Vagner Freitas: “trabalhador tem que entrar em campo”

Compartilhar:

O presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, em entrevista à   convocou os trabalhadores para se engajarem ainda mais na luta, seja em atos, como nas redes sociais, socializando informações, e também na cobrança a deputados e senadores eleitos por estes.

Apesar de fazer esta convocação para que as ações contra o golpe e suas medidas de ataques ao trabalhadores se intensifique, o mesmo reconhece que a resistência do trabalhador é positiva, visto que já foi realizada a maior greve geral da história, assim como a maior ocupação à Brasília.

Uma das medidas proposta é uma coleta de assinaturas exigindo a revogação da reforma trabalhista, vista pelo mesmo como inconstitucional, embora saiba que a maior pressão é a das ruas. O congresso da CUU também aprovou apoiar a campanha pela Ação Popular que pede a anulação do impeachment.

Sobre o imposto sindical e a possibilidade de sentar à mesa com os golpistas para debater reformas, o mesmo se posiciona totalmente contra e afirma que a CUT não negociará nenhuma perda de direitos e por isso defende a revogação total das reformas que já passaram e a não aceitação das que estão por vir e reafirma a posição histórica da CUT em ser contra a cobrança do imposto.

Para o presidente da CUT possibilidade de uma nova grande greve geral é real e deverá estar acontecendo à qualquer momento, é chegada a hora de toda a classe trabalhadora brasileira se unifique em prol de uma única bandeira, derrotar o golpe e expulsar os golpistas  do poder, este é o único caminho para o trabalhador, sinalizou Vagner.

artigo Anterior

Dia 7 de setembro começa a campanha contra o fim da CLT

Próximo artigo

Mais de 5 mil educadores foram alvo de ataques físicos

Leia mais

Deixe uma resposta