Universidade americana em Cabul é alvo de ataques

Compartilhar:

Na noite de quinta-feira (25) ,homens fortemente armados invadiram uma faculdade americana, em Cabul no Afeganistão, e dispararam contra estudantes e funcionários que estavam na universidade durante a noite, cerca de 150 pessoas.

O ataque deixou 14 pessoas – incluindo sete estudantes – mortos e 30 feridos.  As autoridades disseram que os atacantes invadiram a Universidade na quarta-feira por volta das 18h30 (horário local) começando uma forte explosão que as autoridades disseram ter sido provocada por um carro-bomba, seguida de tiros.

Alguns estudantes esconderam-se em salas de aula ou saltaram das janelas para escapar, enquanto outros correram em pânico. O ataque no campus terminou quase nove horas mais tarde, quando as forças de segurança afegãs mataram dois dos atiradores. Três policiais afegãos e dois guardas de segurança também foram mortos. Nenhum grupo reivindicou ainda a responsabilidade pelo ataque mas a imprensa já coloca a culpa no Talibã.

Fraidoon Obaidi, chefe do Departamento de Investigação Criminal da polícia de Cabul, disse que a polícia havia retirado entre 700 e 750 estudantes da Universidade, que é popular entre os filhos da elite do Afeganistão desde quarta-feira. O presidente, Ashraf Ghani, chamou o ataque de “uma tentativa covarde de impedir o progresso e o desenvolvimento do Afeganistão”.

Os ataques de grupos como o Talibã são um contra ataque a política imperialista dos Estados Unidos no Afeganistão. O Talibã tem o apoio da maior parte da população afegã, e desde quando os Estados Unidos invadiram o Afeganistão com o pretexto de acabar com o Talibã, a guerra tem sido incessante.

Barack Obama, para se eleger, disse que retiraria as tropas americanas do Iraque: não mencionou que enviaria grande parte dessas para o Afeganistão. As invasões imperialistas no Oriente Médio são feitas para destruir e controlar os países, principalmente Iraque e Afeganistão, e é totalmente esperado e legítimo que a população reaja com as forças que achar necessário.

artigo Anterior

“Perseguição”, por Paulo Batista

Próximo artigo

Delegado do “caso Feliciano” é quem sofre de mitomania

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.