Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; Wdfb_WidgetEvents has a deprecated constructor in /home/causaoperaria/www/wp-content/plugins/wpmu-dev-facebook/lib/class_wdfb_widget_events.php on line 6

Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; Wdfb_WidgetLikebox has a deprecated constructor in /home/causaoperaria/www/wp-content/plugins/wpmu-dev-facebook/lib/class_wdfb_widget_likebox.php on line 6

Deprecated: Methods with the same name as their class will not be constructors in a future version of PHP; Wdfb_WidgetRecentComments has a deprecated constructor in /home/causaoperaria/www/wp-content/plugins/wpmu-dev-facebook/lib/class_wdfb_widget_recent_comments.php on line 6

Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/causaoperaria/www/wp-content/plugins/wpmu-dev-facebook/lib/class_wdfb_widget_events.php:6) in /home/causaoperaria/www/wp-content/plugins/wpmu-dev-facebook/lib/external/facebook.php on line 60

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /home/causaoperaria/www/wp-content/plugins/wpmu-dev-facebook/lib/class_wdfb_widget_events.php:6) in /home/causaoperaria/www/wp-content/plugins/wpmu-dev-facebook/lib/external/facebook.php on line 60
Golpe militar agora tem que ser diferente de 1964, aponta general - Diário Causa Operária Online

Golpe militar agora tem que ser diferente de 1964, aponta general

Compartilhar:
Reunião do alto comando: militares reconhecem "caos"; esquerda precisa reconhecer ameaça de golpe militar 1

O general Eduardo Villas Bôas, comandante-geral do Exército, voltou a falar sobre a possibilidade de um golpe militar em entrevista à BBC Brasil. Esquivando-se de responder diretamente, Villas Bôas comentou que não cabe ao Exército “participar de uma dinâmica de caráter político”, mas logo depois o militar afirmou que o Exército continua com os mesmos “valores, princípios e objetivos” que tinha em 1964.

O comandante tentou explicar que a situação em 64 era diferente por conta da guerra fria, e apontou que hoje em dia o Brasil tem “instituições amadurecidas” para lidar com a crise. Continuando o show de horrores, o militar ainda justifica que o problema da violência no país é decorrência de problemas na “educação e na disciplina social” da população. Fica claro que os militares estão escondendo o jogo sobre uma possível intervenção militar e mais: se o exército é o mesmo de 1964, esperemos pelo pior.

O exercício militar entreguista Amazon Log também foi “explicado”: seria um treinamento para situações de ajuda humanitária em áreas de difícil acesso, como a própria floresta amazônica. Só faltou justificar a presença de soldados e aviões norte-americanos e elucidar qual seria esta eventual crise humanitária que nunca apareceu e nunca foi alvo de preocupação de ninguém no país, muito menos dos militares.

Durante a entrevista, inclusive, o militar revelou sofrer de uma doença degenerativa, e que, por conta disso, sua substituição no comando já é cogitada. O escolhido para comandar as Forças Armadas em seu lugar seria, justamente, o general Mourão. Aquele mesmo que falou abertamente sobre a possibilidade de golpe militar se a justiça não “fizesse o seu papel”, e expôs sua total ignorância ao comentar sobre a “herança” do Brasil vinda dos portugueses “corruptos”, índios “preguiçosos” e negros “incapazes”, em uma palestra promovida pela maçonaria.

É preciso denunciar as ações dos militares golpistas. A situação que o país se encontra também é culpa deles, pois a instituição foi a fiadora do golpe de estado, como pode ser comprovado no famoso áudio de Romero “estancar a sangria” Jucá. A burguesia vê cada vez menos condições de controlar o regime por meio de manobras eleitorais, portanto a possibilidade de intervenção militar, por mais que o comandante se recuse a responder, segue viva.

artigo Anterior

Comitê de luta contra o Golpe de Blumenau realiza primeiro mutirão

Próximo artigo

Frase

Leia mais

Deixe uma resposta