Trabalhador é demitido mesmo internado com pneumonia

Compartilhar:

O Frigorífico Intermezzo, localizado em São Paulo, na região Centro Leste, não dá a menor atenção às condições de saúde de seus funcionários, pois demitiu um funcionário em fase de experiência, mesmo este funcionário estando muito doente.
O funcionário variava, às vezes estava dentro da câmara fria ou fora dela, ficando mais tempo dentro da câmara com temperaturas ultrapassando os 30 graus negativos, próximo de vencer a experiência, o jovem de apenas 19 anos, em seu primeiro emprego acabou sendo demitido.
Porém, desde a última semana de agosto, o trabalhador já estava muito doente, e veio a ser internado no dia 2 de setembro, pois contraiu pneumonia, a situação é tão grave que o hospital forneceu uma declaração dizendo que não há previsão de alta.

Intervalo Térmico

Na empresa há o descumprimento da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), referente ao artigo que diz respeito ao intervalo térmico, conforme segue:

art. 253 – Para os empregados que trabalham no interior das câmaras frigoríficas e para os que movimentam mercadorias do ambiente quente ou normal para o frio e vice-versa, depois de 1 (uma) hora e 40 (quarenta) minutos de trabalho contínuo, será assegurado um período de 20 (vinte) minutos de repouso, computado esse intervalo como de trabalho efetivo.
Parágrafo único – Considera-se artificialmente frio, para os fins do presente artigo, o que for inferior, nas primeira, segunda e terceira zonas climáticas do mapa oficial do Ministério do Trabalho, Indústria e Comercio, a 15º (quinze graus), na quarta zona a 12º (doze graus), e nas quinta, sexta e sétima zonas a 10º (dez graus).

Para o frigorífico Intermezzo o trabalhador é apenas um número, uma peça que, doente é apenas para se jogar fora.
Este é mais um caso, porque as empresas, principalmente nas indústrias frigoríficas que raramente fornecem o comunicado de Acidentes do trabalho (CAT) para esconder o tamanho da destruição do operário devido às péssimas condições de trabalho, a falta de equipamentos de proteção ou por serem inadequados.
Os acidentes e doenças ocupacionais nos frigoríficos aumentam a cada dia, de 2015 para 2016, em apenas um ano, os casos passaram de cerca de dezoito mil para quase vinte mil, em um período onde os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentaram uma queda em 3% (três por cento) de acidentes nas indústrias do País.
A demissão do jovem trabalhador se reverteu através do Sindicato dos Frios que soube da situação e reivindicou junto ao frigorífico, ameaçando , de outra forma seriam tomadas outras medidas para cancelar a demissão.
Os trabalhadores devem se organizar junto ao sindicato, pois os patrões só irão respeitar os trabalhadores enquanto organizados.

artigo Anterior

Pará: professores estaduais anunciam greve

Próximo artigo

Banqueiros são os grandes agentes e beneficiários do golpe de Estado

Leia mais

Deixe uma resposta