Janot, homem do imperialismo, é intocável

Compartilhar:

Apesar de Janot estar na última semana na chefia do Ministério Publico Federal, o STF não deverá afastá-lo das investigações contra o golpista Michel Temer no caso JBS, mesmo com os últimos acontecimentos envolvendo áudios de delatores e o encontro do procurador-geral com um advogado do empresário Joesley Batista.

Provavelmente o STF nada isento deve acompanhar a posição do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, de não declarar Janot suspeito no caso, além de não anular as provas obtidas no acordo de colaboração do Grupo J&F, que controla a JBS.

Uma eventual suspensão da nova denúncia contra Temer é considerada um tema mais delicado e complexo, visto por integrantes do tribunal como uma potencial intervenção do STF na prerrogativa de a Procuradoria-Geral da República apresentar uma acusação formal contra o presidente.

O Golpista ministro Gilmar Mendes considera que Janot submeteu o STF “ao maior vexame de sua história” no episódio da homologação da delação do Grupo J&F, procura reestabelecer a imagem de pureza e imparcialidade deste podre sistema judiciário.

Além disso, a defesa de Temer afirma que Janot tinha ciência de uma negociação informal entre os colaboradores e o então procurador da República Marcello Miller sobre o acordo de delação premiada, antes do início das tratativas oficiais para firmar a delação e de o Supremo autorizar que o presidente da República fosse investigado, seria ilegal.

Fica evidente que a delação premiada é delação acordada e é utilizada para inocentar as pessoas que eles querem inocentar. Ao contrário do que pensa a globo e os coxinhas sem celebro nem todo mundo é imune a corrupção – Nem o STF.

Joesley compra um procurador da mesma forma que ele compra um político porque todos gostam de dinheiro. Nem por motivos políticos e éticos Janot vai rever a delação sem anular o que foi feito por Temer. O áudio de Joesley denunciando Temer foi homologado e continua valendo mesmo que ele suspenda a próxima delação. Armaram um esquema para mostrar que o cara é limpo e o judiciário é tão corrupto quanto os outros poderes. Boa parte do STF está implicado em varias acusações – o procurador assistente do Janot teria feito o acordo mais conveniente para eles.

Fazem propaganda que o Judiciário é isento, assim como querem acreditar que o Exército é isento. Pois na hora que a burguesia quer montar uma ditadura a coisa que eles mais gostam de fazer é buscar um árbitro imparcial para a situação política, quando buscam um funcionário tão corrupto quanto todos do esquema.

artigo Anterior

Lula será preso, diz jornalista

Próximo artigo

Ninguém está a salvo do regime de exceção

Leia mais

Deixe uma resposta