Crise generalizada dos partidos políticos é tema de análise na Causa Operária TV

Compartilhar:

Há uma crise generalizada em todos os partidos políticos, sem exceção. Desde o PSDB, com o último racha por causa da decisão política de apoiar ou não o governo Temer, até a esquerda passando pelo Partido dos Trabalhadores e o PSOL.

O maior desdobramento de tudo isso se faz muito claro nas movimentações de diversos partidos feita para as eleições de 2018 através da tentativa de mudança de nome que muitos partidos pretendem. Esta política de disfarce mostra o nível de desagregação política pela qual o regime política está passando após o golpe de Estado.

O golpe no país foi responsável por levar o nível da polarização política às alturas, tornado a população muito mais consciente politicamente. Por causa disto, os antigos partidos precisaram se colocar de modo claro em todo o cenário político, desgastando a direita popularmente. Para enganar todos, agora ensaia-se a mudança dos nomes dos partidos, muitos deles negando inclusive a palavra partido.

A crise política revelada pelo colapso total dos partidos políticos do regime é um momento muito importante para a organização da classe operária, sendo de características revolucionárias. Os partidos políticos, no regime democrático burguês, são as principais organizações de controle político.

Assim, não devemos nos iludir com o palavreado pretensamente científico que classifica o momento atual como crise de representatividade. O que está ocorrendo é um colapso total do sistema político, sendo a rejeição da política destes elementos perante o golpe.

A burguesia se aproveita da crise para ampliar a confusão que caracteriza todo momento de turbulência, atacando todos os partidos para tentar reapresentar o regime em outro momento. Este truque é antigo e sempre prepara o caminho para a extrema-direita, pois pavimenta o caminho contra os parlamentares e os partidos políticos.

A esquerda precisa dar uma expressão política concreta para este problema político atual e isso não vai ocorrer sem a apresentação de um programa revolucionário que movimente os trabalhadores na luta contra o golpe.
Entenda melhor toda esta crise no trecho da última Análise Política da Semana, de 26 de Agosto de 2017.

artigo Anterior

A CUT dá lição na esquerda de como lutar contra o imperialismo e o golpe de estado

Próximo artigo

Congresso da CUT convoca luta contra as privatizações

Leia mais

Deixe uma resposta