Solução para os presídios: libertar os presos

Compartilhar:

Uma pesquisa recente do Inser (Instituto de Estudos da Religião) e o Centro de Estudos da Segurança e Cidadania, da Universidade Cândido Mendes, revelou que 42% dos presos do Estado do Rio de Janeiro são provisório, ou seja não foram julgados.

Com essa população de 22 mil pessoas presas, o Estado do Rio de Janeiro gasta R$ 38 milhões por mês para manter os presos nas condições sub-humanas típicas das cadeias do Brasil. A situação nacional também é similar, do total de presos no país, 620 mil, mais 41% são presos provisórios. Segundo a constituição brasileira, “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado”, ou seja, até que se transcorra todo o devido processo legal, incluindo todos os recursos possíveis.

A regra geral do Sistema Penal brasileiro é: lugar de pobre e negro é na cadeia, com crime ou sem crime. Todo o esse Sistema Penal é ilegal, arbitrário. A política de encarceramento em massa, que nada mais é do que um política de perseguição e repressão generalizada aos oprimidos do país, é criminosa, é um Estado criminoso. Os golpistas, entretanto, procuram aprofundar esse caráter arbitrário e criminoso do Estado, levando o regime político em direção a uma ditadura.

O ataque aos direitos democráticos da população, como as chamadas “10 medidas contra a corrupção”, as inúmeras transformações do regime já realizadas, como a extinção da terceira instância, perpetrada pelo STF, que altera profundamente as garantias constitucionais, são todas medidas que visam justamente a ampliação da política de encarceramento em massa, dos crimes praticados pelo Estado contra o povo, como é a aplicação da prisão provisória, por exemplo.

Mais de 40% da população carcerária foi presa sob uma acusação qualquer, passa meses e até anos em presídios, em uma situação humilhante e cruel, sem ter sido julgada. Segundo o Conselho Nacional de Justiça, o deficit no sistema prisional é de 354 mil vagas, o sistema prisional brasileiro atenderia, já em condições totalmente precárias, cerca de 260 mil pessoas em situação de privação de liberdade, mas o população carceraria é de 620 mil pessoas, que são amontoados dentro dos presídios. É um sistema nazista e infernal.

Essa politica de controle social, baseada no esmagamento da população, que é o sistema penal brasileiro, que os golpista procuraram ampliar, chegou a uma crise extraordinária, tanto de ponto de vista econômico, quanto político. Os massacres ocorridos em presídios do Amazonas e em Roraima deixaram nu aos olhos de todos as atrocidades e a selvageria que o Estado prática contra a população carcerária. Por outro lado, mostrou que o Estado não tem os recursos necessários para garantir sua política de encarceramento em massa, já que a crise aumentará extraordinariamente com o aumento ainda maior da população carcerária, que é o plano dos golpistas, perseguir e prender a esquerda e aumentar a repressão. O que é mais uma vez demonstração da crise do governo golpista.

Para o movimento operário e popular, é necessário fazer uma ampla campanha pela soltura dos presos provisório, de todos os presos, cujos delitos foram leves e de todos os presos que excedem a capacidade dos presídios. É necessário exigir do Estado que cumpra a lei e ofereça condições dignas nos presídios para esta população, bem como fazer ampla campanha contra a política de perseguição, coação, violência e extermino do Estado contra o conjunto dos explorados do país, política essa que se acentuou enormemente com o governo golpista.

artigo Anterior

Jornalista da Record afirma: “índio de verdade tem que morrer de malária”

Próximo artigo

Mobilizar em todo o País contra o aumento das passagens

Leia mais

13 Comentários

  1. After I initially commented I clicked the -Notify me when new comments are added- checkbox and now every time a comment is added I get 4 emails with the identical comment. Is there any method you possibly can take away me from that service? Thanks!

  2. I wanted to compose a simple comment to say thanks to you for all of the amazing suggestions you are posting here. My incredibly long internet lookup has now been honored with extremely good insight to share with my relatives. I ‘d admit that many of us site visitors actually are undeniably lucky to exist in a magnificent website with so many special people with very beneficial opinions. I feel quite lucky to have encountered your website and look forward to really more cool moments reading here. Thanks a lot again for a lot of things.

  3. An fascinating discussion is price comment. I think that you must write extra on this subject, it won’t be a taboo topic but usually people are not sufficient to talk on such topics. To the next. Cheers

  4. I precisely wanted to say thanks yet again. I am not sure the things that I would’ve accomplished in the absence of these hints documented by you about such theme. It absolutely was a very frightful crisis in my circumstances, but encountering your professional form you processed the issue made me to jump with joy. I will be happier for the assistance and pray you know what an amazing job your are accomplishing teaching the rest all through your web blog. Most probably you’ve never got to know any of us.

  5. When I originally commented I clicked the -Notify me when new feedback are added- checkbox and now every time a remark is added I get 4 emails with the same comment. Is there any way you’ll be able to remove me from that service? Thanks!

  6. Aw, this was a really nice post. In thought I want to put in writing like this moreover ?taking time and precise effort to make an excellent article?but what can I say?I procrastinate alot and certainly not seem to get one thing done.

  7. I抦 impressed, I must say. Actually rarely do I encounter a weblog that抯 both educative and entertaining, and let me inform you, you’ve got hit the nail on the head. Your concept is excellent; the problem is something that not enough persons are talking intelligently about. I’m very completely happy that I stumbled across this in my search for something regarding this.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.