“Fake News”: PF e Exército vão decidir o que é ou não verdade nas eleições

Compartilhar:

A direita busca arranjar uma série de pretextos para fiscalizar a internet, para reprimir a liberdade de manifestação de seus usuários. Geralmente o faz com alguma fachada esquerdista, como o combate ao racismo, ao machismo etc.

Campanha Financeira 3

Agora, a tentativa de censurar a internet veio das chamadas “fake news” que, segundo o ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Felipe Salomão, precisam ser combatidas, “para que não modifiquem a vontade do eleitor”, conforme disse em seminário realizado em Brasília, chamado “As liberdades na era digital e os limites do Estado”.

E esse combate, segundo o ministro, deveria partir da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), da Polícia Federal e do Exército.

“Eu acho que na execução não, mas na elaboração de propostas, na experiência, em tudo que possam contribuir para uma regulação eficaz da matéria, acho muito bem-vindo [o apoio dessas instituições]. Estados Unidos e a França são grandes democracias que aprenderam com erros e acertos que vão nos ajudar”, afirmou.

Quer dizer, será o próprio imperialismo norte-americano que vai fiscalizar a internet durante as eleições de 2018, se de fato ocorrerem. É a típica posição dos golpistas, que lambem as botas do imperialismo a troco de atacar todo e qualquer direito do povo brasileiro.

A internet é um meio de expressão, e, como tal, deve ser totalmente livre. Qualquer limitação não passa de repressão e censura do Estado, mesmo que se apresente com a mais valorosa das justificativas.

Se a direita ataca na internet, com publicações e textos fascistas, ela precisa ser respondida da mesma maneira, se possível com mais vigor, pelo próprio movimento social. Não se deve aumentar a capacidade repressiva do estado, especialmente em tempos de golpe e ameaça de intervenção militar.

artigo Anterior

DF: Comitê contra o Golpe comemora a Revolução combatendo a direita

Próximo artigo

Ser capacho dos EUA é normal para general do Exército brasileiro

Leia mais

Deixe uma resposta