Como foi a primeira edição da semana cultural do GARI

Compartilhar:

Aconteceu nesse último final de semana (04 e 05 de novembro) a primeira edição da semana cultural do GARI (Grupo por uma Arte Revolucionária e Independente), que reuniu das mais diversas e variadas atrações, no auditório Friedrich Engels, no Centro Cultural Benjamin Perét.

No primeiro dia (04/11), o festival começou com a análise política da semana com o companheiro Rui Costa Pimenta. Na parte da tarde, foi exibido o documentário “A Greve Geral de 1917” de Carlos Pronzato, com a presença do diretor e enorme sucesso no festival. Logo mais começaram as atrações musicais do dia. A primeira atração, foi a banda Revolução Permanente, banda essa formada por militantes do PCO, e que tocou um repertório eclético e de grande impacto.

Na sequência, veio a banda de Thrash Metal V.M.R. (Vanguarda Metal Revolucionaria), apresentado um som energético pesado e contagiante com letras politizadas e denúncias sociais. E essa acabou sendo a última atração da noite, infelizmente por motivos de saúde de seu vocalista, a banda A Lanterna, precisou cancelar a sua apresentação. Mesmo com essa triste e inesperada baixa, o saldo do primeiro dia do festival de cultura foi mais do que positivo.

O segundo dia Festival (05/11), começou com uma exposição dos fotógrafos, Diego Abrahao e Muna, que mostraram o que há de mais refinado em seus trabalhos na Fotografia. Paralelamente a exposição de Fotografias, ocorreu também uma exposição de Charges dos colaboradores do PCO Vitor Teixeira, Bira Dantas e Jota Camelo, que deram uma mostra do enorme talento dos artistas.

No fim da tarde, o Duo Mutual, formado por Mário Del Nunzio e por Marcio Gibson, toca música experimental ao vivo, enquanto o filme Outubro (1928), de Serguei Einsenstein e Grigori Aleksandrov passa no telão, trazendo assim uma nova visão e uma outra abordagem para um dos maiores filmes de todos os tempos.

Na sequência, ocorreu a mostra de curtas metragens, com os filmes “Audiência”, de Antony Nilmam, “Encosto”, e “Judas” de Joel Caetano, “Orquestra do Som Cego” de Lucas Gervilla, “Negro e Argentino”, e “A Busca de Lucrécio em Alexandria”. Todos os curtas metragens, com as suas respectivas linguagens e abordagens encantaram o público com a técnica apurada e grande domínio de cinema dos seus realizadores.

Para encerrar com chave de ouro a primeira semana cultural, O grupo de chorões Choro Marginal, embalou o fim de noite dos presentes com boa música e muita descontração. A primeira edição da semana cultural do GARI foi um grande sucesso, e se você perdeu, haverá outras edições também contando com uma seleção eclética e variada de atrações artísticas.

artigo Anterior

Lido nas redes

Próximo artigo

Folha em Busca de um Macron

Leia mais

Deixe uma resposta