Fernando Holiday, o negro que defende a escravidão e a fome

Compartilhar:

Fernando Holiday fez uma série de comentários em seu Facebook durante as comemorações do centenário da Revolução Russa, acontecidas na semana passada. Holiday é vereador da Câmara de São Paulo pelo partido golpista DEM, e gasta todo o seu tempo para atacar os direitos dos negros e dos trabalhadores.

Em um dos comentários feitos sobre a Revolução Russa, Holiday fala abertamente sobre o ato e o jantar feitos pelo Partido da Causa Operária no dia 7 de novembro, em uma atividade que teve música e comidas russas.

Holiday diz que a Revolução Russa foi causa de um dos maiores genocídios do mundo e que foi graças ao comunismo que as pessoas morreram de fome, e que um jantar não combina com essa história.

Em primeiro lugar, é preciso dizer que Fernando Holiday é um mentiroso profissional e que, por outro lado, não conhece a história nem do Brasil que dirá da Revolução Russa. Na verdade a ignorância e a selvageria são fatores característicos de grupos como o Movimento Brasil Livre (MBL).

Por outro lado, Holiday usa a tradicional demagogia direitista para atacar a esquerda. Ele quer se apresentar como uma pessoa preocupada com a fome, quando seu partido e tudo que ele fez até o momento foi aumentar a fome no Brasil inteiro, especialmente depois do golpe de Estado.

A Revolução Russa garantiu, em um curto espaço de tempo, todos os direitos do povo trabalhador, acabou com o desemprego e a fome no País, além de garantir todos os direitos democráticos, como a legalização do aborto; são medidas que nenhum país capitalista realizou até os dias de hoje.

Hoje, no mundo inteiro, mais de 1 bilhão de pessoas passa fome… alguém precisa avisar ao Fernando Holiday que o mundo não é socialista, pelo contrário, é dominado pelo capitalismo, o mesmo capitalismo que o MBL e seus integrantes tanto defendem.

Holiday defende a privatização de todos os serviços públicos, defende que a CLT e os direitos dos trabalhadores sejam destruídos pelo congresso golpista, defende que o país seja entregue ao imperialismo norte-americano, dentre outras medidas que atacam o povo brasileiro. Ele faz festa, em seu Facebook, a cada reforma que os golpistas aprovam no parlamento.

Holiday e seu grupo querem ver o negro sem atendimento de saúde gratuito, sem ensino público, sem trabalho e, agora, com as reformas do Congresso, sem os direitos trabalhistas. Holiday defende a volta da escravidão.

Ele acha que a PM deve continuar fazendo o seu trabalho, ou seja, espancando, torturando e matando o povo negro e pobre. Finalmente a direita racista achou um negro vendido o suficiente para defender a PM.

Não é só. Holiday já atacou o dia de luta do povo negro, o 20 de novembro, além de atacar constantemente um dos maiores líderes do povo brasileiro, que é Zumbi dos Palmares. Para o vereador do partido da ditadura militar, o negro não deve lutar.

Por essas e por outras Holiday é chamado de “negro de alma branca”, quer dizer, o negro que trabalha como agente do opressor, lacaio dos escravocratas. Isso também explica a defesa da Polícia Militar feita por Holiday.

Também é por isso que ele precisa ser duramente atacado, pois representa um elemento de confusão para o próprio povo negro. Holiday e sua trupe precisam ser denunciados energicamente e combatidos pelo movimento negro organizado.

Diante de gente como Holiday e do próprio golpe de Estado, é preciso, neste 20 de novembro, quando se celebra o dia de luta do povo negro, organizar o negro para lutar por seus direitos, que estão sendo destruídos a cada dia que passa.

Holiday e o MBL representam o que há de mais direitista dentro do regime político. Na verdade, querem organizar grupos extraparlamentares para massacrar o negro e o trabalhador. É preciso estar organizado para reagir à altura contra a direita, dentro e fora do parlamento. Organizar a luta contra o racismo, através da força, derrotar a direita racista, exatamente como Zumbi dos Palmares fez.

artigo Anterior

Ministro do TST despacha plano de saúde dos Correios para julgamento

Próximo artigo

A Arábia Saudita sequestrou o primeiro-ministro do Líbano?

Leia mais

Deixe uma resposta