Professores de São Luis (MA) ocupam Secretaria de Educação em protesto

Compartilhar:

Desde o dia 1 de agosto, os professores da rede municipal de São Luis paralisaram suas atividades por reajustes salariais e ocuparam a sede da Secretaria de Educação do Município (SEMED) para exercer pressão para que suas reivindicações sejam atendidas. A categoria, representada pelo Sindicato dos profissionais do magistério da rede municipal de São  Luis (Sindeducação) está negociando com o SEMED proposta de suspensão da greve.

O SEMED afirmou que os valores descontados do salários dos docentes, em função dos dias parados, seriam repostos ainda na segunda quinzena de setembro, o que por si só  é um absurdo, dado o fato de que a greve é um direito inalienável dos trabalhadores, não importa qual sua função ou categoria. Logo, não poderia haver corte de ponto. O Ministério Público está mediando os diálogos entre a Secretária e os professores  e exigiu que  o prédio da Secretatia seja desocupado como condição para se discutir as demandas da categoria. Em troca, parte dos salários que foram descontados dos professores seriam repostos de imediato. Em outras palavras, corta-se parte do salários para fazer chantagem contra os grevistas, uma forma um tanto fascista para enfraquecer o movimento de greve.

A categoria reivindica reajuste de míseros 7,64 reais e seus representantes irão avaliar se a Prefeitura tem recursos para concender o aumento.  A Secretaria do Município de Maranhão, a Semed, disse que a Prefeitura não teria os recursos necessários para atender a reivindicação dos docentes. Afirmou da impossibilidade da conceder o  aumento sem ao menos trazer um ofício das contas do município, sem parecer técnico assinado pelas autoridades devidas (Prefeito e Tribunal de Contas), ou seja, mais conversa mole.

A reivindicação dos professores não se encerra apenas no aumento salarial, mas também pela expansão da oferta de vagas nas creches, na manutenção predial das unidades de ensino, dentre outros. Ou seja, melhores condições de trabalho. 

Infelizmente, enquanto durar o governo golpista de Michel Temer, que aprova medidas impopulares (dentre as quais a PEC do controle de gastos) os serviços públicos essenciais aos cidadãos correrão sério risco de diminuição de investimentos e suspensão de envio de verbas devido à suposta escassez de recursos para tal.

Aos professores de São Luis do Maranhão e os demais trabalhadores de todo o Brasil, não resta outra opção a não ser lutar, fazer greve, se opor às medidas do atual governo que atacam a população pobre do país e naõ ceder perante a tentativa de sucatear os direitos do povo.

artigo Anterior

Frase do dia

Próximo artigo

PSTU/Conlutas quer que federação fantasma controle campanha salarial dos Correios

Leia mais

Deixe uma resposta