PSOL: à direita de Renan Calheiros

Compartilhar:

Semana passada foram votadas as chamadas medidas “anticorrupção”, propostas pelo MPF (Ministério Público Federal). As medidas incluíam uma série de leis arbitrárias, como o “teste de integridade”, pelo qual um funcionário público poderia sofrer, sem saber, um “teste ético” a qualquer momento. Um mecanismo para poder demitir funcionários. Outras medidas eram ainda mais graves, relativizando o habeas corpus, possibilitando punições a um partido inteiro pela condenação de um membro do partido, invertendo o ônus da prova em acusações de enriquecimento ilícito etc.

O Congresso foi pressionado a aprovar essas leis, com uma campanha da imprensa apresentando qualquer modificação ao projeto como uma defesa da corrupção por parte dos senadores. Diante dessa pressão, o presidente do Senado, Renan Calheiros, manifestou-se nos seguintes termos: “O texto não poderia ter outro tratamento senão o que teve, porque é muito difícil conjugar o Estado Democrático de Direito com aquelas medidas (originais). No Estado de exceção, você pode propor teste de integridade, fim de habeas corpus, validação de prova ilegal, validar o testemunho sob tortura, mas no Estado democrático não. Esse pacote estava fadado a receber o tratamento que recebeu”. E acrescentou: “isso tudo é defensável no fascismo, mas no estado democrático de direito, por favor, não.”

Tirando a afirmação de que haveria um Estado democrático de direito no Brasil, o que jamais aconteceu de fato, Renan Calheiros tem razão. São medidas absurdas, e que caminham na direção de uma mudança de regime político. Isso era o plano da direita golpista desde o início, uma mudança de regime para reprimir a população. O aumento da repressão será necessário diante das medidas econômicas que o governo golpista pretende impor contra os trabalhadores, um ataque brutal às condições de vida da classe operária e da população pobre em geral.

Renan ficou contra essas medidas porque elas atingem a burguesia nacional, que ele representa. O PSOL, por outro lado, não representa interesses de ninguém, além de seus próprios interesses por cargos no Estado. Não representam a burguesia nacional, e também não representam os trabalhadores. Por isso não hesitam em apoiar medidas como essas. Depois da votação no Senado, que modificou o projeto do MPF, o Movimento Esquerda Socialista (MES), corrente do PSOL de Luciana Genro, “denunciou” as modificações feitas na proposta do MPF.

Em um texto publicado no sítio da corrente, “A esquerda precisa unir a luta contra o ajuste à luta contra a corrupção”, o MES declara o seguinte: “A tragédia que comoveu o país, com o terrível acidente da equipe de futebol da Chapecoense, não impediu que os deputados e senadores votassem duas agendas contra o povo: a continuidade do ajuste e medidas que desfiguram o pacote anticorrupção, ameaçando assim a continuidade das investigações da Operação Lava-Jato.” Ou seja, para o MES, não votar leis de exceção que ajudam a estabelecer a ditadura para a qual estamos caminhando, seria “desfigurar o pacote anticorrupção”. Um pacote que não poderia ser “desfigurado”.

E assim, a corrente do PSOL à qual Luciana “Viva a Lava Jato” Genro pertence coloca-se à direita de Renan Calheiros em relação aos direitos da população diante de um Judiciário cada vez mais ditatorial. Um poder que tentou impor a aprovação de uma legislação ao Senado, e teve apoio do PSOL para isso. Poder que o MES defende nos seguintes termos: “A posição desastrosa foi a das Frente Brasil Popular e Frente Povo sem Medo(BA): condena a luta contra a corrupção, criminalizando todo o poder judiciário afirmando que a Operação Lava-Jato nada mais é do que uma operação de ‘agentes do imperialismo’. Essa definição desastrosa não só não arma corretamente as tarefas do período como também é responsável pelo crescimento da direita nas ruas.”

O que acontece é exatamente o contrário do que o MES defende. A operação golpista da Lava Jato, a serviço do imperialismo, é precisamente um dos fatores determinantes para o crescimento da direita. A proposta do PSOL para combater a direita é apoiar a direita, até o ponto de ficar à direita de Renan Calheiros.

artigo Anterior

Assange divulga sua defesa sobre acusação de estupro na Suécia

Próximo artigo

Juiz pode assumir prefeitura de Ribeirão Preto

Leia mais

1 Comentário

  1. 209Sarah, I haven’t encountered that many “send us everything” requests before! It seems kind of cruel. I would not send the diss, given your ph.d. is 2007. You have to be operating well beyond the diss at this point. I’d send them articles and ed. coll. chapters that you have written, and 1-2 book chapters that are in a reasonable st&1aa#821t;teking a long day or so to make sure their intros and conclusions are in shape, and that they hang together.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.