Brasil: reforma ou revolução?

Compartilhar:

colunistas-rafael

Rafael Dantas

O golpe de Estado sofrido pelo governo do PT trouxe uma questão para o primeiro plano na situação política: aonde vai a esquerda?

O PT governou por quase 13 anos apoiado, em grande medida, nos anseios de uma parcela grande e importante da população por melhorar de vida no regime de exploração e opressão que é o capitalismo.

Isso só foi possível, naturalmente, porque a própria direção do PT (com muito mais consciência e convicção do que seus eleitores) sempre defendeu que era preciso “combater a miséria e oferecer oportunidades para o povo brasileiro” sem mexer, no essencial, no funcionamento político e econômico do País.

Isto é, desejavam reformar a sociedade capitalista, fundada na dominação e exploração de uma classe sobre as demais, sobre a base da conciliação dos interesses de classes sociais antagônicas, fundamentalmente os da burguesia e da classe operária. Ou, como expressaram em mais de uma oportunidade em seus 36 anos de história, “sem fazer uma revolução”.

Tentaram e conseguiram, até certo ponto, é verdade. Até que se tornou impossível conciliar e os verdadeiros donos do Estado decidiram expelir o PT do governo.

As pequenas reformas e concessões que o PT conseguiu que o Estado fizesse em favor dos mais pobres – sempre, como também gostam de repetir, assim como zelaram também, e muito mais, pelos mais ricos – estão em vias de serem liquidadas pelo governo golpista e pelos golpistas que ainda não governam de direito.

Aqueles que deram o golpe em Dilma Rousseff e confiscaram o voto de milhões de brasileiros já anunciaram o que está por vir: arrocho, liquidação dos direitos trabalhistas, privatização e entrega de toda a riqueza nacional aos grandes capitalistas etc.

As eleições municipais que acabaram de se realizar causaram uma profunda depressão em toda a esquerda, particularmente nos diretamente mais afetados pelo próprio retrocesso nas urnas. Tomados pela ilusão de que o golpe de Estado recém consumado não era mesmo um golpe, sofreram um segundo baque.

Os próprios acontecimentos estão ajudando a tornar claro uma realidade ocultada por anos pelo próprio PT: reformar o capitalismo, torná-lo mais humano e sustentável, menos desigual e opressor é uma utopia.

Na época histórica em que vivemos, isto é, naquela em que o mundo está dominado pelos grandes monopólios, pelo capital financeiro, a época do imperialismo, as reformas sociais são, em grande medida, inviáveis.

Nessa etapa, as reformas sociais podem ser apenas um meio para a organização da classe operária e das massas oprimidas em torno de seus próprios objetivos, antagônicos aos da burguesia e das demais classes dominantes.

Apenas um programa pode aliviar a dor e o sofrimento dos trabalhadores da cidade e do campo e da esmagadora maioria da população: a revolução social, o fim da propriedade privada, o poder do proletariado e o socialismo, ou seja, a propriedade coletiva da riqueza social por meio do Estado Operário.

A alternativa à bancarrota do reformismo e da colaboração de classes é a construção de um partido operário, que lute por esse programa, que organize a classe operária para lutar pela revolução.

É esse chamado que o Partido da Causa Operária dirige a todos os trabalhadores, suas lideranças no movimento sindical e popular, a todos os militantes que lutam pelo fim da exploração do homem pelo homem: vamos construir esse partido, o partido da revolução proletária, do governo dos trabalhadores e do socialismo.

artigo Anterior

Uzwela – Conversa sobre Cultura, Willy Verdaguer é o primeiro entrevistado do programa

Próximo artigo

Assange: vilão da imprensa imperialista

Leia mais

2 Comentários

  1. I just want to tell you that I am newbie to blogging and site-building and honestly enjoyed this web site. More than likely I’m planning to bookmark your blog . You actually come with superb writings. Many thanks for sharing with us your blog site.

  2. Hmm is anyone else experiencinghavingencountering problems with the imagespictures on this blog loading? I’m trying to figure outfind outdetermine if its a problem on my end or if it’s the blog. Any feedbackfeed-backresponsessuggestions would be greatly appreciated.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.