Encontro de sindicalistas da Fentect reafirma subordinação à federação fantasma

Compartilhar:

Na última segunda-feira (dia 4) foi realizado em Brasília/DF o XIX Consin (Conselho de Representantes Sindicais) da Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios).

Esse encontro burocrático, restrito a apenas um sindicalista por sindicato filiado à Fentect, mais a diretoria da federação, costuma ser convocado para modificar as deliberações aprovadas no Conrep (Conselho de Representantes), composto por dezenas de delegados de base.

O Consin objetivava a reorganização da campanha salarial, diante da política golpista da direção da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) em conluio com o TST (Tribunal Superior do Trabalho), que buscam levar a campanha salarial dos Correios até o início da vigência da “reforma” trabalhista, no mês de novembro, que destrói a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) e ataca conquistas de décadas de lutas dos trabalhadores.

No entanto, os sindicalistas que participaram do Consin em nada reorganizaram a campanha salarial, a não ser reafirmar a subordinação canil da Fentect (única federação legitima da categoria) à “federação fantasma” (Findect), federação criada pelos patrões nos anos 90 para dividir a categoria, controlada hoje pelos sindicalistas golpistas do PMDB de Bauru em parceria com os traidores contumaz da categoria do PCdoB de São Paulo e Rio de janeiro, que já deram centenas de exemplo de capachismo à direção da ECT e traição as lutas da categoria.

No documento oficial da Fentect sobre o XIX Consin, aonde é apresentada as deliberações dos sindicalistas, consta em evidência as seguintes ações:

1 –  “Enviar carta à FINDECT reafirmando o calendário deliberado pela maioria dos sindicatos de Correios”

Ou seja, não existe luta entre os sindicalistas da Fentect e a “federação fantasma”, muito menos independência dos patrões, mas uma parceria com os capachos da empresa, aonde os sindicalistas da Fentect, com medo da luta que está por vir, avisam aos seus parceiros da Findect, de que eles tem que se adequar ao calendário da Fentect, para poder trair à luta, se colocando à frente do movimento, uma vez que controlam os maiores sindicatos dos Correios que são as bases de São Paulo e Rio de Janeiro.

A vitória dos trabalhadores dos Correios só poderá vir pela derrota da federação fantasma (Findect), unificando a base de São Paulo e Rio de janeiro no calendário da Fentect, através de assembleias realizadas pela própria Fentect nessas bases sindicais.

Manter essa cumplicidade, confunde a categoria e possibilita aos sindicalistas traidores da Findect manipular a campanha  e dividir a categoria na hora de tomar decisões fundamentais.

 

2- “Realizar eventos de mobilização nas bases da FINDECT, conforme deliberado no 34º Conrep”

Para justificar a capitulação diante dos sindicalistas patronais da federação fantasma (Findect), os sindicalistas da Fentect anunciaram demagogicamente que irão fazer eventos de mobilizações nas bases da federação fantasma, São Paulo e Rio de janeiro, principalmente.

No entanto, é uma deliberação abstrata, já que não tem data, não tem local e nem qual é a política que o evento irá promover.

Não existe entre os sindicalistas da Fentect a política de considerar ilegítima a “federação fantasma”, que sequer é registrada no Ministério do Trabalho, e que, portanto, deveria dar lugar a uma luta para evitar que a federação patronal negociasse em nome dos trabalhadores, pois sua presença só serve para reforçar as posições da ECT  e dos golpistas ministros do TST, como podemos ver na audiência do dia 22 de agosto.

Também teria que haver uma política para deslegitimar as assembleias de capangas, realizadas em SP e RJ pelas diretorias sindicais ligadas à Findect, aonde os trabalhadores são proibidos de falar.

Se a Fentect de fato tivesse o interesse de realizar qualquer evento nessas bases da “federação fantasma”, as datas do evento teriam que ser deliberadas no próprio Consin, já que não há tempo para novas decisões, pois segundo o calendário de lutas da Fentect, a fim de que a campanha não chegue até novembro, os trabalhadores dos Correios terão que deflagrar greve no dia 19 de setembro, ou seja, em duas semanas.

Se não bastasse essas deliberações que mostram a subordinação de toda diretoria sindicalm da Fentect (PT, PSTU, PSol, Intersindical e diretoria do Sintect-MG mineiro) à Findect, o secretário geral da entidade, José Rivaldo, vulgo Talibã, durante do evento, ainda comunicou aos sindicalistas presentes, que a Fentect enviou um ofício ao TST, pedindo “carona” na reunião que a “federação fantasma” agendou para o dia 5 de setembro com o golpista ministro vice-presidente do TST  Emmanuel Pereira.

Uma mediocridade, que mostra que a Fentect, apesar de ser a única representação legítima da categoria, têm em sua direção sindicalistas estão prontos para legitimar qualquer ação dos agentes patronais da federação fantasma.

Da mesma maneira que a categoria dos correios foi vencendo etapas na luta política dentro do movimento, como a de acreditar em abonos e na conversa de chefes de unidade, a categoria vai ter que superar a ideia de que é preciso uma “unidade” com a direção traidora da federação do patrão, pois sem um embate que derrote estes sindicalistas pelegos, jamais haverá a possibilidade de vitória dos trabalhadores dos Correios contra a direção golpista da ECT, muito menos, diante da situação política de golpe de estado e dos planos dos golpistas de liquidar em questão de meses a empresa pública dos Correios no Brasil.

artigo Anterior

Petrobrás prorroga o ACT para submeter petroleiros à regime de escravidão

Próximo artigo

Pará: professores estaduais anunciam greve

Leia mais

Deixe uma resposta