes investidores e pessoas envolvidas com as políticas sociais na toada público-privada em países europeus, faz recomendações às mulheres que atuam na área tecnológica e, também, as possíveis campanhas e projetos que podem ser feitos por empresas e estados no sentido de que os arquitetos da política de inclusão realmente implementem o que dizem almejar.

Em tal cenário, a pesquisa do BCG apurou que 80% das mulheres, contra 50% dos homens, recusaram ofertas de emprego/progressão na carreira profissional. Horários flexíveis também são mais adotados pelas mulheres, embora os homens também tenham feito grande adesão. Segundo o estudo, o problema não é competência técnica, conhecimento ou predisposição para enfrentar desafios. O problema apontado está no tempo dedicado aos cuidados da família pelas mulheres, o que dá aos homens maior disponibilidade para o trabalho.

No depoimento das mulheres entrevistadas pelo BCG, a principal fonte de tensão está na constante pressão para que elas se mostrem capazes e a falta de exemplos de liderança. Segundo a pesquisa, as mulheres acabam perdendo a autoconfiança, uma vez que perdem conexões e oportunidades  na dinâmica dos processos das empresas, impedindo o crescimento na carreira. 

Se este problema europeu pode ser circunscrito nos países pesquisados, não seria descabido, neste contexto, utilizar a expressão que se ouve por aí: “white people problems”.  Como os imperialistas não são trouxas, suas publicações, pesquisas e prêmios também miram o público feminino preto e pobre, na tentativa de lapidar futuras gestoras pretas, aqui no Brasil.

A matéria da Forbes Brasil tem 5 parágrafos.  Para o público brasileiro, foi colocado no centro do texto link para matéria intitulada: Cogna lança programa de trainee exclusivo para mulheres negras

O grupo educacional Cogna, que vai da educação infantil à pós-graduação, maior conglomerado do país, tem entre suas empresas o  grupo Kroton. Recrutando “mulheres pretas” para trainee. Enfim, realizam uma maquiagem da questão, em vez de encarar o problema real das mulheres europeias, e principalmente das brasileiras e demais mulheres pobres e não brancas de todos os países, que está na total falta de políticas efetivas para que a independência econômica das mulheres, pretas ou de qualquer cor, se efetive, e elas realmente possam ser livres e construir um mundo melhor, na tecnologia e em todos os setores produtivos da sociedade.


COTV

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.