“Queimem a bruxa”

Compartilhar:
"Queimem a bruxa"

Na terça, 7, fascistas protestaram em frente ao SESC Pompeia contra um evento onde a filosofa norte-americana Judith Butler iria participar.

Butler é uma conhecida estudiosa de gênero e considera que a identidade sexual é resultado de uma construção social. Grupos à favor da participação da filosofa também se manifestaram.

O evento em questão era uma iniciativa acadêmica da Universidade de São Paulo (USP) em conjunto com a Universidade de Berkeley, onde Butler é professora.

Os fascistas atacam a filósofa com o discurso vazio de que ela promoveria a “ideologia de gênero”, uma invenção da direita e de herdeiros do nazismo e fascismo em geral.

Como em uma horda inquisitória da idade média, os fascistas gritavam “queimem a bruxa”, levando também um boneco representando Butler que foi incendiado ao longo de sua histeria. Gritos de “família” e “tradição”, jargão clássico do fascismo brasileiro, também foram ouvidos da escória em questão.

Os fascistas só costumam recuar sob a força. Assim sendo, um grupo de pessoas que era contra a tentativa de censura a Butler, e era muito mais numeroso, garantiu a segurança da filosofa e do evento. Este fato, é mais uma clara demonstração de que os fascistas precisam ser enfrentados à altura e não há tempo a perder nesta tarefa.

A cada dia vemos uma nova manifestação ou grupo fascista colocando as asas de fora. A tarefa de todas as pessoas progressista, democratas e, sobretudo, dos comunistas é botar as “galinhas verdes” para correr pela força da organização popular.

artigo Anterior

Amazon Log – Ação militar disfarçada de “ajuda humanitária”

Próximo artigo

Rio Grande do Sul tem mais de 500 mortes em acidentes de trabalho em 2016

Leia mais

Deixe uma resposta