Em meio à crise, golpistas querem aprovar às pressas rombo de R$ 159 bi

Compartilhar:

Dirigentes dos partidos da base golpista, aliados ao governo Michel Temer, anunciaram que vão colocar em votação ainda nessa semana, mesmo com o feriado de 7 de setembro na próxima quinta-feira, a conclusão do projeto que prevê déficit de R$ 159 bilhões nas contas públicas em 2017 e em 2018. Mesmo com a oposição que vai buscar criar dificuldade e impedimento ao prosseguimento da mesma.

Sessão conjunta do Congresso Nacional,  integrada por deputados e senadores foi marcada  para as 19h desta terça (5), para aprovação da medida, evidenciando que o governo busca aprovar a toque de caixa o projeto que impõe novos cortes nos gastos públicos, com graves consequências nas áreas sociais, com  objetivo de manter o “equilíbrio fiscal”, que não é outra coisa que não seja a contenção drástica de despesas que interessas à população pobre, enquanto bilhões continuam sendo pagos aos bancos e grandes monopólios capitalistas que patrocinaram o golpe de Estado em curso para aprofundar a miséria da maioria da população e e destruir a economia nacional.

Na semana anterior, o Congresso já aprovou o texto-base do projeto, em uma sessão que levou cerca de 11 horas, mas a conclusão da votação ficou para esta semana porque a base aliada do governo não conseguiu quórum suficiente diante da evidente crise que a proposta estabelece até mesmo dentro de setores da burguesia que integra a base golpista.

Em função da votação da revisão da meta não ter sido concluída, o governo teve de enviar ao Legislativo o projeto com as previsões de receitas e despesas desatualizadas. De acordo com o texto em vigor, a meta fiscal de 2017 prevê déficit de R$ 139 bilhões e a de 2018, R$ 129 bilhões, pela novas contas feitas pelo governo, sob o pretexto de que a arrecadação ficou abaixo do esperado, o rombo foi estimado em R$ 159 bilhões, por dois anos consecutivos.

A situação evidencia que por detrás da conversa fiada de que há uma recuperação da economia, a situação está se desintegrando, diante da política de terra arrasada adotada pelo regime golpista contra a população trabalhadora e a economia nacional.

artigo Anterior

Com PSDB em desagregação, FHC quer “candidatura agregadora”

Próximo artigo

Governo quer impor novo bloqueio de bilhões do orçamento

Leia mais

Deixe uma resposta