Luís Carlos Valois; Juiz garantista é perseguido pela direita golpista

Compartilhar:

A direita golpista está promovendo uma campanha assassina contra o Juiz de direito do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas Luis Carlos Valois. A perseguição ao juiz é uma perseguição política que diz respeito ao seu posicionamento.

Luis Carlos Valois é conhecido juiz de atuação progressista, na defesa e observância dos direitos fundamentais, do devido processo legal. Valois é um critico severo da política de guerra às drogas,  a qual dedicou sua tese de Doutorado e da política carcerária no País, atuando sempre na defesa dos direitos constitucionais desta população, priorizando as liberdades públicas contra a política de encarceramento em massa. O magistrado foi também um dos poucos representantes do Poder Judiciário a se colocar em defesa da legalidade e, por conseguinte, contra o golpe de Estado.

Estes motivos levaram a direita golpista a promover uma perseguição contra o Juiz. A golpista Polícia Federal na operação La Muralha que investiga suposta ligação de magistrados com organização criminosa Família do Norte, em julho do ano passado cumpriu um mandato de busca em sua casa e gabinete. Toda a operação, que foi mondada para incriminar o juiz, e é parte da perseguição dos golpistas às vozes dissonantes dentro do judiciário, é uma forma de intimidação, o que, no entanto, não intimidou Valois, que continuou a defender os preceitos democráticos.

Agora a vil imprensa golpista lança uma ataque mais duro, que coloca, inclusive, sua vida em risco. Ao atuar como um dos mediadores na rebelião de presos no Amazonas – a pedido do Secretário de Segurança do Estado do Amazonas, rebelião está que deixou cerca de 60 mortos, em uma disputa entre facções, – com o objetivo de salvar a vida de funcionários feitos reféns, a venal imprensa golpista aproveitou-se pra lançar uma acusação pérfida, a de que Valois teria ligação com a facção criminosa Família do Norte, responsável pelas mortes.

Contrariamente à perfídia e vilania da imprensa golpista que acusa-o, a atitude do Juiz foi louvável, que mesmo em recesso se dispôs a ajudar negociações que salvaram a vidas dos reféns, como destaca em nota a Associação dos Juízes para Democracia:

“A tragédia do Compaj corrobora, ainda, a importância do respeito à independência de juízas e juízes, como imperativo democrático. É o caso da fundamental atuação do Juiz da Vara de Execução Penal de Manaus, Luis Carlos Valois, que, coerentemente com o que defende em sua carreira acadêmica e conforme se espera de um magistrado no Estado de Direito, exerce controle rigoroso sobre o poder punitivo oficial, priorizando as liberdades públicas sobre o encarceramento: por tal motivo, desagrada os donos do poder, acomodados com o tratamento prevalentemente repressivo dos problemas sociais do país”.

E justamente pela sua atuação coerente com  os valores democráticos e o Estado de Direito que está sendo perseguido. O vil e fascista jornal golpista O Estado de São Paulo publicou matéria acusando Valois, cujo, titulo é: “Juiz chamado por presos para negociar é suspeito de ligação com facção do Amazonas”. A acusação é a mesma da PF golpista, de que valois teria ligação com a facção Família do Norte. Além de ser uma acusação calhorda cuja intenção é perseguir e intimidar o magistrado, ainda é assassina, pois ao sustentar que Valois tem ligação ou é membro da facção fez com que facções rivais o ameaçassem de morte.

A perseguição politica contra Valois é absurda e chegou ao limite de colocar a vida do magistrado em risco, o que foi feito deliberadamente pelo jornal golpista. O fato mostra que os golpistas estão em uma escalada da perseguição política aos opositores do regime e que a imprensa golpista assume cada vez mais um caráter fascista. Toda a solidariedade a Valois e a todos os perseguidos políticos pelo regime golpista.

artigo Anterior

Golpistas assumem prefeituras com promessas de ataques contra a população

Próximo artigo

A ditadura da Lava Jato

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.